O trânsito das companhias líricas entre as cidades de Desterro e Rio Grande de 1850 a 1880

Visualizações: 54

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/vortex.2024.12.8561

Palavras-chave:

Trânsito musical, companhias líricas, historiografia da música no Sul do país, repertório lírico, espaços teatrais

Resumo

Os espaços teatrais existentes na segunda metade do século XIX abrigavam espetáculos de companhias líricas que percorriam a costa marítima para apresentar-se em diversas cidades do Brasil, incluindo em sua rota as cidades de Desterro e Rio Grande. Neste texto são abordadas questões com o objetivo de compreender uma parcela dessas rotas desenvolvidas pelas formações musicais. O referencial teórico centra-se sobretudo no processo civilizatório a partir de Norbert Elias (1994, 2001).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcele Pedrotti Dutra Meneses, Universidade do Estado de Santa Catariana

Marcele Pedrotti Dutra Meneses é doutoranda no programa de Pós-Graduação em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC) na linha de pesquisa Teoria e História, bolsista Capes. Possui mestrado (2020) no programa de Pós-Graduação em Música pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), durante o mestrado foi bolsista Capes. Graduada em música no curso de Ciências Musicais - Bacharelado (2017) pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Participa dos grupos de pesquisas: Música, Cultura e Sociedade (MusiCs) pela UDESC; PatriMusi - Grupo de Pesquisa Patrimônio Musical no Brasil, do (a) Universidade Federal do Pará e o grupo de pesquisa Estudos Interdisciplinares em Ciências Musicais da UFPel no projeto A crítica Musical no Brasil.

Marcos Holler , Universidade do Estado de Santa Catarina

Marcos Holler é bacharel em cravo, mestre em artes e doutor em musicologia pela UNICAMP. Em 2012 realizou estágio pós-doutoral na Universidade Nova de Lisboa e em 2016 atuou como pesquisador visitante na Hochschule Franz-Liszt em Weimar, na Alemanha. Entre 1995 e 2021 atuou como docente no Departamento de Música da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), e desde 2007 é credenciado junto ao Programa de Pós - Graduação em Música na mesma instituição. Foi editor da Opus e das demais publicações da ANPPOM na gestão 2015-2019. É autor do livro Os jesuítas e a música no Brasil colonial, lançado em 2010.

Referências

ABREU, Martha; GURAN, Milton; MATOS, Hebe. Inventário dos lugares de memória do tráfico atlântico e da história dos africanos escravizados Brasil. Rio de Janeiro: LABHOI, 2013.

ANZE, Melissa; CARLINI, Álvaro. Morigeração Cultural em Curitiba (PR), Século XX: O papel das sociedades artísticas na formação do gosto em música erudita. In: CONGRESSO DA ANPPOM, XIX, Curitiba, 2009. Anais... Curitiba: DeArtes/UFPR, 2009.

BARBOSA, Marialva. História cultural da imprensa. Brasil 1800-1900. Rio de Janeiro: Mauad X, 2010.

BITTENCOURT, Ezio da Rocha. Apontamentos sobre o movimento teatral em Rio Grande no século XIX. Biblos, v. 8, p. 117-137, 1996. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/449. Acesso em: 8 nov. 2022.

_____. Da rua ao teatro, os prazeres de uma cidade: sociabilidade e cultura no Brasil Meridional. 2. ed. Rio Grande: Furg, 2007.

CARDOSO, Lino de Almeida. O som social: música, poder e sociedade no Brasil (Rio de Janeiro, séculos XVIII e XIX). 1. ed. São Paulo: Edição do Autor, 2011. v. 1.

COLLAÇO, Vera Regina Martins. Um Painel do Teatro Catarinense Século XIX: com enfoque em Nossa Senhora do Desterro. 383 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador. Uma história dos costumes. Rio de Janeiro: Zahar, 1994. v. 1.

_____.Sociedade de Corte. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

FACHADA DO TEATRO SETE DE SETEMBRO. Rio Grande: Museu da cidade do Rio Grande, 1847.

FERREIRA, Liliane Carneiro dos Santos. Cenários da ópera na imprensa carioca: cultura, processo civilizador e sociedade na Belle Époque (1889-1914). 2017. 692 f., il. Tese (Doutorado em História) – Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

HOLLER, Marcos Tadeu. A música na imprensa em Desterro no séc. XIX. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EM MÚSICA, 17., 2007, São Paulo. Anais […]. São Paulo: ANPPOM, 2007. p. 1.

HOLLER, Marcos Tadeu; SANTOLIN, Roberta Faraco. O piano em Desterro no século XIX. DAPesquisa, Florianópolis, v. 4, n. 6, p. 463-470, 2009. DOI: 10.5965/1808312904062009463. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/14210. Acesso em: 8 nov. 2022.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Rio Grande do Sul. Regiões de governo do Estado do Rio Grande do Sul. Rio Grande do Sul: IBGE,1872 a 1980. 1 atlas.

NOGUEIRA, Lenita; VIRMOND, Marcos. Ópera e febre amarela no Rio de Janeiro Imperial. Ictus Music Journal, Bahia, v. 1, n. 14, p. 61-80, 4 jul. 2020. Semestral. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/ictus/article/view/36006/21760. Acesso em: 20 abr. 2022. DOI: https://doi.org/10.9771/ictus.v14i1.36006

ONDRUSEK, Claudia Bonaldo. A recepção da ópera em Florianópolis. 2011. 125 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

PIRES, Débora Costa. Narciso e Eco: os periódicos como reflexos e ecos da vida musical em Desterro durante o Império. 2012. 131 f. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2012.

SANTOS, André Luiz. Do Mar ao Morro: a geografia histórica da pobreza urbana em Florianópolis. 2009. 658 f. Tese (Doutorado) – Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

TEATRO SANTA ISABEL. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural. Desenho de Domingos Fossari. São Paulo: Itaú Cultural, [s.d.]. Disponível em: https://enciclopedia.itaucultural.org.br/. Acesso em: 20 de mar. 2022.

TORRES, Luiz Henrique. História do município do Rio Grande: fundamentos. Rio Grande: Pluscom, 2015.

WERNECK, Maria Helena. A solução dos transatlânticos. In: REIS, Angela de Castro; WERNECK, Maria Helena (org.). Rotas de teatro entre Portugal e Brasil. Rio de Janeiro: 7Letras, 2012. p. 19-32.

Jornais

ANNUNCIOS. Diario de Belém, Belém do Pará, n. 136, p. 1, 15 jul. 1884.

ANNUNCIOS. O Despertador, Desterro, n. 1094, p. 4, 2 ago. 1873.

CHOLERA. A Federação, Porto Alegre, n. 184, p. 3, 11 ago. 1884.

CLUB EUTERPE QUATRO DE MARÇO. O Despertador, Desterro, n. 954, p. 2, 19 mar. 1872.

COMPANHIA. Gazeta de notícias. Rio de Janeiro, n. 74, p.4, 14 de mar. 1884.

COUSA DOMESTICA. Artista, Rio Grande, n. 9, p. 2, 23 set. 1879.

GAZETILHA. Jornal do Commercio, Desterro, n. 30, p. 1, 8 set. 1880.

INTERIOR. O Noticiador, Rio Grande, n. 70, p. 1-2, 10 set. 1832.

MUSICAS. Echo do Sul, Rio Grande, n. 21, p. 3, 26 jan. 1864.

PEDIDO. O Despertador, Desterro. n. 1981, p. 4, 15 mar. 1882.

POLYTHEAMA RIO-GRANDENSE. Echo do Sul, Rio Grande, n. 151, p. 3, 4 jul. 1884.

REVISTA DE THEATROS. Diário do Rio Grande, Rio Grande, n. 1005, p. 2, 14 set. 1882.

THEATRO. Diário do Rio Grande, Rio Grande, n. 1797, p. 4, 4 abr. 1854.

THEATRO. O Mercantil, Desterro, n. 4, p. 4, 13 jan. 1861.

THEATRO. Diário do Rio Grande. Rio Grande. n. 4857, p. 2. 25 fev. 1865a.

THEATRO. Diário do Rio Grande. Rio Grande. n. 4858, p. 4, 26 fev. 1865b.

THEATRO. Echo do Sul, Rio Grande, n. 1870, p. 4, 25 abr. 1871.

THEATRO. O Despertador, Desterro, n. 2081, p. 2, 21 mar.1883.

Downloads

Publicado

30.04.2024

Como Citar

Pedrotti Dutra Meneses, M., & Holler , M. . (2024). O trânsito das companhias líricas entre as cidades de Desterro e Rio Grande de 1850 a 1880. Revista Vórtex, 12, 1–30. https://doi.org/10.33871/vortex.2024.12.8561

Edição

Seção

Artigos