A performance decolonial de Rachel Reis no álbum Meu Esquema e a cena musical afrolatina de Salvador

Visualizações: 135

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/vortex.2024.12.8724

Palavras-chave:

Música pop, Cena musical afrolatina, Performance, Interseccionalidade, Decolonialidade

Resumo

Neste artigo trazemos os primeiros resultados de uma investigação que busca pensar as práticas musicais ambientadas em territorialidades decoloniais, a partir de uma perspectiva interseccional. Tendo como assunto de pesquisa o álbum visual Meu Esquema, de Rachel Reis, propomos a articulação da noção de cena musical a partir da conexão com conceitos como Performance, Amefricanidade, Feminismo Decolonial e Ancestralidade, para compreender fenômenos culturais urbanos ancorados em performances de gênero, pós-gênero, raça/etnia, sexualidades, cidadania, classe, que se materializam em cidades da América Latina. Com este objetivo, propomos o conceito de cena musical afrolatina/diaspórica, que nos parece mais adequado para dar conta de processos culturais ambientados em localidades marcadas pela opressão colonial e a violência étnica-racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadja Vladi Gumes, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Nadja Vladi Gumes é professora adjunta da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia. Professora do curso de Produção Musical do CECULT/UFRB e docente permanente do PPGCOM da UFRB e do Programa em Cultura e Sociedade da UFBA. Doutora em Comunicação e Cultura pela UFBA, é uma das líderes do grupo de pesquisa Música e Mediações Culturais (CNPq/UFRB) e coordena a pesquisa Práticas musicais e suas conexões comunicacionais atravessadas por perspectivas interseccionais. É sócia da IASPM-AL (Associação Internacional para o Estudo da Música Popular Seção Latino-americana) e participa do GP Comunicação, Música e Entretenimento da Intercom. Foi pesquisadora visitante na McGill University (2017/Canadá) e na Universidade Federal do Rio de Janeiro (2018).

Tatiana Rodrigues Lima, Universidade Federal do Recôncavo da Bahia

Tatiana Rodrigues Lima é doutora em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia e professora da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia, no Programa de Pós-Graduação em Comunicação - Mídia e Formatos Narrativos, Curso Superior Tecnológico em Produção Musical, Bacharelado Interdisciplinar em Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas e Licenciatura em Música Popular Brasileira. Lidera o grupo de pesquisa Música e Mediações Culturais (CNPq/UFRB). É jornalista graduada pela UFBA, mestra em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela UFBA e Pós-doutora pelo Instituto de Etnomusicologia - Centro de Estudos em Música e Dança da Universidade Nova de Lisboa.

Referências

ARGÔLO, Marcelo. Rachel Reis apresenta seu pop tropical de referências baianas em 'Meu Esquema', disponível em www.ibahia.com/colunistas/pop-bahia/rachel-reis-apresenta-seu-pop-tropical-de-referencias-baianas-em-meu-esquema (19/10/2022). Acesso em: 01 fev 2023.

AKOTIRENE, Carla. Interseccionalidade (Feminismos Plurais). São Paulo: Jandaíra, 2019.

BELMONTE, Valéria. Aportes a comunicaciones otras: tránsitos investigativos decolonizantes In: BELMONTE, Valéria; LARA, E. C.; LIMA, V. M. A; SARDINHA, A. (Orgs.) Decolonialidade, Comunicação e Cultura. Macapá: UNIFAP, 2022.

BONA, Dénètem Touam. Cosmopoéticas do Refúgio. Florianópolis: Cultura e Barbárie, 2020.

BUTLER, Judith. Corpos em aliança e política das ruas: notas para uma teoria alternativa de assembleia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CARDOSO FILHO, Jorge.; GUTMANN, Juliana. F. Performances em contextos midiáticos: MTV BR & Rock SSA. Salvador: EDUFBA, 2022.

CASEMAJOR, Natalie; STRAW, Will. The Visuality of Scenes: urban cultures and visual scenescapes. Imaginations 7:2. 4-37. DOI: 10.17742/ IMAGE.VOS.7-2.1. Montreal, 2017. DOI: https://doi.org/10.17742/IMAGE.VOS.7-2.1

COLLINS, Patricia Hill. Pensamento feminista negro. São Paulo: Boitempo, 2019.

COLLINS, Patricia Hill.; BILGE, Sirma. Interseccionalidade. São Paulo: Boitempo, 2021.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 10, n. 1, p. 171-188, 2002 DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

FERNANDES, Cíntia Sanmartin, HERSCHMANN, Micael. A música de rua do Rio de Janeiro. São Paulo: Intercom, 2014.

FERNANDES, Cíntia Sanmartin, HERSCHMANN, Micael. Algumas anotações sobre o ativismo musical negro: o Black Bom nas ruas do Rio de Janeiro. In: FERNANDES, Cíntia Sanmartin; HERSCHMANN Micael; ROCHA, Rose de Melo; PEREIRA, Simone Luci. A (r)tivismos Urbanos: (sobre)vivendo em tempos de urgências. Porto Alegre: Sulina, 2022

GILROY, Paul. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo, Editora 34, 2001.

GONZALEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Org. Flávia Rios, Márcia Lima. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

GUERREIRO, Goli. A Trama dos Tambores. São Paulo: Editora 34, 2001.

GUMES, Nadja Vladi; GARSON, Marcelo; ARGÔLO, Marcelo. Por acaso eu não sou uma mulher? Interseccionalidade em Luedji Luna e na cena musical de Salvador. Campinas, Revista Pagu, 2022. DOI: https://doi.org/10.1590/18094449202300670004

HAESBAERT, Rogério. Território e descolonialidade: sobre o giro (multi) territorial/de(s)colonial na América Latina - 1a ed. - Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO; Niterói: Programa de Pós-Graduação em Geografia; Universidade Federal Fluminense, 2005.

HARISSON, Cara. The Visual Album as a Hybrid Art-Form: A Case Study of Tradicional, Personal and Allusive Narratives in Beyoncé. Dissertação de Mestrado em Cultura Visual Lund University, Lund, Suécia, 2014.

HERSCHMANN, Micael. Cenas, Circuitos e Territorialidades Sônico-Musicais. In: Janotti JR., J.;

HOOKS, Bell. Tudo sobre o amor: novas perspectivas. São Paulo: Editora Elefante, 2021.

JANOTTI JR., Jeder. Deambulações e Prescrições em Torno dos Regimes de Escuta Conexa. Anais do 44º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Intercom: 2021. v. 1. Disponível em: https://www.portalintercom.org.br/anais/nacional2020/resumos/dt6-me/jeder-silveira-janotti-junior.pdf. Acesso em: 11 out. 2022.

_____. Rock me like devil: a assinatura de cenas musicais e das identidades metálicas. Recife: Livrinho de Papel Finíssimo, 2014.

JANOTTI JR, Jeder. S., QUEIROZ, Tobias., PIRES, Victor. A. N. Um Corpo Rexistente: a gira poética de Giovani Cidreira. Revista Trilhos, v. 3, n. 1, outubro de 2022

KILOMBA, Grada. Memórias da Plantação: episódios de racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LUGONES, Maria. Rumo a um feminismo descolonial. In: HOLLANDA, H. B. de (Org.). Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2014. pp. 357-377

MARTINS, Leda. Maria. Performances do tempo espiralar, poéticas do corpo tela. Rio de Janeiro: Cobogó, 2021.

MBEMBE, Achille. Crítica da Razão Negra. São Paulo: n-1, 2018

OLIVEIRA, Luciana Xavier de. A cena musical da Black Rio: estilos e mediações nos bailes soul dos anos 1970. Salvador: Edufba, 2018. DOI: https://doi.org/10.7476/9788523218720

QUEIROZ, Tobias. Cena Musical Decolonial: uma proposição. Mediação, Belo Horizonte, v. 22, n.29, jul./dez. 2019. Disponível em: http://revista.fumec.br/index.php/mediacao/article/view/7332/pdf. Acesso em: 20 out. 2022.

REGEV, Moti. Pop-rock music: aesthetic cosmopolitanism in late modernity. Cambridge, Polity Press, 2013.

RIOS, Flávia. Améfrica Ladina: the conceptual legacy of Lélia Gonzalez (1935-1994). LASA Forum, v. 50, n. 3, p. 75-79. Disponível em: https://forum.lasaweb.org/past-issues/vol50-issue3.php. Acesso em: 30 mai. 2023.

ROCHA, Rose de Melo; SANTOS, Thiago H. R.. Pistas Reflexivas para uma cartografia dos artivismos de gênero no Brasil. In: FERNANDES, Cíntia Sanmartin; HERSCHMANN, Micael; ROCHA, Rose de Melo; PEREIRA, Simone Luci. A (r)tivismos Urbanos: (sobre)vivendo em tempos de urgências. Porto Alegre: Sulina, 2022

RUFINO, Luiz. Pedagogia das Encruzilhadas. Rio de Janeiro: Mórula Editorial, 2019. DOI: https://doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n4ID1012

SÁ, Simone Pereira de; Will Straw: cenas musicais, sensibilidades, afetos e a cidade. In: GOMES, Itania. Maria Mota; JANOTTI JR., Jeder. Comunicação e Estudos Culturais. Salvador: Edufba., 2011pp.147-161.

SÁ, Simone Pereira de. Música pop-periférica brasileira: videoclipes, performances e tretas na cultura digital. 1. ed. Curitiba: Appris, 2021. v. 1.

Sá, Simone Pereira de (Org.). Cenas Musicais. Guararema, SP: Anadarco, 2013. pp.41-56.

SANTOS, Vívian Matias dos. Notas desobedientes: decolonialidade e a contribuição para a crítica feminista à ciência. Psicologia & Sociedade (30). Recife-PE, Programa de Pós-graduação em Psicologia, UFPE, 2018, pp.1-11. Disponível em: https://www.scielo.br/j/psoc/a/FZ3rGJJ7FX6mVyMHkD3PsnK/?lang=pt. Acesso em 01 mai 2022.

SOARES, Thiago. Percursos para estudos sobre música pop. In: SÁ, Simone Pereira de et al. (org). Cultura Pop. Salvador, EDUFBA; Brasília, Compós, 2015, pp.19-34.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

STRAW, Will. Comunities and scenes in popular music. In: GELDER, Ken e THORNTON, Sarah (org). The Subcultures Readers. Londres: Routledge, 1997. p.494-505.

_____. Systems of Articulation, Logics of change: Scenes and Communities in Popular Music. Cultural Studies. Vol 5, n. 3, oct., pp.361-375, 1991. DOI: https://doi.org/10.1080/09502389100490311

_____. Scenes and Sensibilities. Disponível em: <http://www.e-compos.org.br/e-compos/article/view/83>. E-Compós, v. 6, n. 11. Brasília, 2006.

_____. Some things a scene might be. Postface. Cultural Studies. Vol. 29, n. 3, p.476-485, 2014. DOI: https://doi.org/10.1080/09502386.2014.937947

TAYLOR, Diana. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

TENÓRIO, Henrique. Senta a bunda: a bunda performática em videoclipes de funk como indicativo de disputas interseccionais e de gênero musical. Anais da Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação 44º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação – VIRTUAL – 4 a 9/10/2021

VERGÈS, Françoise. Um feminismo decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2019.

Downloads

Publicado

30.04.2024

Como Citar

Gumes, N. V., & Rodrigues Lima, T. (2024). A performance decolonial de Rachel Reis no álbum Meu Esquema e a cena musical afrolatina de Salvador. Revista Vórtex, 12, 1–30. https://doi.org/10.33871/vortex.2024.12.8724

Edição

Seção

Artigos