“Indios muzicos” do século XVIII: a banda indígena do Embu (1783-1829)

Visualizações: 47

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/vortex.2024.12.8712

Palavras-chave:

Indígenas, Música colonial, Embu, Aldeamentos, História do Brasil

Resumo

Aldeamento indígena desde o século XVII, o Embu possuía como característica a presença de diversos músicos entre seus habitantes. De acordo com D. Duarte Leopoldo e Silva, arcebispo de São Paulo, a “banda do Embu” era formada por “indios” guaianazes sendo “a melhor das redondezas, senão a única, e era “como parte obrigada das grandes solenidades da vizinhança, e até mesmo de Itanhaém e Bragança”. Tendo em vista a relevância do tema para a historiografia da música no Brasil, empreendemos uma pesquisa nos Maços de População de São Paulo (1765 a 1850) em busca de registros de músicos no aldeamento do Embu. A seguir, cruzamos as informações obtidas com os registros da paróquia do Embu, para encontrar marcos importantes na vida familiar dos indivíduos identificados de forma a reconstituir a biografia e a trajetória desses músicos indígenas esquecidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Issa Gonçalves, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Daniel Issa Gonçalves. Doutor em Musicologia pela Sorbonne Université, Master of Arts pela Musikhochschule Luzern, Master of Advanced Studies e graduado em Música Antiga pela Schola Cantorum Basiliensis – Fachhochschule Nordwestschweiz, além de Arquiteto pela FAU-USP. Radicado na Suíça por 21 anos onde atuou como cantor solista com um repertório que abrange do medieval ao contemporâneo, parte dele registrado em CD. Foi professor de História Transversal da Música na Universidad Nacional de Río Negro (Bariloche, Argentina), integrou o IREMUS – Institut de Recherche en Musicologie (Paris, França), e, atualmente, é pós-doutorando na UNESP com projeto apoiado pela FAPESP sob orientação do Prof. Dr. Paulo Castagna.

Paulo Augusto Castagna, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Paulo Augusto Castagna. Graduado e mestre pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (USP), doutor pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da mesma universidade, livre-docente pela Universidade Estadual Paulista (Unesp) e pós-doutorando no Instituto de Estudos Brasileiros (USP). Professor e pesquisador do Instituto de Artes da Unesp desde 1994, produzindo partituras, livros, artigos, cursos, conferências, programas de rádio e televisão na área de musicologia histórica, e coordenando a pesquisa musicológica para a gravação de CDs. Colaborador do Museu da Música de Mariana desde 2001, pesquisador do CNPq desde 2007, e membro do Conselho Consultivo da Fundação CEREM desde 2013.

Referências

Fontes de arquivo

1. Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo

Livro de Batismos do Embu (1755-1809) ACMSP 10-1-24

Livro de Batismos do Embu (1816-1873) ACMSP 1-1-52

Livro de Batismos do Embu (1882-1918) ACMSP 11-2-31

Livro de Casamentos do Embu (1765-1798) ACMSP 10-3-60

Livro de Casamentos do Embu (1820-1831) ACMSP 1-1-52

Livro de Casamentos do Embu (1882-1937) ACMSP 1-2-59

Livro de Óbitos do Embu (1816-1887) ACMSP 10-2-52

Livro de Batismos de Itapecerica (1805-1844) ACMSP 11-2-50

Livro de Batismos de Itapecerica (1844-1857) ACMSP 11-2-40

Livro de Óbitos de Itapecerica (1761-1844) ACMSP 10-2-57

Livro de Casamentos da Sé de São Paulo (1812-1833), ACMSP 2-2-30

Livro de Casamentos de N. S. Conceição, São Paulo (1841-1855) ACMSP 10-2-33

Livro de Batismos de Santo Amaro (1811-1816) ACMSP 5-1-4

Livro de Batismos de Santo Amaro (1893-1901) ACMSP 5-1-5

Livro de Casamentos de Santo Amaro (1785-1806) ACMSP 5-2-10

Livro de Casamentos de Cotia (1810-1818) ACMSP 5-3-16

Livro do Tombo de Nossa Senhora do Rosário do Embu (1882-1920) ACMSP, 10-2-32.

2. Arquivo Público do Estado de São Paulo

Maços de População de Cotia: APESP 038022 [1783], 039010 [1802], 039013 [1806], 039014 [1808], 039015 [1809], 039016 [1810], 039017 [1811], 040001 [1813], 040002 [1814], 040003 [1815], 040004 [1816], 040005 [1817], 040006 [1818], 040007 [1822], 040008 [1823], 040009 [1825], 040011 [1827], 040012 [1829], 040014 [1835], 040016 [1835], 040017 [1842], 040018 [1847].

Maços de População de Juqueri, APESP, 1807.

Maços de População de Paranaguá, APESP, 1783.

Maços de População de Santo Amaro, APESP, 1766, 1815, 1822, 1846.

Talão de Registros de Óbitos de Itapecerica, no 7, Distrito do Embu (1951-1954)

Publicações e estudos

ARROYO, Leonardo. Igrejas de São Paulo. Introdução ao estudo dos templos mais característicos de São Paulo nas suas relações com a crónica da cidade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1966.

BITENCOURT, Eron Matheus. A música nos aldeamentos jesuíticos. Série Encontro Temático. São Paulo: Pateo do Collegio, 2017.

BOLETIM do Departamento do Arquivo do Estado de São Paulo. Maço 2 (1721-1804) Tempo Colonial, Secção do Arquivo Historico – Aldeamento de Indios, vol 8. São Paulo: Globo, 1948.

DECRETO Imperial no 426, de 24/07/1845. Coleção de Leis do Império do Brasil de 31/12/1845, vol. 1, col. 1, p. 81. Disponível em https://bibdig.biblioteca.unesp.br/items/19a135ac-2df0-4b3d-a554-f31f0ff8f161. Acesso em 21 jan. 2024.

DOCUMENTOS Interessantes para a História e costumes de São Paulo, vol. 85, 1960, p. 33.

DUPRAT, Régis. Paranaguá: Polêmica Profissional em Pauta. In: DUPRAT, Régis. Garimpo Musical. São Paulo: Novas Metas, 1985, p. 83-114.

GONÇALVES, Daniel Issa. Relíquia indígeno-jesuítica ou forma híbrida caipira?: novos elementos sobre a origem da dança de Santa Cruz na aldeia de Carapicuíba. In BESSA, Virgínia de Almeida; PÉREZ GONZÁLES, Juliana (Org.). Histórias das Músicas no Brasil - Sudeste. Vitória: ANPPOM, 2023, p. 246-279.

HOLLER, Marcos Tadeu. Uma história de Cantares de Sion na terra dos Brasis: A música na atuação dos jesuítas na América portuguesa (1549-1759). 2006. Tese (Doutorado em Música) – Instituto de Artes - UNICAMP, Campinas, 2006.

MARCHIORO, Marcio. Sobre os índios da Pedra Escorregadia: matrimônio e família na aldeia de Itapecerica em comparação com as demais aldeias paulistas (1732-1830). 2018. Dissertação (mestrado em História). UFPR, Curitiba, 2018.

NUNES, Ticiane R.; PINHEIRO, Nadja M.; XIMENES, Expedito Eloísio. Brancos, cabras, índios e pretos: estudo das denominações étnicas no século XIX. Cadernos de Linguagem e Sociedade, Brasília, 18, 2, p. 102-119, 2017.

O Farol Paulistano, no 60, p. 238-239, 03/11/1827. Disponível em https://bibdig.biblioteca.unesp.br/items/876ca11a-c1a7-46d6-a8c8-d8f37731b878. Acesso em: 21 jan. 2024.

O Farol Paulistano, no 63, p. 249-250, 14/11/1827. Disponível em https://bibdig.biblioteca.unesp.br/items/19a135ac-2df0-4b3d-a554-f31f0ff8f161. Acesso em 21 jan. 2024.

PETRONE, Pasquale. Aldeamentos Paulistas. São Paulo: EDUSP, 1995.

PINHEIRO, Joaquim Gil. Memórias de M’Boy. São Paulo: Empresa Gráfica Moderna, 1912.

Downloads

Publicado

23.04.2024

Como Citar

Issa Gonçalves, D., & Castagna, P. A. (2024). “Indios muzicos” do século XVIII: a banda indígena do Embu (1783-1829). Revista Vórtex, 12, 1–30. https://doi.org/10.33871/vortex.2024.12.8712

Edição

Seção

Artigos