O Corpo do Tempo: uma leitura de “Prologue” de Gérard Grisey

una lectura de la obra Prologue de Gérard Grisey

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/23179937.2023.11.3.8224

Palavras-chave:

Análise Musical, Composição musical, performance, Música Espectral, Gérard Grisey

Resumo

Propomos neste artigo uma leitura da primeira peça da suíte Les Espaces Acoustiques, Prologue, escrita em 1976 por Gérard Grisey para viola solo. Considerando que o conjunto de peças constitui-se em uma sistematização musical das técnicas composicionais que viriam a ser aplicadas e desenvolvidas por Grisey no restante da sua obras, esta análise referencia-se por escritos acadêmicos acerca de sua composição e, sobretudo, por escritos do próprio compositor em seus esforços por apresentar conceitualmente a construção epistemológica que subsidia tais procedimentos. Dessa forma, o biomorfismo que lhe serve como constante campo analógico, como em sua noção tripartite de tempo musical (esqueleto, carne e pele do tempo) e em sua proposta de processo formal (inspiração e expiração), é por nós compreendido como campo de operações composicionais e, consequentemente, como critérios analíticos, permitindo-nos propor abordagens interpretativas e aplicações para novos procedimentos composicionais a partir da noção de fluxo de energia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvio Ferraz, Universidade de São Paulo

Silvio Ferraz é doutor em semiótica pela PUC/SP e livre-docente pela UNICAMP. Fez cursos de aperfeiçoamento com Brian Ferneyhough, na Fundação Royaumont, e com Gerard Grisey e Jonathan Harvey no IRCAM. É autor de Música e Repetição: aspectos da questão da diferença na música contemporânea, Livro das Sonoridades e organizador de Notas-Atos-Gestos. Atualmente é professor de composição da USP e pesquisador do CNPq.

William Teixeira, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

William Teixeira é bacharel em violoncelo pela UNESP, mestre em música pela UNICAMP e conclui seu doutorado em música pela USP. Atualmente é Professor na Universidade Federal de Mato Grosso do Sul -UFMS. Além de sua atuação como violoncelista, onde tem estreado dezenas de peças de várias gerações de compositores brasileiros, pesquisa as possíveis relações entre a retórica e a música contemporânea.

Referências

ARSTILA, VALTERI et al. The illusions of Time: Philosophical and Psychological Essays on Timing and Time Perception. Londres: Palgrave Macmillan, 2019.

BAILLET, Jerôme. Gérard Grisey, Fondements d'une écriture. Paris: L’Harmattan, 2000.

BERGSON, Henri. L’histoire de l´idée de Temps, Cours au Collège de France 1902-1903, Paris: PUF, 2016.

______________. L’idée de Temps, Cours au Collège de France 1901-1902, Paris: PUF, 2019.

BRELET, Gisèle. Le temps musical: essai d'une esthétique nouvelle de la musique. Paris: PUF, 1949.

CATANZARO, Tatiana Olivieri. Transformações na linguagem musical contemporânea instrumental e vocal sob a influência da música eletroacústica entre as décadas de 1950-70. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2003.

CHENG, François. Souffle-Esprit. Paris: Seuil, 1989.

COPINI, Guilherme de Cesaro. O tempo como espaço do som: a composição da carne do tempo em Gérard Grisey. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2014.

CUMMING, Ruth. The effect of dynamic fundamental frequency on the perception of duration. Journal of Phonetics, 39. 2011.

FERRAZ, Silvio. “Vazios de tempo-espaço: ST/4-1,080262 de Iannis Xenakis”. Permusi, (no prelo), 2023.

FÉRON, François-Xavier. “Gérard Grisey – Prologue”, ANALYSES – Œuvres commentées du répertoire de l’Ircam [En ligne], 2016 (rév. 2020). URL: https://brahms.ircam.fr/analyses/Prologue/.

GIESELER, Walter; LOMBARDI, Luca; WEYER, Rolf. Instrumentation in des 20 Jahrhunderts: Akustik - Instrumente - Zusammenwirken. Berlin: Moeck, 1985.

GRASSI, Massimo; MIONI, Giovanna. Why are damped sounds perceived as shorter than ramped sounds? Attention, Perception, & Psychophysics, 82. Springer. 2020.

GRISEY, Gérard. Prologue: pour alto seul. Milão: Ricordi, 1976.

______________. Partiels: pour alto seul. Viena: Universal Editions, 1975.

______________. Écrits. Paris: Éditions MF, 2008

JULLIEN, François. Du “temps”: Éléments d’une philosophie du vivre. Paris: Grasset. Paris: Seuil, 2001.

KLEIN, Étienne. Le temps (qui passe?). Montrouge: Bayard Éditions, 2013.

KRAMER, Jonathan D. The Time of Music. Nova Iorque: Schirmer Books, 1988.

LEIBNIZ, Gottfried Wilhelm. Nouveaux Essais. Paris: Flamarion, 1921.

MEADE, Robert D. Effect of Motivation and Progress On The Estimation of Longer Time Intervals. Journal of Experimental Psychology, Vol. 65, No. 6, 564-567, 1963.

MESSIAEN, Olivier. 1994 . Traité de rythme, de couleur et d’ornithologie (1949-1992). Tome I. Paris: Leduc.

MURAIL, Tristan. “Scelsi and L'Itinéraire: The Exploration of Sound”. Contemporary Music Review, Volume 24, Issues 2-3, 2005.

PAIVA, Charles. Processos temporais em Gérard Grisey. Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Federal da Paraíba. João Pessoa, 2012.

RIBEIRO, Felipe de Almeida. “Investigando Procedimentos Poéticos e Estruturais em “Prologue” de Gérard Grisey”. Revista Música Hodie, Goiânia, v. 14, n. 2, 2015.

ROVELLLI, Carlo. L´ordine del du tempo. Milão: Adelfi Ed., 2017.

SIMONDON, Gilbert. Imagination et invention (1965–1966). Chatou, France: Éditions de la Transparence, 2005.

SIMURRA, Ivan Eiji Yamauchi. "A recriação timbrística na Música Espectral." Dissertação (Mestrado em Música) – Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2011.

SOLOMOS, Makis. Xenakis ou la musique comme énergie, Musica. Festival des musiques d’aujourd’hui. Strasbourg,. URL : https://hal.archives-ouvertes.fr/Qile/index/docid/769912/Qilename/ La_musique_comme_A_nergie.pdf , 2011.

______________. Iannis Xenakis, Gérard Grisey: la métaphore lumineuse. Paris: L’Harmattan, 2003.

XENAKIS, Iannis. Musiques Formelles, La Revue d’Analyse Musicale. Paris: Richard-Masse, 1963.

______________. Kéleütha: Écrits. Paris: L'Arche Editions, 1994.

_______________. Musique et originalité. Paris: Séguier, 1996.

SOURIS, André. “Notes sur le rythme concret”. Polyphonie, revue musicale trimestrielle: le rythme musical. Paris: Richard Masse Éditeurs, Deuxième Cahier, 1948.

VAN WASSENHOVE, V; BUONOMANO D. V.; SHIMOJO, S; SHAMS, L. “Distortions of Subjective Time Perception Within and Across Senses”. PLoS ONE 3(1): e1437, 2008. doi:10.1371/journal.pone.0001437

WHITEHEAD, Alfred N. An enquiry concerning the principles of natural knowledge. Cambridge: Cambridge University Press, 1925.

Downloads

Publicado

24.12.2023

Como Citar

Ferraz, S., & Teixeira, W. (2023). O Corpo do Tempo: uma leitura de “Prologue” de Gérard Grisey: una lectura de la obra Prologue de Gérard Grisey. Revista Vórtex, 11(3), 1–27. https://doi.org/10.33871/23179937.2023.11.3.8224

Edição

Seção

Dossiê ”25 years without Gérard Grisey”