Comunidade estética como resistência e participação

olhares à obra de Hélio Oiticica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2024.30.1.8737

Palavras-chave:

Hélio Oiticica, Pluralismo Ontológico, Comunidade estética, Criação coletiva

Resumo

O artigo se propões a discutir possibilidades conceituas para a construção de um pluralismo ontológico da arte. Partindo da noção de “comunidade estética”, como uma construção coletiva através dos sentidos, o trabalho irá investigar o papel de uma noção substancialista de “Arte” localizada em um espaço-tempo delimitados na perda da participação e na construção coletiva de símbolos. Em contraponto, será buscado possibilidade de sensibilização através da criação e dos pressupostos teóricos de Hélio Oiticica. Ao apontar para o local e para fazer coletivo, cremos que o trabalho do artista indica um pluralismo ontológico da arte e parâmetros para a constituição de uma comunidade estética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Raynner André de Souza, Universidade de Brasí­lia

Mestre em Filosofia pelo Programa de Pós-Graduação em Metafísica da Universidade de Brasília. É bacharel em Teoria, Crítica e História da Arte pela Universidade de Brasília (UnB), com período de mobilidade acadêmica na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), e licenciado em Artes Visuais pela mesma instituição. Interessa-se pelas Teorias e Filosofias das Artes. Sobretudo nos campos das relações entre Estética e Política e do Patrimônio Cultural.

Lattes ID: http://lattes.cnpq.br/3889279781393865. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7639-3977. E-mail: mateusraynner@gmail.com. 

Referências

COSTA, R. Após o fim da arte europeia: uma análise decolonial do pensamento sobre a produção artística. DoisPontos, [S.l.], v. 15, n. 2, nov. 2018. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/doispontos/article/view/62705>. Acesso em: 18 maio 2022.

DESCOLA, P. O avesso do visível: ontologia e iconologia. Arte e Ensaios, n. 31, p. 126-137, 2016.

FAVARETTO, C. A invenção de Hélio Oiticica. São Paulo: Edusp, 1992.

______. O grande mundo da invenção. ARS [online]. v. 15, n. 30, pp. 33-47, 2017. Disponível em: <https://doi.org/10.11606/issn.2178-0447.ars.2017.134274>. Acesso em: 15 mai 2022.

GALLY, M. A dimensão política da arte: rascunhos sobre um Hélio Oiticica tardio. Rapsódia, [S. l.], n. 12, p. 203-222, 2019. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/rapsodia/article/view/153447>. Acesso em: 16 maio. 2022.

HUI, Y. Art and cosmotechnics. Minnesota: University of Minnesota Press, 2021.

______. Objects of Art after Duchamp: on creativity and gentrification. La deleuziana, n. 0, 2014.

______. Tecnodiversidade. São Paulo: UBU Editora, 2020.

______. The question concerning technology in China: An essay in cosmotechnics. Cambridge, Londres: MIT Press, 2018.

HUI, Y; VIVEIROS DE CASTRO, E. For a Strategic Primitivism. Philosophy Today, 65 (2), p. 391-400, 2021.

MARI, M. A veste e o corpo: parangolé e o corpo coletivo. In: MARQUES FILHO, A; MENDONÇA, M. (orgs). Moda e historicidade: múltiplos olhares. Goiânia: Espaço acadêmico, 2017. p. 139-149.

______. Necrocapitalismo, sensibilidade estética e reconversão neoliberal do Brasil. In: XXXIX Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte, 39, 2020, Pelotas. Anais do XXXIX Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte, Pelotas, RS, UFPEL/CBHA, 2020 [2019], p.123-130.

NODARI, A. Limitar o limite: modos de subsistência. ILHA, v. 21, n. 1, p. 69-102, 2019. Disponível em: <https://doi.org/10.5007/2175-8034.2019v21n1p68>. Acesso em: 09 mai. 2022.

OITICICA, H. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

______. Brasil diarréia. In: GULLAR, F. (coord.). Arte brasileira hoje. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1973. p.147-152.

OLIVEIRA, A. M. Arte e comunidade: práticas de colaboração implicadas no comum. PÓS: Revista do Programa de Pós-graduação em Artes da EBA/UFMG, [S. l.], p. 42-60, 2017. Disponível em: <https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistapos/article/view/15496>. Acesso em: 06 maio. 2022.

______. Pós-digital e inteligência artificial: A importância de um paradigma tecno-ético-estético. In: Anais do VII Simpósio Internacional de Inovação em Mídias Interativas. HUB Eventos 2020. São Paulo: Media Lab/BR, PUC-SP, p. 78-85, 2020.

OLIVEIRA, A. M.; MALMANN, K. L.; SALES, J. S. Arte e tecnodiversidade na ativação da cultura indígena kaingáng. Cuadernos de Música, Artes Visuales y Artes Escénicas, v. 16, n.2, p. 174-195, 2021. Disponível em: <http://doi.org/10.11144/javeriana.mavae16-2.atac>. Acesso em: 06 mai. 2022.

PAPE, L. Catiti catiti na terra dos brasis. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1980.

PAZETTO, D. A pureza é um mito: Uma proposta simpoiética para a autoria nas artes. Viso: Cadernos de estética aplicada, v. 15, n° 29, p. 182-203, 2022. Disponível em: < http://revistaviso.com.br/article/428>. Acesso em: 05 mai. 2022.

PEDROSA, M. Discurso aos Tupiniquins ou Nambás. In: FERREIRA, G. (org.). Crítica de arte no Brasil: Temáticas contemporâneas. Rio de Janeiro: FUNARTE, 2006. p. 467-471.

PINTO NETO, M. Bernard Stiegler, pensador do humano e da tecnologia. DoisPontos, [S.l.], v. 12, n. 1, abr. 2015. Disponível em: <https://revistas.ufpr.br/doispontos/article/view/36813>. Acesso em: 06 mai. 2022.

RANCIÈRE, J. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EIXO experimental org; Editora 34, 2009.

SHINER, L. The invention of Art: a cultural history. Chicago: The University of Chicago Press, 2001.

STIEGLER, B. Anamnésia e hipomnésia: Platão, primeiro pensador do proletariado. ARS [online], v. 7, n. 13, p. 22-41, 2009. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/ars/article/view/3059>. Acesso em: 13 maio. 2022.

______. De la misère symbolique. Paris: Flammarion, 2013.

______. La technique et le temps 1: La faute d’Épimíthée. Paris: Galilée, 1994.

______. Noodiversity, technodiversity: elements of a new economic foundation based on a new foundation for theoretical computer science. Angelaki: Journal of the Theoretical Humanities, v. 25, p. 67-80, 2020. Disponível em: <https://doi.org/10.1080/0969725X.2020.1790836> Acesso em: 06 mai. 2022.

______. O desejo asfixiado. Le Monde Diplomatique Brasil. Edição de janeiro de 2010. Disponível em: <https://diplomatique.org.br/o-desejo-asfixiado>. Acesso em: 06 mai. 2022.

______. Reflexões (não) contemporâneas. Maria Beatriz Medeiros (org. e trad.). Chapecó: Argos, 2007.

______. The Proletarianization of Sensibility. Boundary 2, 44(1), p. 05-18, 2017. Disponível em: <https://read.dukeupress.edu/boundary-2/article-abstract/44/1/5/97410/The-Proletarianization-of-Sensibility>. Acesso em: 06 mai. 2022.

Downloads

Publicado

2024-07-01

Como Citar

ANDRÉ DE SOUZA, Mateus Raynner. Comunidade estética como resistência e participação: olhares à obra de Hélio Oiticica. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 30, n. 1, p. 170–183, 2024. DOI: 10.33871/19805071.2024.30.1.8737. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/revistacientifica/article/view/8737. Acesso em: 12 jul. 2024.