DOENÇAS OCULARES MAIS COMUNS QUE AFETAM CRIANÇAS E ADOLESCENTES ATENDIDAS EM UM CENTRO DE ATENDIMENTO EM CURITIBA/PR

Autores

  • Carlos Fernando França Mosquera UNESPAR/FAP
  • Lydio Roberto Silva UNESPAR
  • William Cordeiro Souza Universidade do Contestado/SC
  • Anne Caroline Goyos Nascimento Diretora do Centro de Atendimento Educacional Especializado Natalie Barraga
  • Suellen Costa Souza ABRANUFI

Resumo

O presente estudo teve como objetivo verificar as doenças oculares mais comuns que afetam crianças e adolescentes de um Centro de Atendimento em Educação Especial em Curitiba/PR. Metodologicamente, utilizou-se a pesquisa descritiva e ex-post factual, que foi constituí­da por 224 adolescentes (125 meninos e 99 meninas), com idades entre 6 a 17 anos, que apresentavam patologias oculares. Para verificar as doenças mais comuns foram apreciados os prontuários dos avaliados, além dos dados sociodemográficos (idade e sexo). Para análise dos dados realizou-se a estatí­stica descritiva com cálculo das frequências absoluta/relativa e intervalos de confiança (IC) de 95%. Para a análise univariada foi realizado o teste Exato de Fisher. O ní­vel de significância utilizado como parâmetro foi o de 5%. Como resultado, observou-se que o estrabismo (p= 0,02) e a palidez papilar (p= 0,02) são as doenças que mais acometem a amostra estudada. Como conclusão, constatou-se que as doenças oculares mais comuns (significativas) que afetam crianças e adolescentes são o estrabismo e a palidez da papila.

Palavras Chave: Adolescentes. Baixa Visão. Cegueira. Crianças. Oftalmopatias.

Biografia do Autor

Carlos Fernando França Mosquera, UNESPAR/FAP

Pós-doutor em Educação

Lydio Roberto Silva, UNESPAR

Mestre em Mí­dia e Conhecimento

William Cordeiro Souza, Universidade do Contestado/SC

Mestre em Educação Fí­sica

Anne Caroline Goyos Nascimento, Diretora do Centro de Atendimento Educacional Especializado Natalie Barraga

Mestre em Educação Especial

Suellen Costa Souza, ABRANUFI

Professora de Dança

Referências

ACKLAND, P.; RESNIKOFF, S.; BOURNE, R. World blindness and visual impairment: despite many sucesses, the problem is growing. Community Eye Health, 30(100); 71-3, 2017.

BEER, S.M.C.; SCARPI, M.J.; MINELLO, A.A.; Achados oculares em crianças de zero a seis anos de idade, residentes na cidade de São Caetanos do Sum, SP. Arq. Bras. Oftalmol. Vol 66, n.6, SP, 2003. https://doi.org/10.1590/S0004-27492003000700019

BEVILíQUA, C. S. Alterações do fundo de olho vistas nas doenças neurológicas. Revista Médica, v. 62, n. 2, p. 4-6, 1980. Disponí­vel em; https://www.revistas.usp.br/revistadc/article/view/58000 Acessado em: 23/03/2020.

BRITO, P.R.; VEITZMAN, S. Causas de cegueira e baixa visão em crianças. Arq. Bras. Oftal. 63 (1), fev. 2000.

CASAL, I. A.; MONTEIRO, S.; FIGUEIREDO, A.; VALE, C.; BORGES, T.; MIRANDA, V.; PARREIRA, R.; MENÉRES, P. Referenciação oftalmológica em idade pediátrica: estudo retrospetivo de doze meses consecutivos de referenciação oftalmológica hospitalar. Revista Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, v. 34, n. 2, p. 62-70, 2018.

CASTAGNO, V. D.; FASSA, A. G.; SILVA, M. C.; CARRET, M. L. V. Shortage of ocular health care in the public system: a population-based study. Cadernos de Saúde Pública, v. 25, n. 10, p. 2260-2272, 2009. Disponí­vel em: https://www.scielo.br/pdf/csp/v25n10/16.pdf Acessado em: 13/03/2019

CASTRO, S. S.; CÉSAR, C.L.G.; CARANDINA, L. BARROS, M.B.A.; ALVES, M.C.G.P.A.; GOLDBAUM, M. Deficiência visual, auditiva e fí­sica: Prevalência e fatores associados em estudo de base populacional. Cad. Saúde Pública, RJ, 24(8): 1773-1782, ago, 2008. Disponí­vel em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102311X2008000800006&script=sci_abstract&tlng=pt Acessado em: 27/07/2020

CELINO, A.C.; TRIGUEIRO, S.; VENTURA, L.; TOSCANO, J. BARROCA, R. Alterações oculares em crianças portadoras de paralisia cerebral. Rev. Bras, oftamol.; 62(4): 248-251, abr. 2003. http://dx.doi.org/10.1590/S0004-27492006000600025

COUTO JÚNIOR, A. S.; JARDIM, J. L.; OLIVEIRA, D. A.; GOBETTI, T. C.; PORTES, A. J. F.; NEURAUTER, R. Alterações oculares em crianças pré-escolares e escolares no municí­pio de Duque de Caxias, Rio de Janeiro, Brasil. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 69, n. 1, p. 7-11, 2010. DOI10.1590/S0034-72802010000100002

COUTO JUNIOR, A.; OLIVEIRA, L.A. G. As principais causas de cegueira e baixa visão em escola para deficientes visuais. Rev. Bras. Oftalmol. (1): 26-9, 2016

FOSTER, G.C. Childhood Blindness: a new form for recording causes of visual loss in childen. Bulletin of the Word Health Organisation; 71 (5): 485-9, 2003.

GAETE, M.I.L.; LIRA, R.P.C.; MORAES, L.F.L.; VASCONCELOS, M.S.L.; OLVEIRA, C.V. Associação entre a necessidade de prescrição de correção óptica e outras doenças oculares em crianças na idade escolar. Arq. Bras. Oftalmol. 70(6): 949-52, 2007. Disponí­vel em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0004-27492007000600012 Acessado em: 09/04/2018

GERMANO, F. A. S.; GERMANO, C. S.; GERMANO, R. A. S.;GERMANO, J. E. The study of the causes of blindness and low vision in a school for visual disabilities in Bauru city. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 78, n. 2, p. 183-187, 2019. https://doi.org/10.5935/0034-7280.20190125

GIANINI, R. J.; MAIS, E.; COELHO, E. C.; ORÉFICE, F. R.; MORAES, R. A. Prevalence of low visual acuity in public school"™s students from Brazil. Revista de Saúde Pública, v. 38, n. 2, p. 1-7, 2004. https://doi.org/10.1590/S0034-89102004000200008

GOMES, J. L.; OTANI, W. M. I.; DIAS, R. N.; GRANATA, M. D. P.; SILVA, M. G. V. Q. Identificação de erros de refração em populares da Região Sul Fluminense. Revista de Saúde, v. 7, n. 1, p. 18-21, 2016.

JANNUZZI, G. Algumas Concepções de Educação do Deficientes. Rev. Bras. Ciênc. Esporte. Campinas, v.25, n. 3, p. 9-25, 2004a

KARA-JOSÉ N; ALMEIDA, G.V.; ARIETA, C.E.L.; ARAÚJO, J.S.; BECGARA, S.J.; OLIVEIRA, P.R.; Causas de deficiência visual em crianças. Bolo f Sanit Panam; 97 (5): 405-12, 1994.

LEDESMA, F.; ZARPELON, R. O.; XAVIER, C. R.; SMOLAREK, A. C.; SOUZA, W. C.; MASCARENHAS, L. P. G. Teste do reflexo vermelho: Quando deve ser aplicado e qual benefí­cio oferece?. Arquivos Catarinenses de Medicina, v. 47, n. 2, p. 204-211, 2018. Disponí­vel em: http://www.acm.org.br/acm/seer/index.php/arquivos/article/view/90 Acessado em: 27/08/2019

LIMA, M. A.; PAGLIUCA, L. M. F.; NASCIMENTO, J. C.;CAETANO, J. í. Comparing Interrater reliability between eye examination and eye self-examination. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 25, p. e2966, 2017.

MONTEIRO, M. L. R.; MOURA, F. C. Aspectos oftalmológicos da sí­ndrome da hipertensão intracraniana idiopática (pseudotumor cerebral). Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 67, n. 4, p. 196-203, 2008.

MOSQUERA, C. F. F.; COSTA SOUZA, S.; SOUZA, W. C.; NASCIMENTO, A. C. S. G.; SCHLESENER, A. H. Equilí­brio Estático-Dinâmico em crianças com baixa visão. Cuerpo, Cultura y Movimiento, vol. 9, n. 1, pp.59-76, 2019

MOSQUERA, C.F.F. Entre Devaneios e Ilusões: Educação Especial e Memórias Inclusivas. Editora Chain, 2019.

RESNIKOFF, S.; PASCOLINI, D.; ETYA"™ale, D. KOCUR, I.; PARARAJASEGARAM, R.; POKHAREL, G.P.; MRIOTTI, S.P. Global data on visual impairment in the year 2002. Bull WHO, 82(11): 844-51, 2004

ROCHA, M. N. A. M.; íVILA, M. P.; ISAAC, D. L. C.; MENDONÇA, L. S. M.; NAKANISHI, L.; AUAD, L. J. Prevalência de doenças oculares e causas de comprometimento visual em crianças atendidas em um Centro de Referência em Oftalmologia do centro-oeste do Brasil. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 73, n. 4, p. 225-229, 2014.

ROCHA, M. N. A. M.; SANCHES, A.; PESSOA, F. F.; BRAZ, G. S.; REGO, L. P.; AUAD, L. J.; RIBEIRO, P. C. A. Forma clí­nica e fatores de risco associados ao estrabismo na binocularidade visual. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 75, n. 1, p. 34-39, 2016.

ROCHA, M.N.A.M.; íVILA,M.P.; ISAAC, D.L.C.; MENDONÇA, L.S.M.; NAKANISHI, L.; AUAD, L.J. Prevalência de doenças oculares e causas de comprometimento visual em crianças atendidas em um Centro de Referência em Oftalmologia do centro-oeste do Brasil. Rev. Bras. Oftalmol.. vol 73, n.4, 2014. Disponí­vel em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S003472802014000400225&script=sci_arttext&tlng=pt Acessado em: 12/08/20 https://doi.org/10.5935/0034-7280.20140049

SANVITO, W. L.; ALTIMARI, D. C.; FILGUEIRAS, M. A. S.; ORTEGA, C. C.; ENDO, R. M. Doença de leber estudo genético de uma famí­lia. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, v. 54, n. 2, p. 194-198, 1976.

VALVERDE, C. N. L.; NACIF, T. C. B.; FREITAS, H. O.; QUEIROGA, T.M.; BOMFIM-PEREIRA, M. G. Detecção da prevalência de baixa visual e tratamento no grupo etário 4 a 7 anos. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 75, n. 4, p. 286-289, 2016.

VIEIRA, J. K.; REZENDE, G. X.; ANASTíCIO, L. B.; FREITAS FILHO, R. T.; BENEVIDES, H. C. C.; FONSECA, J. M.; PEREIRA, M. V. S.; MOTA, F. M. Prevalência de baixa acuidade visual em escolares. Revista Brasileira de Oftalmologia, v. 77, n. 4, p. 175-179, 2018.

ZAPPAROLI, M.; KLEIN, F.; MOREIRA, H. Avaliação da acuidade visual Snellen. Arquivos Brasileiros de Oftalmologia, v. 72, n. 6, p. 783-788, 2009.

Downloads

Publicado

2021-06-09