A Covid-19 e seus efeitos na renda dos músicos brasileiros

Autores

  • Clara Sandroni Universidade Federal de Minas Gerais
  • Daniela Maria Ferreira Universidade Federal de Pernambuco
  • Luciana Pires de Sá Requião Universidade Federal Fluminense
  • Carlos Sandroni Universidade Federal de Pernambuco
  • Margareth Guimarães Lima Universidade Estadual de Campinas

Palavras-chave:

Covid-19, Renda, Musicistas, Brasil,

Resumo

Este artigo apresenta os resultados parciais de uma pesquisa sobre o trabalho do músico durante a pandemia da Covid-19. A partir de uma análise de regressão logí­stica simples e múltipla, realizada com dados coletados por meio de um questionário virtual (RedCap), identificou-se e comparou-se as caracterí­sticas demográficas e socioeconômicas de musicistas residentes nas grandes regiões do Brasil. Isso permitiu examinar a relação entre a perda de renda e as caracterí­sticas demográficas, socioeconômicas, escolares e empregatí­cias dos músicos. Os resultados revelam que os musicistas que mais perderam renda estão entre aqueles autodeclarados negros, com menor escolarização (anos de estudos), mais jovens e que não tinham ví­nculo trabalhista formal antes da pandemia. São também os musicistas do sexo masculino, em sua maioria os principais provedores, que mais perderam renda quando comparada com as mulheres da amostra, que por sua vez, são as mais escolarizadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clara Sandroni, Universidade Federal de Minas Gerais

Clara Sandroni é professora de Canto Popular na Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG. Possui Graduação em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO (2004), Mestrado em Música pela Universidade Federal Rio de Janeiro - UFRJ (2013), e Doutorado em Música na UNIRIO (2017). Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Música, atuando principalmente nos seguintes temas: música popular brasileira, canto popular e técnica de canto popular. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-4276-5226

Daniela Maria Ferreira, Universidade Federal de Pernambuco

Daniela Maria Ferreira é professora do Centro de Educação e do Programa de Pós- Graduação em Música da UFPE. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia da Educação e Sociologia da Cultura. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2871-1141

Luciana Pires de Sá Requião, Universidade Federal Fluminense

Luciana Pires de Sá Requião é musicista, professora e pesquisadora. Integra a Orquestra Lunar e a coletiva Primavera das Mulheres. É professora da Universidade Federal Fluminense e vem atuando junto ao Programa de Pós-Graduação em Música e ao Programa de Mestrado Profissional em Ensino das Práticas Musicais, ambos da UNIRIO, e ao Programa de Pós-Graduação em Cultura e Territorialidades da UFF. Coordena o Grupo de Estudos em Cultura, Trabalho e Educação e está como diretora do Sindicato dos Músicos do Estado do Rio de Janeiro na gestão 2019-2022. ORCID: https://orcid.org/0000-0003-0351-0578

Carlos Sandroni, Universidade Federal de Pernambuco

Carlos Sandroni é professor de Etnomusicologia no Departamento de Música da UFPE (Recife). Tem Mestrado em Ciência Polí­tica (IUPERJ, 1987) e Doutorado em Musicologia (Universidade de Tours, França, 1997). Foi professor visitante nas universidades do Texas em Austin (2007), e de Indiana em Bloomington (2015). Foi presidente da Associação Brasileira de Etnomusicologia (2002-2004). Publicou os livros "Mário contra Macunaí­ma: cultura e polí­tica em Mário de Andrade", e "Feitiço decente: transformações do samba no Rio de Janeiro, 1917-1933". ORCID: https://orcid.org/0000.0003.4828.5765

Margareth Guimarães Lima, Universidade Estadual de Campinas

Margareth Guimarães Lima possui doutorado em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), área de concentração epidemiologia. Atualmente é pesquisadora na Faculdade de Ciências Médicas da UNICAMP, com atuação no Centro Colaborador em Análise de Situação de Saúde (CCAS). Atua em linhas de pesquisa das doenças crônicas não transmissí­veis, sobretudo com Inquéritos de Saúde de Base Populacional. Docente permanente do programa de pós-graduação em Saúde Coletiva (PPGSC), da UNICAMP e membro da Comissão de Pós-graduação deste programa. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9402-3139

Referências

BARBOSA, Jerônimo Rogério, PRATES, Ian. Efeitos do desemprego, do auxí­lio emergencial e do Programa Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (MP 936) sobre a renda, a pobreza e a desigualdade durante e depois da pandemia. MERCADO DE TRABALHO, v. 69, p. 65, 2020. Disponí­vel em: <http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/10187/1/bmt_69_EfeitoDesemprego.pdf>. Acesso em 22 de setembro de 2020.

BARROS, Marilisa Berti de Azevedo et al. Report on sadness/depression, nervousness/anxiety and sleep problems in the Brazilian adult population during the COVID-19 pandemic. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasí­lia, v. 29, n. 4, e2020427, 2020. Disponí­vel em: <https://doi.org/10.1590/s1679-49742020000400018>. Acesso em: 22 de setembro de 2020.

BARTZ, Guilherme Furtado; OLIVEN, Ruben George. Como o trabalho flexí­vel afeta os músicos eruditos? O caso da orquestra de câmara Theatro São Pedro de Porto Alegre. Sociol. Antropol., Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, p. 135-158, Apr. 2019. Disponí­vel em: https://doi.org/10.1590/2238-38752019v916

BAUDELOT, C. As qualificações aumentam, mas a desigualdade torna-se ainda maior. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 15, n. 2, p. 15–38, 2004. Disponí­vel em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8643807>. Acesso em: 19 mar. 2021.

COSTA, Rodrigo Heringer. A música como arte de viver em Salvador. Tese (Doutorado em Música). UFBA, Bahia, 2020.

DATA SIM. COVID-19: impacto no mercado da música do Brasil. Núcleo de pesquisa e organização de dados e informações sobre o mercado musical da Semana Internacional de Música – SIM São Paulo, 2020. Disponí­vel em: <https://datasim.info/pesquisas/>. Acesso em: 19 de novembro 2020.

DATA SIM. Mulheres na indústria da música no Brasil: obstáculos, oportunidades e perspectivas. Núcleo de pesquisa e organização de dados e informações sobre o mercado musical da Semana Internacional de Música – SIM São Paulo, 2019. Disponí­vel em: <https://datasim.info/pesquisas/>. Acesso em: 19 de novembro 2020.

DE MARCHI, Leonardo. Pós-streaming: um panorama da indústria fonográfica na Quarta Revolução Industrial. MAGI, Érica (ed.); DE MARCHI, Leonardo (ed.). Diálogos Interdisciplinares sobre a Música Brasileira. Faculdade de Filosofia e Ciências - FFC - Campus de Marí­lia, p. 223-248, 2020. Disponí­vel em: <https://ebooks.marilia.unesp.br/index.php/lab_editorial/catalog/book/176>. Acesso em: 17 de março 2021.

DIESSE/2018. Boletim Emprego em Pauta, DIEESE, agosto de 2018. Disponí­vel em <https://www.dieese.org.br/boletimempregoempauta/2018/boletimEmpregoEmPauta9.pdf>. Acesso em: 15 de março 021

DIEESE/2018, Boletim Emprego em Pauta. Disponí­vel em: <https://www.dieese.org.br/boletimempregoempauta/2018/boletimEmpregoEmPauta9.pdf>. Acesso em: 19 de março 2021.FIRJAN. Mapeamento da indústria criativa no Brasil. 2019. Disponí­vel em: <http://www.firjan.com.br>. Acesso em: 12 de maio 2019.

GORDIS, Leon. Epidemiologia. 5. ed. Rio de Janeiro: Thieme Revinter Publicações, 2017.

HASENBALG, Carlos (Org.); VALLE SILVA, Nelson do (Org.). Origens e Destinos- Desigualdades Sociais ao Longo da Vida. 1. ed. Rio de Janeiro: TopBooks, 2003. v. 01. 480p

INEP/2015. Censo da educação superior 2013: resumo técnico. Brasí­lia: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Aní­sio Teixeira, 2015. Disponí­vel em: <http://portal.inep.gov.br/documents/186968/484154/Resumo+T%C3%A9cnico+Censo+da+Educa%C3%A7%C3%A3o+Superior+2015/dd2d280c-f644-4776-95ae-28029c928e20?version=1.0>. Acesso: em 18 de março 2021

MAURIN, Eric. La mobilité sociale des nouvelles classes moyennes. In: Idées économiques et sociales, nº 175, 2014. Disponí­vel em: <https://www.cairn.info/revue-idees-economiques-et-sociales-2014-1-page-25.htm>. Acesso: em 18 de março 2021.

MENDES, Kassio; DUTRA, Lí­via Maria; PEREIRA, Denise Perdigão. Relação entre o estudo formal e a média salarial do músico... Per Musi. Belo Horizonte, n.32, p. 296-322, 2015. DOI: 10.1590/permusi2015b3211

MENGER, Pierre-Michel. Retrato do artista enquanto trabalhador: metamorfoses do capitalismo. Lisboa: Roma Editora, 2005.

MORATO, Cí­ntia Thais. A formação profissional em música: uma reflexão pensada sob o ponto de vista da construção social da profissão musical. In: XVIII CONGRESSO NACIONAL DA ABEM. Anais, Goiânia-GO, 28 de julho a 01 de outubro de 2010, p. 220-230. Disponí­vel em <https://www.academia.edu/39009594/A_forma%C3%A7%C3%A3o_profissional_em_m%C3%BAsica_uma_reflex%C3%A3o_pensada_sob_o_ponto_de_vista_da_constru%C3%A7%C3%A3o_social_da_profiss%C3%A3o_musical>. Acesso: em 18 de março 2021.

OLINTO, Gilda. A inclusão das mulheres nas carreiras de ciência e tecnologia no Brasil. Inclusão Social, Brasí­lia, v. 5, n. 1, p. 68-77, jul./dez. 2012. Disponí­vel em <http://revista.ibict.br/inclusao/article/view/1667>. Acesso: em 18 de março 2021.

PEROSA, Graziela S.; LEBARON, Fredéric; LEITE, Carla. K. S. . O espaço das desigualdades educativas no municí­pio de São Paulo. PRÓ-POSIÇÕES (UNICAMP. ONLINE), v. 26, p. 99-118, 2015. Disponí­vel em: <https://www.scielo.br/pdf/pp/v26n2/0103-7307-pp-26-02-0099.pdf>. Acesso: em 18 de março 2021.

PEUGNY, Camille. Le destin au Berceau. Inégalités et reproduction sociale. Paris: Seuil, 2014.

PICHONERI, Dilma Fabri Marão. Músicos de orquestra: Um estudo sobre educação e trabalho no campo das artes. Dissertação (Mestrado em Educação). UNICAMP, Campinas, SP. 2006. Disponí­vel em: <http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/252725>. Acesso: em 18 de março 2021.

______. Relações de trabalho em música: a desestabilização da harmonia. Tese (Doutorado em Educação), UNICAMP. Campinas, SP. 2011. Disponí­vel em: <http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPOSIP/251147>. Acesso: em 18 de março 2021.

POCHMANN, Marcio Pochmann, M. (2012). Trabalho e Formação. Educação e Realidade, 37, 337"‘708. Disponí­vel em: <https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/30490>. Acesso em: 18 de março 2021.

REQUIíO, Luciana. "Eis aí­ a Lapa...": processos e relações de trabalho do músico nas casas de shows da Lapa. São Paulo: Annablume, 2010.

______. "Festa acabada, músicos a pé!": um estudo crí­tico sobre as relações de trabalho de músicos atuantes no estado do Rio de Janeiro. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 64, p. 249-274, São Paulo. Disponí­vel em: <https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i64p249-274>. 2016.

______. A morte (ou quase morte) do músico como um trabalhador autônomo. In: COLÓQUIO INTERNACIONAL MARX E O MARXISMO 2017: De O capital í Revolução de Outubro (1867-1917), 2017, Niterói. Anais. Disponí­vel em:

<https://www.researchgate.net/profile/Luciana_Requiao/publication/337153832_A_morte_ou_quase_morte_do_musico_como_um_trabalhador_autonomo_e_a_ode_ao_empreendedorismo/links/5dc814bf4585151435fd62e0/A-morte-ou-quase-morte-do-musico-como-umtrabalhador-autonom>. Acesso em: 8 de maio 2020.

______. Trabalho, Música e Gênero: depoimentos de mulheres musicistas acerca de sua vida laboral. Um retrato do trabalho no Rio de Janeiro dos anos 1980 ao iní­cio do século XXI. Rio de Janeiro: Edição da autora, 2019. Disponí­vel em: <https://issuu.com/lucianareq/docs/livro_trabalho_musica_genero_fechado>. Acesso em: 9 de outubro de 2019.

______. Mundo do trabalho e música no capitalismo tardio: entre o reinventar-se e o sair da caixa. Opus, v. 26 n. 2, p. 1-25, maio/ago. 2020a.

______. Mulheres musicistas e suas narrativas sobre o trabalho: um retrato do trabalho no Rio de Janeiro na virada do século XX ao XXI. Revista ECO, v. 23, n. 1, p. 239-165, 2020b.

RIBEIRO, C. A. C. Desigualdade de oportunidades e resultados educacionais no Brasil. DADOS, Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, 54(1), 41-87, 2011. Disponí­vel em: <https://doi.org/10.1590/S0011-52582011000100002>

RIFKIN, Jeremy. A era do acesso: a transição de mercados convencionais para networks e o nascimento de uma nova economia. São Paulo: MAKRON Books, 2001.

SEGNINI, Liliana Rolfsen Petrilli. Os músicos e seu trabalho: diferenças de gênero e raça. Tempo Social, revista de sociologia da USP, vol. 26, n.1, p. 75-86. Disponí­vel em: <https://doi.org/10.1590/S0103-20702014000100006>. 2014.

______. O que permanece quando tudo muda? Precariedade e vulnerabilidade do trabalho na perspectiva sociológica. Caderno CRH [online], vol. 24, n. spe 1, p. 71-88. Disponí­vel em: <https://doi.org/10.1590/S0103-49792011000400006>. 2011.

______. Educação e Trabalho: uma relação tão necessária quanto insuficiente. São Paulo em Perspectiva, 14, 72"‘81. Disponí­vel em: <https://doi.org/10.1590/S0102-88392000000200011>, 2000

SIMÕES, Julia da Rosa. Ser músico e viver de música no Brasil: um estudo da trajetória do Centro Musical Porto-Alegrense (1920-1933). Dissertação (Mestrado em História). PUCRS, Porto Alegre, 2011. Disponí­vel em: <http://tede2.pucrs.br/tede2/handle/tede/2386>. Acesso em: 17 de março 2021.

TRAVASSOS, Elizabeth. Redesenhando as fronteiras do gosto: estudantes de música e diversidade musical. Horiz. antropol., Porto Alegre, v. 5, n. 11, p. 119-144, Oct. 1999. Disponí­vel em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71831999000200006

SOUZA, Sanda Duarte. Educação, trabalho e socialização de gênero: quando ser mulher pesa mais na balança da desigualdade social. Educação & Linguagem, v. 18, p. 170-185, 2008. Disponí­vel em: <https://www.metodista.br/revistas/revistas-ims/index.php/EL/article/view/113>. Acesso em: 16 de março 2021.

VARGAS, H. M. (2009). (I)mobilidade social pela via do ensino superior. Rio de Janeiro: Anais do Congresso Brasileiro de Sociologia.

Downloads

Publicado

15.05.2021

Como Citar

Sandroni, C., Ferreira, D. M., Requião, L. P. de S., Sandroni, C., & Lima, M. G. (2021). A Covid-19 e seus efeitos na renda dos músicos brasileiros. Revista Vórtex, 9(1). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/4175

Edição

Seção

Artigos