Musicoterapia e processo grupal: prática musical coletiva com alunos da segunda série do ensino básico

Rosemyriam Cunha, Priscila Garcia, Camila Guiesi, Paula Harada, Naomi Machado, Maristela Mendonça, Livia Pasini, Fabrine Schimit

Resumo


Este trabalho apresenta o relato dos aspectos socioculturais, afetivos, cognitivos e corporais observados no decorrer de práticas musicais realizadas com um grupo de crianças entre seis e sete anos. O objetivo foi o de estudar e sistematizar o processo de formação de um grupo mediado pelo fazer musical coletivo. Um protocolo de observação foi criado pela equipe que interveio e observou oito encontros, cada qual com a duração de50 a60 minutos. O estudo sugeriu que, no processo, houve a apropriação do espaço da ação musical pelo grupo e que, por meio dessa ação, a história, a subjetividade e as circunstâncias concretas do grupo se revelaram. O fazer musical impulsionou o protagonismo coletivo e foi nesse espaço de ação e criação que o grupo se deu a conhecer e se aproximou de novos conhecimentos, em uma dinâmica de modificação das múltiplas relações que constituem o espaço da prática musical coletiva.          

Palavras-Chave: Processo grupal. Atividades lúdico musicais. Musicoterapia. Aspectos socioculturais, afetivos, cognitivos e corporais no espaço de prática musical coletiva. 


Texto completo:

VISUALIZAR PDF

Referências


BARCELLOS, Lia Rejane. Cadernos de Musicoterapia 2. Rio de Janeiro: Enelivros, 1992.

BRUSCIA, Kenneth. Definindo Musicoterapia. 2 ed. Rio de Janeiro: Enelivros, 2000.

GORDON, Edwin. Teoria de aprendizagem musical. Chicago: GIA Publications, 1997.

HIBEN, Julie. Group Music Therapy with a classroom of 6-8 hyperactive-disabled children. In: K. BRUSCIA, Case Studies in Music Therapy. Gislum: Barcelona Publishers, 1996.

HIKIJI, Rose Satiko Gitirana. Música para matar o tempo: intervalo, suspensão e imersão. MANA 12(1): 151-178, 2006.

QUEIROZ, N.; MACIEL, D.; BRANCO. A brincadeira e o desenvolvimento infantil: um olhar socioculturalconstrutivista. Paidéia, 2006, 16(34), 169-179. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/paideia/v16n34/v16n34a05.pdf Acesso em: 16/09/2013.

MARTÍN-BARÓ, I. Sistema, grupo y poder. Psicologia Social desde Centroamérica II. San Salvador: UCA Ed., 1989.

MARTIN, Peter. Sounds and Society. Manchester: Manchester University Press. 1995.

MILLECCO FILHO; MILLECCO; BRANDÃO É preciso cantar: Musicoterapia, Cantos e Canções. Rio de Janeiro: Enelivros, 2001; 120 páginas.

PAVLICEVIC, Mercédès. Groups in Music: Strategies from Music Therapy. London: Jessica Kingsley Publishers, 2006.

SCHMIDT, Luciana M. Para além das dificuldades cotidianas: o desafio da educação estética a partir de situações concretas em sala de aula. In: ZANELLA, Andréa V. et al. (Org.). Educação estética e constituição do sujeito: reflexões em curso. Florianópolis: NUP/ CED/UFSC, 2008. p. 185-201.

SIMÔES, Pierangela. O cravo brigou com a rosa... e daí? Anais do XV Fórum de Musicoterapia, n. 15, ano 2013.

SUBTIL, Maria José Dozza. Mídia, músicas e escola: a articulação necessária. Revista da ABEM, n.16, maio de 2007. Disponível em

http://www.abemeducacaomusical.org.br/Masters/revista16/revista16_artigo9.pdf. Acesso em setembro de 2013.

VYGOTSKY, Lev S. Psicologia Infantil. Obras Escogidas IV. Madri: Visor, 1996.

Recebido em: 04 de setembro de 2014

Aprovado em: 21 de outubro de 2014


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Governo do Estado do Paraná
Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
InCantare: R. Pesq. Musicoterapia, Curitiba, Faculdade de Artes do Paraná, ISSN 2317-417X