Formação social brasileira e luta de classes no cinema de ficção científica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2024.30.1.8718

Palavras-chave:

Formação Social Brasileira, Luta de Classes, Ficção Científica, Racismo, Cinema

Resumo

Esta pesquisa realiza uma investigação de como a formação social brasileira e sua luta de classes estão presentes nas obras “Branco Sai, Preto Fica” (2015) e “Bacurau” (2019). Para compreender essa formação social brasileira e sua luta de classes é utilizado o aporte teórico de abordagem materialista histórico-dialética. Para estudar a tendência operativa de FC, pesquisa-se a lógica histórica do surgimento e desenvolvimento do FC brasileiro. Com as análises, percebe-se em “Branco Sai, Preto Fica” (2015) a periferização da população preta em grandes centros urbanos como algo sintomático da formação social brasileira, além de explicitar o papel das forças coercitivas do Estado, como a polícia, em oprimir as classes exploradas/racializadas; A reação a essa opressão no filme é uma conspiração cuja força-motriz é a cultura popular das populações marginalizadas para a criação de uma bomba que explode Brasília e a Ditadura Militar que governa o país no universo da obra. Em “Bacurau” (2019) os moradores locais tem que lutar pela sobrevivência contra estrangeiros que representam essa ameaça alienígena de perspectiva colonial/imperialista, e contra as instituições do Estado burguês brasileiro, como políticos e empresários, que auxiliam na opressão autóctone particular que volta para a universalidade da formação social brasileira, bem como nessa metáfora/analogia para a o desenvolvimento histórico brasileiro pautado na exploração do estrangeiro e da manutenção da escravidão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Victor Finkler Lachowski, PPGCOM-UFPR

Doutorando em Comunicação (PPGCOM-UFPR), vinculado à linha de pesquisa Comunicação e Formações Socioculturais; Mestre em Comunicação (PPGCOM-UFPR); Bacharel em Publicidade Propaganda (UFPR). Membro do grupo de pesquisa NEFICS - Núcleo de Estudos de Ficção Seriada e Audiovisualidades (UFPR/PPGCOM-UFPR/CNPq). Sócio da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (SOCINE). Bolsista CAPES-DS. Escritor; Roteirista; Redator. Pesquisador nas áreas de: Comunicação Cinema; Cultura; Narrativas Audiovisuais; Narrativas Midiáticas e Comunicação Política. Apresentador do Massacre Podcast, dedicado a cultura de horror.

Referências

ALBERT, Saulo. BACURAU E AS PARADOXAIS RELAÇÕES DE DOMINAÇÃO NO BRASIL: UMA ANÁLISE BOURDIEUSIANA. Revista Livre de Cinema, vol. 10, n. 1, p. 6-21, 2023.

ALVES, Daniel. A relação estrutural entre capitalismo e racismo: o genocídio da população negra enquanto projeto societário. Anais do 16º Encontro Nacional de Pesquisadores em Serviço Social. Vitória-ES: UFES, 2018.

ALVES, Tatiana. Anacronismo e dispositivos de ficção científica em Branco sai, preto fica. CIBERLEGENDA (UFF. ONLINE), v. 35, p. 63-80, 2018.

ANDRADE, Maria. O ensaio desenvolvimentista no cinema brasileiro de ficção científica. 2019. 89 p. Dissertação (Mestrado em Filosofia) - Escola de Artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2019.

BITTENCOURT, Ela. RISE UP! Kleber Mendonça Filho and Juliano Dornelles’s brazilian epic Bacurau sets the world on fire with an invigorating and audacious story of resistance that feeds off of pulp and politics. FILM COMMENT, March-April 2020. p. 36-41.

BRAGA, Cláudio. A perspectiva negra na Ficção Científica: o caso de "Clap Back", de Nalo Hopkinson. Revista Cerrados, [S. l.], v. 32, n. 61, p. 51–70, 2023.

FANON, Frantz. Pele negra, máscaras brancas. Salvador-BA: EDUFBA, 2008.

FANON, Frantz. Racismo e Cultura. Revista Convergência Crítica, Dossiê: Questão ambiental na atualidade, n. 13, p. 78-90, 2018.

FISCHER, Sandra; VAZ, Aline. Distopia, Utopia, Catarse: o cinema sintomático de Kleber Mendonça Filho. ALCEU (Rio de Janeiro, online), V. 21, Nº 43, p.127-145, jan./abr. 2021.

FLORES, Tarsila. “Branco sai, preto fica”: cenas sobre punição e genocídio negro no Distrito Federal. Revista InSURgência, Brasília, ano 3, v.3, n.2, p. 348-372, 2017.

KEFALIS, Christos. "When Science Fiction Meets Marxism." Dissident Voice. Fev, 2009.

MACIEL, Lucas. Apontamentos Sobre a Concepção de Estado de Lenin em O Estado e a Revolução: Para uma Crítica do Estado como Mero Aparato de Repressão. Germinal: marxismo e educação em debate, Salvador, v.14, n.1, p.610-634, abr. 2022.

MARX, Karl. Contribuição à Crítica da Economia Política. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2008.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. 1ª ed. 4ª reimpressão. São Paulo: Boitempo, 2005.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stirner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas. São Paulo: Boitempo, 2007.

MOURA, Clóvis. Dialética Radical do Brasil Negro. São Paulo-SP: Editora Anita, 1994.

MOURA, Clóvis. Racismo e luta de classes no Brasil - textos escolhidos de Clóvis Moura. Brasil: Editora Terra Sem Amos, 2020.

MOURA, Clóvis. O Negro, de Bom Escravo a Mau Cidadão?. São Paulo-SP: Dandara Editora, 2021.

PASSOS, Rafael Ferreira. Bacurau: uma situação colonial?. CINEstesia, v. 1, n. 2, p. 92-119, 2021.

ROBERTS, Adam. Science Fiction. 1ª ed. New York-NY: Routledge, 2000.

ROCHA, Andrea. Segurança e Racismo como pilares sustentadores do Estado Burguês. Argumentum, Vitória, v. 12, n. 3, p. 10-25, set./dez. 2020.

RODRIGUES, Elsa Margarida. Ecos do mundo zero: guia de interpretação de futuros, aliens e ciborgues. 1ª ed. Coimbra-POR: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2013.

RODRIGUES, Sara Maciel; MARTINS, Zeloi Aparecida. O filme “Bacurau” (2019): a visão estrangeira e resgate da memória cangaceira. In: Anais de Artigos Completos do 9º Seminário Nacional Cinema em Perspectiva. Curitiba: FAP I-Unespar, p. 758-764, 2021.

SOUZA, Maria de Fátima Rufino de. Deus e o Diabo em Bacurau: o sertão no cinema novo e na produção cinematográfica contemporânea' 29/11/2021 137 f. Mestrado Profissional em Ensino de História Instituição de Ensino: UNIVERSIDADE REGIONAL DO CARIRI, Rio de Janeiro Biblioteca Depositária: Universidade Regional do Cariri-URCA, 2021.

SOUZA, Mário. Capitalismo e racismo: uma relação essencial para se entender o predomínio do racismo na sociedade brasileira. Revista Katálysis, Florianópolis, v.25, n. 2, p. 202-211, maio-ago. 2022.

SUPPIA, Alfredo. Limite de Alerta! Ficção científica em atmosfera rarefeita: uma introdução ao estudo da FC no cinema brasileiro e em algumas cinematografias off-Hollywood. 447 p., Tese (Doutorado em Multimeios) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas 2007.

SUVIN, Darko. Metamorphoses of Science Fiction: on the Poetics and History of a Literary Genre. New Haven: Yale University Press, 1979.

Downloads

Publicado

2024-07-01

Como Citar

FINKLER LACHOWSKI, Victor. Formação social brasileira e luta de classes no cinema de ficção científica. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 30, n. 1, p. 439–464, 2024. DOI: 10.33871/19805071.2024.30.1.8718. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/revistacientifica/article/view/8718. Acesso em: 12 jul. 2024.