Na ilha dos absolutos

uma leitura cavelliana dos imaginários históricos, epistemológicos e sexuais em 'Iguana', de Monte Hellman

Autores

  • Pedro Monte Kling UFPR

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2024.30.1.8777

Palavras-chave:

Cavell, Film-philosophy, modernidade, ceticismo, Monte Hellman

Resumo

Partindo das contribuições do filósofo americano Stanley Cavell, um dos expoentes da film-philosophy, em especial de sua interpretação da epistemologia moderna, este artigo realiza uma leitura do longa-metragem de 1988 Iguana – A Fera do Mar, dirigido por Monte Hellman, interpretando seus diversos imaginários pela lente de uma crítica sobressalente ao sujeito moderno. Na primeira e introdutória seção, faz-se uma breve recapitulação das teses cavellianas acerca da teoria do conhecimento de tradição cartesiana, focadas na imagem do problema do ceticismo; na segunda, analisa-se o aspecto histórico da obra e a centralidade da ideia de alteridade no período da chegada dos europeus na América colonial; a terceira atenta para os protagonistas do filme e para suas diversas formas de perversões políticas e sexuais; na quarta e derradeira seção, o foco se volta para a relação entre Oberlus e Carmen no centro da história, encerrando a análise com apontamentos acerca das dinâmicas de gênero que atravessam Iguana e a modernidade como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Monte Kling, UFPR

Bacharel em História no IFCH - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas (2015). Bacharel em Cinema e Audiovisual pela UNESPAR - Universidade Estadual do Paraná (2019). Licenciado em História pela UNIFRAN - Universidade de Franca (2021). Mestre em Filosofia pela UFPR - Universidade Federal do Paraná (2023) com bolsa CAPES. Doutorando em Filosofia na UFPR - Universidade Federal do Paraná. Pesquisador, crítico e realizador.

Lattes: https://lattes.cnpq.br/3084257287327846

Referências

ASSIS, Machado de. Dom Casmurro. São Paulo: Moderna, 2004

BATAILLE, Christophe. Annam. Tradução: Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1995

CASTRO, Eduardo Viveiros de. “O mármore e a murta”, Revista de Antropologia. 1992. São Paulo, USP, vol. 35, pp. 21-74

CAVELL, Stanley. Disowning Knowledge In Six Plays of Shakespeare. New York: Cambridge University Press, 2003

CAVELL, Stanley. In Quest of the Ordinary: Lines of Skepticism and Romanticism. Chicago: University of Chicago Press, 1994

CAVELL, Stanley. Pursuits of Happiness: The Hollywood Comedy of Remarriage. Cambridge: Harvard University Press, 1981

CAVELL, Stanley. The Claim of Reason: Wittgenstein, Skepticism, Morality, and Tragedy. New York: Oxford University Press, 1979a

CAVELL, Stanley. The World Viewed: Reflections on the Ontology of Film. Cambridge: Harvard University Press, 1979b

DESCARTES, René. “Meditações”. Os Pensadores, vol. 15. Tradução: J. Guinsburg e Bento Prado Jr. São Paulo: Abril Cultural, 1973

DELEUZE, Gilles. Sacher-Masoch: O frio e o cruel. Rio de Janeiro: Zahar, edição Kindle, 2009

DOSTOIEVSKI, Fiodor. Humilhados e ofendidos. Tradução: Klara Gourianova. São Paulo: Editora Nova Alexandria, 2013

GIL, Isabel Capeloa. “The Compulsion To Be Cruel”, in: RESINA, Joan Ramon; WULF, Christoph (org.). Repetition, Recurrence, Returns: How Cultural Renewal Works. Maryland: Lexington Books, 2019 (pp. 201-210)

IGUANA – A fera do mar [Iguana], Direção de Monte Hellman, EUA: Warner Bros. International, 1988. (88min).

KLING, Pedro Monte. “Todos os objetos como luas: Stanley Cavell e a cena cartesiana”. Sképsis. 2022. Salvador, v. XIII, pp. 37-55

LAWRENCE, William W. Shakespeare's Problem Comedies, New York: Macmillan, 1931; pp. 9–13

MEIRELLES, Victor. Moema. 1866. Óleo s. tela, 130 × 196,5 cm

MONTAIGNE, Michel de. Ensaios. Tradução: Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2010

MULHALL, Stephen. The Self and its Shadows: A Book of Essays on Individuality as Negation in Philosophy and the Arts. Oxford: Oxford University Press, 2013

MULHALL, Stephen. Stanley Cavell: Philosophy's Recounting of the Ordinary. Oxford: Oxford University Press, 1998

SHAKESPEARE, William. “Conto de Inverno”. Teatro Completo, vol. 2: Comédias e Tragédias. Tradução: Barbara Heliodora. São Paulo: Nova Aguilar, 2016 (pp. 1237-1347)

SINNERBRINK, Robert. New philosophies of film: thinking images. New York: Continuum, 2011

STEVENS, Brad. Monte Hellman: His Life and Films. Jefferson: McFarland & Company, 2003

TODOROV, Tzvetan. A Conquista da América. Tradução: Beatriz Perroni Moisés. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010

VASQUEZ-FIGUEROA, Alberto. O Iguana. Tradução: Ernani Ssó. Porto Alegre: L&PM, 1989

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações Filosóficas. Tradução: Marcos G. Montagnoli. Petrópolis: Vozes, 2017

Downloads

Publicado

2024-07-01

Como Citar

MONTE KLING, Pedro. Na ilha dos absolutos: uma leitura cavelliana dos imaginários históricos, epistemológicos e sexuais em ’Iguana’, de Monte Hellman. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 30, n. 1, p. 414–438, 2024. DOI: 10.33871/19805071.2024.30.1.8777. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/revistacientifica/article/view/8777. Acesso em: 12 jul. 2024.