Impasses da polí­tica educacional para a música na escola Dilemas entre a polivalência e a formação especí­fica

Autores

  • Olga Alves de Oliveira Universidade Federal da Paraí­ba | Brasil
  • Maura Penna Universidade Federal da Paraí­ba | Brasil

Resumo

Este artigo busca refletir sobre as propostas para música na escola no discurso oficial, enfocando a polivalência na área das artes como questão ainda não resolvida. Com base em pesquisa documental e fontes primárias, são analisadas as principais legislações que têm regido a educação brasileira desde 1960 e também documentos de orientação curricular. Buscando compreender a música inserida nesse movimento histórico das polí­ticas educacionais, discutimos como persistem ambiguidades entre textos legais e infralegais no tocante à polivalência no ensino das artes, ambiguidades estas que vêm sendo tensionadas pela formação especí­fica do professor de música.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Olga Alves de Oliveira, Universidade Federal da Paraí­ba | Brasil

Graduada em Música Licenciatura pela Universidade Federal da Paraí­ba (UFPB) com habilitação em instrumento (flauta transversal). Mestre em Música (área de concentração Educação Musical) pelo Programa de Pós-Graduação em Música (PPGM) da UFPB. Professora de música da rede pública municipal de João Pessoa e da rede pública estadual da Paraí­ba, atuando na educação infantil e ensino fundamental. É membro do Laboratório de Educação Musical Infantil – LEMI/UFPB e atua em conjuntos de música popular. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5095-4465. E-mail: olgaalvez@gmail.com

Maura Penna, Universidade Federal da Paraí­ba | Brasil

Graduada em Música (Bacharelado e Licenciatura) e Educação Artí­stica pela Universidade de Brasí­lia. Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Paraí­ba. Doutora em Linguí­stica pela Universidade Federal de Pernambuco. Atualmente é Professora Associado 1 do Departamento de Educação Musical da Universidade Federal da Paraí­ba/UFPB, atuando na Licenciatura em Música e no Programa de Pós-Graduação em Música (mestrado e doutorado) e coordenando o Grupo de Pesquisa Música, Cultura e Educação. Autora de livros e diversos artigos sobre educação musical, ensino das artes, música e cultura, publicados em periódicos cientí­ficos, coletâneas e anais de congressos. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7331-2812. E-mail: maurapenna@gmail.com

Referências

ABDC. Associação Brasileira de Currí­culo. Documento produzido pela Associação Brasileira de Currí­culo (ABdC) encaminhado ao CNE no contexto das Audiências públicas sobre a BNCC, 2017. Disponí­vel em: <http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/documento_abdc_bncc_2017.pdf>. Acesso em 07/06/18.

ABEM. Associação Brasileira de Educação Musical. Comentários sobre a Base Nacional Comum Curricular – Ensino Médio. Disponí­vel em: <http://abemeducacaomusical.com.br/artsg2.asp?id=174>. Acesso em: 13/08/19.

ABEM. Associação Brasileira de Educação Musical. Proposta da ABEM para a BNCC, 2015. Disponí­vel em: <http://abemeducacaomusical.com.br/artsg2.asp?id=129> . Acesso em: 07/06/18.

ALVARENGA, Valéria Metroski; SILVA, Maria Cristina da Rosa Fonseca da. Formação Docente em Arte: percurso e expectativas a partir da lei 13.278/16. Educação & Realidade, Porto Alegre, vol.43, n.3, p.1009-1030, 2018. Disponí­vel: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S2175-62362018000301009&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 07/06/18.

ANFOPE. Associação Nacional pela Formação de Profissionais da Educação. Posição da ANFOPE sobre a BNCC: repúdio ao processo de elaboração, discussão e aprovação da BNCC e a sua implementação, 2017. Disponí­vel em: <https://avaliacaoeducacional.com/2017/09/11/bncc-anfope-divulga-novo-documento/>. Acesso em: 07/06/18.

ANPED. Associação Nacional de Pós-graduação em Educação. Nota da ANPEd sobre a entrega da terceira versão da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) ao Conselho Nacional de Educação (CNE), 2017. Disponí­vel em: http://www.anped.org.br/news/nota-da-anped-sobre-entrega-da-terceira-versao-da-base-nacional-comum-curricular-bncc-ao. Acesso em: 07/06/18.

BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação: conflitos, acertos. 2. ed. São Paulo: Max Limonad, 1985.

BRASIL. Conselho Federal da Educação. Indicação s/n./62, de 24 de abril de 1962, do CEPM – CFE. Normas para o ensino médio. Rio de Janeiro, 1962a.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer nº 131, de 30 de julho de 1962. Disciplinas e práticas educativas. Documenta, Rio de Janeiro, Conselho Federal da Educação, n. 7, 1962b. p. 35-43.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer nº 8, de dezembro de 1971. Fixa o núcleo-comum para os currí­culos do ensino de 1º e 2º graus. Brasí­lia, 1971b. Disponí­vel em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v25n1-2/0034-7167-reben-25-02-0176.pdf>. Acesso em: 08/07/18.

BRASIL. Conselho Federal de Educação. Parecer nº 540/77. Sobre o tratamento a ser dado aos componentes curriculares previstos no art. 7º da Lei nº 5.692/71, Rio de Janeiro, 1977. Disponí­vel em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/fe/article/viewFile/60447/58704>. Acesso em: 13/06/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica. Parecer nº 03, aprovado em 12 de março de 1997. Aprecia os Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasí­lia, 1997c. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/PCB0397.pdf>. Acesso em: 05/04/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer nº 0195/2003. Diretrizes Curriculares Nacionais dos cursos de graduação em Música, Dança, Teatro e Design. Brasí­lia, 2003. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2003/pces195_03.pdf>. Acesso em: 06/07/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CP nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular. Brasí­lia, 2017c. Disponí­vel em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/04/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf>. Acesso em: 06 jul. 2018.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 1 de 16 de janeiro de 2009. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Artes Visuais. Brasí­lia, 2009. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/2009/rces001_09.pdf>. Acesso em: 06/06/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2 de 8 de março de 2004. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Música. Brasí­lia, 2004a. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES02-04.pdf>. Acesso em: 06/06/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2 de 10 de maio de 2016. Define diretrizes nacionais para a operacionalização do ensino de música na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasí­lia, 2016a. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=40721-rceb002-16- pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 15/06/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 3 de 8 de março de 2004. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Dança. Brasí­lia, 2004b. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES03-04.pdf>. Acesso em: 06/07/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 4 de 8 de março de 2004. Aprova as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Teatro. Brasí­lia, 2004c. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES04-04.pdf>. Acesso em: 06/07/18.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 7 de 14 de dezembro de 2010. Fixa Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 (nove) anos. Brasí­lia, 2010b. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb007_10.pdf>. Acesso em: 09/11/18.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasí­lia, 1988. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 15/07/18.

BRASIL. Decreto nº 51.215, de 21 de agosto de 1961. Estabelece normas para a educação musical nos Jardins de Infância, nas Escolas Pré-Primárias, Primárias, Secundárias e Normais, em todo o Paí­s. Rio de Janeiro, 1961b. Disponí­vel em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1960-1969/decreto-51215-21-agosto1961-390857-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 30/06/18.

BRASIL. Lei nº 4.024/61, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Rio de Janeiro, 1961a. Disponí­vel em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20- dezembro-1961-353722-norma-pl.html>. Acesso em: 27/06/18.

BRASIL. Lei nº 5.540, de 28 de novembro de 1968. Fixa normas de organização e funcionamento do ensino superior e sua articulação com a escola média. Brasí­lia, 1968. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5540.htm>. Acesso em: 08/07/18.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1° e 2º graus. Brasí­lia, 1971a. Disponí­vel em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971- 357752-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 06/02/18.

BRASIL. Lei nº 7.044, de 18 de outubro de 1982. Altera dispositivos da Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971, referentes a profissionalização do ensino de 2º grau. Brasí­lia, 1982. Disponí­vel em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1980-1987/lei-7044-18-outubro-1982-357120- publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 15/07/18.

BRASIL. Lei nº 9.131, de 24 de novembro de 1995. Altera dispositivos da Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Brasí­lia, 1995. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9131.htm>. Acesso em: 08/07/18

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasí­lia, 1996. Disponí­vel em: <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm>. Acesso em: 11/12/17.

BRASIL. Lei nº 11.769, de 18 de agosto de 2008. Altera o art. 26 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. dispondo sobre a obrigatoriedade do ensino da música na educação básica. Brasí­lia, 2008. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11769.htm>. Acesso em: 30/05/16.

BRASIL. Lei nº 12.287, de 13 julho de 2010. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, no tocante ao ensino da arte. Brasí­lia, 2010a. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12287.htm>. Acesso em: 20/10/18.

BRASIL. Lei nº 13.278, de 2 de maio de 2016. Altera o parágrafo 6º do art. 26 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que fixa as diretrizes e bases da educação nacional, referente ao ensino da arte. Brasí­lia, 2016b. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Lei/L13278.htm>. Acesso em: 05/02/18.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nºs 9.394, de 20 de dezembro de 1996 ... e institui a Polí­tica de Fomento í Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Brasí­lia, 2017a. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm>. Acesso em: 15/07/18.

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Polí­tica de Fomento í Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasí­lia, 2016. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Mpv/mpv746.htm>. Acesso em: 15/07/18.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: proposta preliminar, 1ª versão. Brasí­lia: set. 2015. Disponí­vel em: <http://historiadabncc.mec.gov.br/documentos/BNCCAPRESENTACAO.pdf>. Acesso em: 01/04/18.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: proposta preliminar, 2ª versão revisada. Brasí­lia: abr. 2016c. Disponí­vel em: <http://historiadabncc.mec.gov.br/documentos/bncc2versao.revista.pdf>. Acesso em: 01/04/18.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: versão homologada. Brasí­lia: dez. 2017b. Disponí­vel em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/download-da-bncc>. Acesso em: 03/05/18.

BRASIL. Ministério da Educação. INEP. Censo da Educação Superior, 2016d. Disponí­vel em: <http://inep.gov.br/web/guest/sinopses-estatisticas-da-educacao-superior>. Acesso em: 23/06/18.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Do ensino de 1º Grau: legislação e pareceres. Brasí­lia: 1979.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (1ª a 4ª série), Brasí­lia, v. 6: arte, 1997a.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais (5ª a 8ª série), Brasí­lia, v. 7: arte, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Superior. Edital nº 4/97. Brasí­lia, 1997b. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/e04.pdf>. Acesso em: 15/11/18.

CUNHA, Nádia; ABREU, Jayme. Currí­culo ginasial secundário no Brasil, depois da lei de diretrizes e bases. Revista brasileira de estudos pedagógicos, Rio de Janeiro, v. 44, n. 100, p. 295-309, out./dez. 1965. Disponí­vel em: <http://portal.inep.gov.br/documents/186968/489316/Revista+Brasileira+de+Estudos+Pedagógicos+(RBEP)+-+Num+100/45aac00f-647f-4c64-aa30-508ea32204e6?version=1.1>. Acesso em: 02/07/18.

FEDERAÇíO DE ARTE-EDUCADORES DO BRASIL. Recomendações da FAEB para implementação da BNCC, 2018. Disponí­vel em: <https://www.faeb.com.br/site/wp-content/uploads/2018/05/Recomendações-FAEB-para-implementação-BNCC-8-maio>. Acesso em: 07/07/18.

FIGUEIREDO, Sergio Luiz Ferreira de; MEURER, Rafael Prim. Educação musical no currí­culo escolar: uma análise dos impactos da Lei nº 11.769/08. Opus, João Pessoa, v. 22, n. 22, dez. 2016. Disponí­vel em: <https://www.anppom.com.br/revista/index.php/opus/article/view/414/391>. Acesso em: 10/11/18.

FREITAS, Marcos Cezar de; BICCAS, Maurilane de Souza. História social da educação no Brasil (1926-1996). São Paulo: Cortez, 2009.

FUKS, Rosa. O discurso do silêncio. Rio de Janeiro: Enelivros, 1991.

IAVELBERG, Rosa. A Base Nacional Curricular Comum e a formação dos professores de arte. Horizontes, Itatiba, v. 36, n. 1, p. 74-84, jan./abr. 2018. Disponí­vel em: <https://revistahorizontes.usf.edu.br/horizontes/article/view/576>. Acesso em: 07/06/18.

KUENZER, Acacia (Org.). Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do

trabalho. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LIBÂNEO, José Carlos. Organização e gestão da escola: teoria e prática. 3. ed. Alternativa: Goiânia, 2001.

LOPES, Alice. Debate sobre a BNCC para o ensino médio. 2017. Disponí­vel em: <https://www.youtube.com/watch?v=sjRz22g5OxM&t=4242s>. Acesso em: 11/06/18.

MACEDO, Elizabeth; FRANGELLA, Rita de Cássia. Polí­ticas de currí­culo ou base nacional comum: debates e tensões. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n.02, p. 13-17, abr./jun. 2016. Disponí­vel em: <http://www.scielo.br/pdf/edur/v32n2/1982-6621-edur-32-02-00013.pdf> Acesso em: 07/06/18.

MACEDO, Elizabeth. Base Nacional Curricular Comum: a falsa oposição entre conhecimento para fazer algo e conhecimento em si. Educação em Revista, Belo Horizonte, v.32, n.02, p. 45-67, abr./jun. 2016. Disponí­vel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-46982016000200045&script=sci_abstract&tlng=pt>. Acesso em: 07/06/18.

MARTINS, Fernando José; ALMEIDA, Janaina Aparecida de Mattos. Movimento social e educação: o caso do Fórum Nacional em Defesa da Escola Pública: um movimento? In: REUNIíO CIENTíFICA REGIONAL DA ANPED, 11., 2016. Anais... Curitiba: Editora UFPR, 2016. p. 1-11.

MOVIMENTO PELA BASE NACIONAL COMUM. Linha do tempo. 2017. Disponí­vel em: <http://movimentopelabase.org.br/linha-do-tempo/>. Acesso em: 07/06/18.

NEVES, Joana. Os bastidores dos PCN: o que eles nos dizem sobre a polí­tica educacional. In: PENNA (Org.). Caderno de textos: Parâmetros Curriculares Nacionais e as concepções de Arte, João Pessoa: CCHLA Pesquisas, 1997. p. 31-49.

OLIVEIRA, Alda. A nova LDB e os documentos elaborados pelo MEC para o ensino básico e superior. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇíO BRASILEIRA DE EDUCAÇíO MUSICAL, 8., 1999. Anais... Salvador: ABEM, 2000.

OLIVEIRA, Olga Alves de. Tecendo caminhos: o currí­culo no cotidiano de professores de música da rede municipal de João Pessoa. 2018. 149 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal da Paraí­ba, João Pessoa, 2018. Disponí­vel em: <https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/14000>. Acesso em: 01/08/19.

PENNA, Maura. A Lei 11.769/2008 e a música na educação básica: quadro histórico, perspectivas e desafios. Intermeio, Campo Grande, v. 19, n. 37, p. 53-75, jan./jun. 2013.

PENNA, Maura. A orientação geral para a área de arte e sua viabilidade. In: PENNA, Maura (Coord.). É este o ensino de arte que queremos? uma análise das propostas dos parâmetros curriculares nacionais. João Pessoa: Ed. Universitária, 2001. p. 31 – 55.

PENNA, Maura. Construindo o primeiro projeto de pesquisa em educação e música. Porto Alegre: Sulina, 2017.

PENNA, Maura. Ensino de arte: um momento de transição. Pro-Posições, Campinas, v. 10, n. 3 (30), p. 57-67, nov. 1999. Disponí­vel em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8644068/11512>. Acesso em: 10/08/18.

PENNA, Maura. Música(s) e seu ensino. 2. ed. rev. amp. 3. reimpr. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PENIN, Sônia. Cotidiano e escola: a obra em construção (o poder das práticas cotidianas na transformação da escola). 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

PEREIRA, Marcus Viní­cius Medeiro. As associações cientí­ficas como agentes num campo de forças: pensando estratégias para a área de arte. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 6, n. 1, 16 jun. 2019. Disponí­vel em: <https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/17414/11810>. Acesso em: 11/08/19.

QUADROS, João Fortunato Soares de; QUILES, Oswaldo Lorenzo. Música na Escola: uma revisão das legislações educacionais brasileiras entre os anos 1854 e 1961. Música Hodie, Goiânia, v.12 , n.1, p. 175-190, 2012. Disponí­vel em: <https://www.revistas.ufg.br/musica/article/view/21584/12674>. Acesso em: 30/06/18.

ROMANELLI, Guilherme Gabriel Ballande. Falando sobre a arte na base nacional comum curricular – BNCC – um ponto de vista da educação musical. Linguagens - Revista de Letras, Artes e Comunicação, Blumenau, v. 10, n. 3, p. 476-490, set./dez. 2016. Disponí­vel em: <http://dx.doi.org/10.7867/1981-9943.2016v10n3p476-490>. Acesso em: 11/11/18.

SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação: LDB, trajetória, limites e perspectivas. 4. ed. rev. Campinas: Autores Associados, 1998.

SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas: Autores Associados, 2013.

SILVA, Monica Ribeiro da; SCHEIBE, Leda. Reforma do ensino médio: pragmatismo e lógica mercantil. Retratos da Escola, Brasí­lia, v. 11, n. 20, p. 19-31, jan./jun. 2017. Disponí­vel em: . Acesso em 11/09/18.

SOUZA, Rosa Fátima de. História da organização curricular do trabalho escolar e do currí­culo no século XX: ensino primário e secundário no Brasil. São Paulo: Cortez, 2008.

SOUZA, Ana Paula Abrahamian de; VIDAL, Fabiana Souto Lima. Conexões entre associações nacionais, processos formativos e polí­ticas educacionais para o ensino da arte: cartografias de uma luta. ARJ – Art Research Journal / Revista de Pesquisa em Artes, v. 6, n. 1, 16 jun. 2019. Disponí­vel em: <https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/17411>. Acesso em: 11/08/19.

VIEIRA, Lia Braga. A escolarização do ensino de música. Pro-Posições, Campinas, v. 15, n. 2 (44), p. 141-150, maio/ago. 2004. Disponí­vel em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643816>. Acesso em: 06/07/18.

ZOTTI, Solange Aparecida. Sociedade, educação e currí­culo no Brasil: dos jesuí­tas aos anos de 1980. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2004.

Downloads

Publicado

31.08.2019

Como Citar

de Oliveira, O. A., & Penna, M. (2019). Impasses da polí­tica educacional para a música na escola Dilemas entre a polivalência e a formação especí­fica. Revista Vórtex, 7(2). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/2879

Edição

Seção

Artigos