Idiomatismo Violoní­stico e Construções Identitárias na Obra de Lula Galvão

Autores

  • Davi Melo Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Marta Castello Branco Universidade Federal de Juiz de Fora

DOI:

https://doi.org/10.33871/23179937.2020.8.3.3976

Palavras-chave:

Música Popular Brasileira, Lula Galvão, Violão Solo, Arranjo musical

Resumo

Este artigo apresenta o questionamento acerca de mecanismos da cultura brasileira que determinam sua construção identitária. A partir da transcrição e análise da introdução ao arranjo de Brigas Nunca Mais (Tom Jobim e Vinicius de Moraes, 1959), composto para violão solo e gravado por Lula Galvão (2017), foram analisados aspectos biográficos, escolhas estéticas e idiomáticas feitas pelo violonista, com o objetivo de elucidar a relação entre ferramentas técnicas e analí­tico-musicais e uma possí­vel caracterização identitária do repertório brasileiro. Nossa hipótese aponta para a compreensão dos principais recursos utilizados por Galvão em seu arranjo como: o uso da 2ª menor, rearmonizações, baixos estáticos, trechos de caráter livre e procedimentos idiomáticos no uso do instrumento como campanellas, escolhas de encaminhamentos harmônicos e voicing como elementos musicais que se relacionam diretamente à fluidez do conceito de identidade e a seu reconhecimento no contexto da música popular brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Davi Melo, Universidade Federal de Juiz de Fora

Davi Melo é graduado em violão pela Universidade Federal de Juiz de Fora. Atuou como monitor do instrumento na mesma instituição e como pesquisador em projeto de iniciação cientí­fica. Entre os anos 2016 e 2018 estudou violão com com Luis Leite e cursou oficinas do instrumento com José Paulo Becker. Participou de master classes com Roger Franco (2016), Isaac Lausell (Southern University Illinois, 2016) e teve aulas particulares com Elodie Bouny (2019). Participou do Festival de Música Antiga com Nicolas de Souza Barros (2016), e cursou violão erudito na Escola Municipal Maestro Fêgo Camargo, Taubaté, SP (2004 – 2010). ORCID: http://orcid.org/0000-0003-0318-0919

Marta Castello Branco, Universidade Federal de Juiz de Fora

Marta Castello Branco é professora no Departamento de Música do Instituto de Artes e Design, UFJF e no Programa de Pós-Graduação em Artes, Cultura e Linguagens da mesma instituição. Cursou o doutorado na Universität der Künste Berlin (UdK), na Alemanha. Entre suas publicações estão os livros "Reflexões sobre Música e Técnica" (Editora UFBA, 2012), "O Instrumento Musical como Aparato" (Editora UFJF, 2015), a organização, tradução e apresentação do livro "Na Música. Vilém Flusser" (Editora Annablume, 2017). Temas atuais de pesquisa incluem as relações entre música, cultura e sociedade, estudos da relação entre técnica, materialidade e expressão musical, universalismo e essencialismo na música. ORCID: http://orcid.org/0000-0002-2926-0215

Referências

BARBATO, Luis Fernando Tosta Barbato. A Construção da identidade nacional brasileira: necessidade e contexto. Revista Eletrônica História em Reflexão, Vol.8 (15), 2014.

BARRETO, Almir Côrtes. Improvisando em Música Popular. Um estudo sobre o choro, o frevo e o baião e sua relação com a "música instrumental" brasileira. 2012. 285p. Tese (Doutorado em Música). Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2012.

BHABHA, Homi. The Location of Culture. London and New York: Routledge, 1994.

CHEDIAK, Almir. Tom Jobim. Songbook. Vol. 1, Rio de Janeiro: Lumiar, 1990, pp. 66-67. Partitura.

FARIA, Nelson. Brigas Nunca Mais. Tom Jobim/Vinicius de Moraes (compositor); Lula Galvão (interprete, violão). Disponí­vel em: <https://www.youtube.com/watch?v=K2N3oC8psGI> Acesso em 5 de fevereiro de 2020.

FARIA, Nelson. Um Café Lá em Casa. Disponí­vel em: <https://www.youtube.com/channel/UCC8sjLWfha4fPIgQXIT5tcQ>. Acesso em 16 de agosto de 2020.

FARIA, Nelson. Um Café Lá em Casa com Lula Galvão e Nelson Faria. 2017. Disponí­vel em: <https://www.youtube.com/watch?v=FJ5ymP3ocm4> Acesso em 12 de Junho de 2020.

FLUSSER, Vilém. Fenomenologia do Brasileiro: em busca de um novo homem. Rio de Janeiro: Eduerj, 1998.

GALVíO, Lula. Arranjo de Brigas Nunca Mais. Disponí­vel em: <https://www.youtube.com/watch?v=FJ5ymP3ocm4>. Acesso em 16 de agosto de 2020. Arranjo musical.

GALVíO, Lula. Alegria de Viver. Jazzline Records, 2019. CD.

DICIONíRIO MPB. Lula Galvão, 2002. Disponí­vel em: <http://dicionariompb.com.br/lula-galvao>. Acesso em 8 de abril de 2020.

GUITAR PLAYER. GP Matérias, 1998. Disponí­vel em:<http://www.guitarplayer.com.br/?area=materia&colid=10&matid=1333>. Acesso em 16 de março de 2020.

GULLAR, Ferreira. Vanguarda e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1978.

JOBIM, Tom; MORAES, Vinicius de. Brigas Nunca Mais. Cancioneiro Tom Jobim, v.2, Ed. Jobim Music, 2004. Partitura.

JOBIM, Tom; REGINA, Elis. Elis e Tom. Philips Records, 1974.

GILBERTO, João. Chega de Saudade. Odeon, 1959. Disco de vinil.

MANGUEIRA, Bruno. Estudo sobre o uso das escalas dominante diminuta, alterada e lócrio 9M, a partir do solo improvisado de Lula Galvão em "Candeias". Anais do Congresso da ABRAPEM, 4. 2016, Campinas. Anais do evento. Campinas, Instituto de Artes (Unicamp),2016, pp. 55-65

MARQUES, Cecí­lia Baruki Da Costa; DOMINGUES, Eliane. A Identidade nacional brasileira em teses e dissertações: uma revisão bibliográfica. Revista Psicologia Polí­tica, Vol.14(31), 2014, pp. 465-480

MORIYA, Igor Seije. Caracterí­sticas da Improvisação de Lula Galvão: Análise da Música A Donzela e o Cangaceiro. São Paulo, 2009. 70p. Trabalho de Conclusão de Curso. UniFIAMFAAM. São Paulo, 2009.

NETO, José Martins Dos Santos. Cultura e identidade. Interação e conflito na construção de uma cultura comum brasileira. Horizonte, Vol.13(38), 2015, pp.1162-1166

OLIVEIRA, Lucas Lacerda Lopes de. Métodos de Harmonização e Voicing de Lula Galvão. Revista dos Trabalhos de Iniciação Cientí­fica da UNICAMP, Campinas, n. 26, out. 2018.

PEREIRA, Danglei De Castro. Tensões Culturais na formação da identidade brasileira: confluências. Revista de Humanidades, Vol.31(1), 2016, pp. 86-100

POLO, Victor Rocha. O Violão e a Guitarra de Lula Galvão: Um Estudo Sobre Sua Atuação Musical em Diferentes Formações Instrumentais. Campinas, 2018. 207p. Dissertação (Mestrado em Música). Instituto de Artes, Unicamp, Campinas, 2018.

POLO, Victor Rocha; NASCIMENTO, Hermilson Garcia do. O uso do intervalo de segunda menor por Lula Galvão sobre diferentes tipologias de acordes, em contextos de acompanhamento. Anais do XXIX Congresso da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. Pelotas, 2019, pp. 1-10

ZACHARIAS, Daniel Gutilla. O Estilo Interpretativo de Lula Galvão: novos horizontes do violão na música popular brasileira. Campinas, 2009. 27p. Relatório final de atividades de Iniciação Cientí­fica do PIBIC/CNPq. Instituto de Artes, Unicamp, Campinas, 2009.

ZANON, Fábio. Baden Powell. Programa da série "O Violão Brasileiro", Rádio Cultura FMde São Paulo, 2007. Disponí­vel em: <http://vcfz.blogspot.com/>. Acesso em 3 de março de 2020.

Downloads

Publicado

15.12.2020

Como Citar

Melo, D., & Branco, M. C. (2020). Idiomatismo Violoní­stico e Construções Identitárias na Obra de Lula Galvão. Revista Vórtex, 8(3). https://doi.org/10.33871/23179937.2020.8.3.3976

Edição

Seção

Artigos