ERA UMA CASA BEM BAGUNÇADA… UMA CANÇÃO DE UM GRUPO DE MULHERES RESIDENTES EM UM ABRIGO PARA VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA

Hermes Soares Santos

Resumo


Este artigo apresenta um recorte da coleta de dados de uma pesquisa do mesmo autor intitulada Contribuições da Musicoterapia Social e Comunitária no enfrentamento do sofrimento ético político de um grupo de mulheres vítimas de violência doméstica. O objetivo deste recorte é mostrar como a construção de uma composição musical de um grupo de mulheres vítimas de violência doméstica contribuiu para que suas reflexões sobre questões incômodas de seus relacionamentos no cotidiano da casa-abrigo no qual residem. Como forma de intervenção durante a coleta de dados deste recorte, foram utilizados durante as sessões as experiências musicais de Bruscia (2016): audição, recriação e composição musicais. A vertente teórica e prática utilizada para a práxis musicoterapêutica foi a Musicoterapia Social e Comunitária. Essa vertente compreende que a atuação do musicoterapeuta pode transpor o espaço clínico e tradicional, e alcançar limites mais amplos dentro do contexto social onde a influência desse contexto é marcante para os sujeitos inseridos nele. Este estudo revela como que o contexto da casa-abrigo com suas relações e regras influenciam diretamente no estado emocional dos sujeitos em questão e mostra a composição musical do como uma forma de enfrentamento desses aspectos a partir da reflexão dos sentidos e significados vinculados ao referido contexto.

Palavras-chave: Musicoterapia Social e Comunitária, sentidos e significados, contexto social. 


Texto completo:

PDF

Referências


ARNDT, A. D.; CUNHA, R.; VOLPI, S. Aspectos da prática musicoterapêutica: Contexto Social e Comunitário em perspectiva. Psicologia e Sociedade. 28(2), p. 387-395, 2016. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/psoc/v28n2/1807-0310-psoc-28-02-00387.pdf>. Acesso em 18 de novembro de 2019.

BRUSCIA, Kenneth. Definindo Musicoterapia. Tradução: Marcus Leopoldino. 3ª ed. Dallas: Barcelona Publishers, 2016.

CAMARGO, Denise de; MAHEIRIE, Kátia; WASLAWICK, Patrícia. Significados e Sentidos da Música: Uma Breve “Composição” a partir da Psicologia Histórico-Cultural. Psicologia em Estudo. Maringá, v. 12, n 1. Jan./apr. 2007. Disponível em < http://www.scielo.br/pdf/pe/v12n1/v12n1a12>. Acesso em 18 de novembro de 2019.

CAVALCANTI, Vanessa R. S.; OLIVEIRA, Anna P. G. Violência Doméstica na Perspectiva de Gênero e Políticas Públicas. Revista Brasileira de Crescimento Desenvolvimento Humano, 2007;17(1): p. 39-51.

CURTIS, S.L. Feminist Music Therapy: transforming theory, transforming lives. Feminist Perspectives in Music Therapy. Hadley, S. (org). Gilsum NH: Barcelona Publishers, 2006, p. 227-44.

KRENKEL, S.; MORÉ, C. L. O. O. Violência contra a Mulher, Casas-Abrigo e Redes Sociais: Revisão Sistemática da Literatura. Psicologia: Ciência e Profissão, 2017, v. 37, n˚ 3, 770-783.

MARATOS, A. Whatever Next? Community Music Therapy for the Institution! In: ANSDELL, G.; PAVLICEVIC, M. Community Music Therapy. Jessica Kingsley Publishers, 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Governo do Estado do Paraná
Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
InCantare: R. Pesq. Musicoterapia, Curitiba, Faculdade de Artes do Paraná, ISSN 2317-417X