Estudo comparativo de quatro versões de Julian Bream do “Nocturnal” de Benjamin Britten

Autores

Palavras-chave:

Práticas interpretativas, Violão, Julian Bream, Benjamin Britten, Estudo comparativo

Resumo

O artigo analisa quatro versões de Julian Bream (de 1967, 1978, 1993 e 2003) do “Nocturnal after John Dowland, op. 70”, de Benjamin Britten, comparando decisões interpretativas que divergem da partitura editada pelo próprio violonista (BRITTEN, 1965). Com essa comparação, objetiva-se compreender detalhes tanto da interpretação do “Nocturnal”, quanto do estilo e práticas interpretativas de Bream, reconhecendo que suas perspectivas e decisões musicais se renovam no decorrer do tempo. O trabalho também almeja fornecer subsídios para que a partitura seja percebida como uma obra ainda incompleta, que é plenamente realizada apenas quando há a ação do intérprete/performer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruno Madeira

Premiado em mais de vinte concursos nacionais e internacionais, o violonista Bruno Madeira vem se destacando como solista, professor e pesquisador. Doutor em Música pela Universidade Estadual de Campinas, Bruno se apresentou como solista e camerista (em duos com flauta, piano, canto e violino) em diversos festivais, salas e séries de concerto do Brasil, Argentina, Alemanha, Equador, República Tcheca e Eslováquia. Em 2022 lançou seu primeiro álbum, “Colunas” (ProAC/SP), com música latino-americana para violão solo. Foi professor da Universidade do Estado de Santa Catarina e da Universidade Federal de São Carlos e é regularmente convidado para realizar concertos, palestras e masterclasses em universidades, conservatórios e festivais. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3869-9828. E-mail: madeirabruno@gmail.com

Referências

ARAGÃO, Paulo. Pixinguinha e a gênese do arranjo musical brasileiro (1929 a 1935). Dissertação (Mestrado). Universidade do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

BATISTA, Ricardo. A problemática interpretativa do Nocturnal de Benjamin Britten. Dissertação (Mestrado em Música). Universidade de Évora, Évora, 2012.

BREAM, Julian. 20th Century Guitar. Wardour Chapel: Sony Music Entertainment, 1967. Disponível em <https://open.spotify.com/album/65atZMOQStwkhdlaRAQqsn>. Acesso em: 16 mar. 2022.

BREAM, Julian. Guitar recital. Wardour Castle: BBC 2, 1978. Disponível em <https://www.youtube.com/watch?v=1rzzKztnenQ>. Acesso em 18 mar. 2022.

BREAM, Julian. My Life in Music. Music on earth, 2003. 1 DVD.

BREAM, Julian. Nocturnal. Forde Abbey: EMI Classics, 1993. 1 CD.

BRITTEN, Benjamin. Nocturnal after John Dowland for Guitar, Op. 70. London: Faber and Faber, 1965. 1 partitura.

BROWN, Clive. “Articulation marks”. Grove Music Online. 2001. Disponível em <https://www.oxfordmusiconline.com/grovemusic/view/10.1093/gmo/9781561592630.001.0001/omo-9781561592630-e-0000040671>. Acesso em 19 mar. 2022.

CHEW, Geoffrey; BROWN, Clive. “Staccato”. Grove Music Online. 2001. Disponível em <https://www.oxfordmusiconline.com/grovemusic/view/10.1093/gmo/9781561592630.001.0001/omo-9781561592630-e-0000026498>. Acesso em 19 mar. 2022.

FRACKENPOHL, David. Analysis of Nocturnal op. 70 by Benjamin Britten. Thesis (Master of Music). North Texas State University, Denton, 1986.

GOSS, Stephen. Come, heavy Sleep: motive & metaphor in Britten’s Nocturnal, opus 70. Guitar Forum. Outono, 2001. Disponível em <https://steve-paperclip.s3-eu-west-1.amazonaws.com/documents/uploadedfiles/000/000/287/original/Goss.pdf>. Acesso em: 29 mar. 2022.

GOSS, Stephen. On Britten’s Nocturnal. 2020. Disponível em <https://app.tonebase.co/guitar/lessons/player/benjamin-britten-nocturnal-lecture-by-stephen-goss>. Acesso em 20 mar. 2022.

MADEIRA, Bruno. Horizontalizando Relações entre Obra, Performances, Compositor e Performer. Revista Vórtex, v. 8, n. 3. Disponível em <https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/3962>. Acesso em 17 mar. 2022.

MADEIRA, Bruno. O gesto corporal como potencializador de significado na performance violonística. Tese (Doutorado em Música). Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017.

MOLINA, Sidney. O violão na Era do Disco: Interpretação e desleitura na arte de Julian Bream. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2006.

ONMUSIC. “Staccato”. 2016. Disponível em: <https://dictionary.onmusic.org/terms/4770-staccato_462>. Acesso em 19 mar. 2022.

OROSCO, Maurício. Concerto para violão e orquestra de Francisco Mignone: Edição crítica a partir da versão de Sérgio Abreu. Tese (Doutorado em Música). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

PALMER, Tony. Julian Bream – A life on the road. Londres: Macdonald & Co, 1982.

SANTOS, Cristiano Sousa. Análise das diretrizes disciplinares do violão. Tese (Doutorado em Música). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2013.

ZANON, Fabio. Julian Bream (1933-2020). Revista Vórtex, [S.l.], v. 8, n. 3, dez. 2020. Disponível em: <http://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/3948>. Acesso em: 25 mar. 2022.

Downloads

Publicado

29.09.2022

Como Citar

Madeira, B. (2022). Estudo comparativo de quatro versões de Julian Bream do “Nocturnal” de Benjamin Britten. Revista Vórtex, 10(2), 1–38. Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/7057

Edição

Seção

Artigos