Hiperpartitura: análise da rede de processos na criação de Khorwa-Myalwa, de Mikhail Malt

Autores

  • Lucas Quinamo Furtado de Mendonça Universidade Estadual de Campina
  • Danilo Rossetti Universidade Federal de Mato Grosso
  • Jônatas Manzolli Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

hiperpartitura, composição assistida por computador, música mista, análise do processo criativo,

Resumo

Este artigo analisa o processo criativo de Khorwa-Myalwa (2016), para flauta baixo e eletrônica, de Mikhail Malt, criada sob o paradigma da composição assistida por computador (CAC). A nossa visão se ancora em três aspectos: a) as ideias sobre as tecnologias intelectuais e hipertexto do filósofo Pierre Lévy (2010), b) as teorias sobre criatividade computacional de Margaret Boden (2009; 2004) e c) as proposições teóricas a respeito dos modelos de Mikhail Malt (2015) e Ronald Giere (2004). Desenvolvemos então uma nova abordagem que considera o processo criativo como uma rede que entrelaça os vários agentes da CAC. Definimos a noção de hiperpartitura para representar essa rede de ferramentas computacionais, ambientes de programação, bancos de dados e representações que surgem durante a CAC. A hiperpartitura mostra-se uma valiosa ferramenta para a compreensão dos agenciamentos na CAC e é útil tanto ao analista quanto ao compositor interessado em compreender os seus processos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Quinamo Furtado de Mendonça, Universidade Estadual de Campina

Lucas Quinamo é mestrando em música pela Unicamp. Desenvolve pesquisa na área de sonologia sob orientação do Prof. Dr. Danilo Rossetti e co-orientação do Prof. Dr. Jônatas Manzolli. Integra o coletivo de arte digital Ballet Fractal. Também é parte do coletivo Descompasso, com o qual mantém o canal Descompasso - Score Follower. Trabalha principalmente na área de música eletrônica e composição assistida por computador. Da sua produção musical fazem parte a música eletrônica de pista, a música eletroacústica, a música de câmara e a música mista. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-1596-0026

Danilo Rossetti, Universidade Federal de Mato Grosso

Danilo Rossetti é professor, pesquisador e compositor cujo trabalho enfoca o uso da tecnologia em processos criativos, performances e análises musicais. É professor do Departamento de Artes da UFMT e professor colaborador da Pós-Graduação em Música do Instituto de Artes da UNICAMP. Realizou pesquisa de pós-doutorado no Núcleo Interdisciplinar de Comunicação Sonora da UNICAMP, e é doutor em Música pela mesma instituição, com perí­odo sanduí­che na Université Paris 8. Suas composições foram tocadas em diversos eventos como ICMC, CMMR, NYCEMF, CICTem, NIME, NowNet Arts, BIMESP, SBCM, ANPPOM, File Hipersônica e Bienal de Música Contemporânea da FUNARTE. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7690-8048

Jônatas Manzolli, Universidade Estadual de Campinas

Jônatas Manzolli combina a criação musical contemporânea e as ciências cognitivas com foco nos diálogos entre música e ciência. Esse estudo interdisciplinar resulta em obras eletroacústicas, instrumentais e multimodais. Compositor e matemático, professor titular do Instituto de Artes da Universidade Estadual de Campinas, Brasil, é um dos pioneiros na pesquisa brasileira em computação musical. Ele tem sido um pesquisador convidado no Instituto de Neuroinformática, Suí­ça, e no Grupo SPECS (SPECS) na Universitat Pompeu Fabra, Barcelona. Ele também é colaborador do CIRMMT, McGill University, Montreal, desde 2016. As realizações mais importantes de Jônatas Manzolli enfatizaram a delicada relação entre homem e máquina, incluindo o uso de inteligência artificial com interfaces digitais. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-4257-7118

Referências

ASSAYAG, Gérard; RUEDA, Camilo; LAURSON, Mikael; AGON, Carlos; DELERUE, Oliver. Computer-Assisted Composition at IRCAM: From PatchWork to OpenMusic. Computer Music Journal, v. 23, n. 3, p.59-72, 1999.

BARABíSI, Albert-László. Network Science. Cambridge University Press, 2016.

BODEN, Margaret. The Creative Mind: Myths and Mechanisms. London: Routledge, 2004.

_______________. Computer Models of Creativity. AI Magazine, v. 30, n.3, p.23-34, 2009.

BUSH, Vannevar. As we may think? Life Magazine, Chicago, vol. 19, n. 11, 10 de setembro de 1945.

BUXTON, William. A Composer"™s Introduction to Computer Music. Interface, vol. 6, n. 2, p.57-72, 1977.

DONIN, Nicolas. Genectic Criticism and Cognitive Anthropology: A Reconstruction of Phillipe Leroux"™s Compositional Process for Voi(rex). Genetic Criticism and the Creative Process: Essays from Music, Literature and Theater. Woodbridge, p.193-215, 2009.

DRIEDGER, Jonathan; MÜLLER, Meinard. A Review of Time-Scale Modification of Music Signal. Applied Sciences. vol. 6, n. 2: 57, p. 1-26, 2016.

FÉRON, François-Xavier. The Emergence of Spectra in Gérard Grisey's Compositional Process: From Dérives (1973–74) to Les espaces acoustiques (1974–85), Contemporary Music Review, vol. 30, n. 5, p. 343-375, 2011.

GIERE, Ronald. How Models Are Used To Represent Reality. Philosophy of Science, vol. 71, p. 742–752, 2004.

HILLER, Lejaren; ISAACSON, Leonard. Experimental Music: composition with an electronic computer. New York: McGraw-Hill Book Company Inc., 1959.

LASKE, Otto. Toward a Definition of Computer Music. In: INTERNATIONAL COMPUTER MUSIC CONFERENCE, 1981, Denton. Anais... Denton, p.31-56.

LING-PA, Jig-Me. The Dzogchen: Innermost Essence Preliminary Practice. 4. ed. Nova Delhi: Library of Tibetan Works and Archives, 2002.

LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência. 2. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

KIMIZUKA, Yuri. Modelização e pensée sauvage na prática composicional. 2019. Tese de doutorado. Escola de comunicação e artes – Universidade de São Paulo, São Paulo.

MALT, Mikhail. La représentation dans le cadre de la composition et de la musicology assistées par ordinateur - De la raison graphique í la contrainte cognitive. 2015. Tese (Doutorado em Musicologia). École Doctorale des Humanités - Université de Strasbourg, Strasbourg.

__________. Khorwa-Myalwa: Les Enfers. Les Lilas: independente, 2016. Partitura, 15 páginas, para flauta baixo e eletrônica em tempo diferido.

__________. Pode-se aprender OpenMusic em três dias? Orfeu, v. 2, n. 1, p. 243-255, 2017.

__________. Da ideia ao som. Conferência, Unicamp, 2018.

__________. Trabalho de Pesquisa - análise de Khorwa-Myalwa – dúvidas [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por em 09 jun. 2020a.

__________. Últimas perguntas sobre Khorwa-Myalwa. Finalização da pesquisa de IC [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por , em 18 dez. 2020b.

MANIATAKOS, Fivos; ASSAYAG, Gérard; BEVILACQUA, Frédéric; AGON, Carlos. On architecture and formalisms for computer assisted improvisation. In: Sound and Music Computing Conference, Barcelona, 2015.

MURAIL, Tristan. Spectra and Sprites. Contemporary Music Review, vol. 24, n.2-3, p. 137-147, 2005.

PUCKETTE, Miller. A case study in software for artists: Max/MSP and Pd. In: LARTIGAUD, David-Olivier (Org.), Ed., Art++, Editions Hyx, 2009, p.1-9.

SMITH, Leland. SCORE - A Musician"™s Approach to Computer Music. Journal of the Audio Engineering Society, vol. 20, n. 1, p.7–14, 1972.

VICKERS, Earl; WU, Jiang-Lung (Larry); KRISHNAN, Praveen Gobichettipalayam; SADANANDAM, Ravirala Narayana Karthik. Frequency Domain Artificial Reverberation using Spectral Magnitude Decay. In: Audio Engineering Society Convention, San Francisco, 2006.

XENAKIS, Iannis. Formalized Music. Stuyvesant, New York: Pendragon Press, 1992.

Downloads

Publicado

15.05.2021

Como Citar

de Mendonça, L. Q. F., Rossetti, D., & Manzolli, J. (2021). Hiperpartitura: análise da rede de processos na criação de Khorwa-Myalwa, de Mikhail Malt. Revista Vórtex, 9(1). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/4182

Edição

Seção

Artigos