Uma visão geral sobre repertórios usados em cerimônias de xamanismo universalista no Brasil

Autores

  • Marcelo Ricardo Villena Universidade Federal da Integração Latino-americana

Palavras-chave:

Música medicina, Ayahuasca, Huni kuin, Xamanismo, Música Latino-americana

Resumo

O presente artigo traz uma olhada global sobre os repertórios musicais empregados em cerimônias de xamanismo universal em Brasil. O xamanismo universal configura-se como um movimento de resgate de saberes indí­genas tradicionais, sobretudo em relação ao uso de plantas de poder como veí­culos para a cura fí­sica e espiritual. As músicas produzidas dentro deste contexto apresentam-se como um laboratório vivo em que se encontram tradições musicais latino-americanas em constante diálogo com a modernidade e as ferramentas tecnológicas: a musicalidade indí­gena amazônica, diversas musicalidades populares tradicionais, ritmos folclóricos, jazz, rock, música indiana, entre outros. A partir da escuta de fonogramas, da observação participante de cerimônias e da experiência como intérprete traça-se um mapa das musicalidades que participam deste universo, destacando suas caracterí­sticas estilí­sticas derivadas de seus respectivos meios culturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Ricardo Villena, Universidade Federal da Integração Latino-americana

Marcelo Ricardo Villena é compositor, cantor, instrumentista, artista sonoro e etnomusicólogo. Professor da Universidade Federal da Integração Latino-americana desde 2014. Bacharel em música/composição (UFRGS), Mestre em música/Teoria e criação e Doutor em música/Processos analí­ticos e criativos (UFMG). Compõe para diversas formações vocais e instrumentais, além de meios eletroacústicos, com ênfase em procedimentos experimentais. Suas composições derivam do estudo do meio ambiente e da cultura latino-americana.

ORCID: https://orcid.org/0000-0001-9311-0054

Referências

ARTESE, Leo. Curso de xamanismo universal. Xamanismo. São Paulo: 2021 Disponí­vel em: <https://www.xamanismo.com.br/cursos-oficinas/cursos-oficinas-2/xamanismo-universal/>. Acesso em: 22 fev. 2021.

BLACK, Samantha. ícaros: The Healing Songs of Amazonian Curanderismo and Their Relationship to Jungian Psychology. Psychology, Rohner Park, Sonoma State University, 2014.

CESARINO, Pedro. Oniska: poética do xamanismo na Amazônia. São Paulo: Perspectiva/FAPESP, 2011.

CRÉPEAU, Robert R. A prática do xamanismo entre os kaingang do Brasil meridional: uma breve comparação com o xamanismo bororo. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 8, No. 18, p. 113-129, dez. 2002.

DELGADO, Jaime L. Dictados del astral. De la oralidad del í­caro precolombino ayahuasqueiro a la escritura feminina del himno del Santo Daime. Tesis de grado. Universidad de Chile, Santiago de Chile. 2017.

MENEZES BASTOS, Rafael J. de O "payemeramaka" Kamayura: uma contribuição etnografia do xamanismo no Alto Xingu. Revista de Antropologia.São Paulo, p. 139-177, 1984.

GIOVE, Rosa. Acerca del "ICARO" o Canto Shamánico. Revista Takiwasi. Takiwasi, Perú, Año 1, No.2, Oct., p. 7-27, 1993.

KOPENAWA, David; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um xamã yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. 1a. Ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LAOS, Korina G. I. Caracterí­sticas estético-musicales del canto í­caro en relación con la práctica del shamanismo shipibo de la cantora Olí­via Arévalo. Trabajo de grado. Conservatorio Nacional de Música, Lima, 2020.

MELLO, Flávia Cristina de. Aetchá Nhanderukuery Karai Retarã: Entre deuses e animais: Xamanismo, Parentesco e Transformação entre os Chiripá e Mbyá Guarani. Tese (Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

MELO, Rosa. A União do Vegetal e o transe mediúnico no Brasil. Religião e Sociedade. Rio de Janeiro, No. 31, Vol. 2, p 130-153, 2012.

MONTARDO, Deise L. O. Através do mbaraká: música e xamanismo guarani. Tese (Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

MORI, Bernd Brabec de; BARBEC, Laida M. S. de. La corona de la inspiración. Los diseños geométricos shipibo-konibo y sus relaciones con la cosmovisión y música. Indiana. Berlí­n, No. 26, p. 105-134. 2009.

PEREYRA, Sebastián M. Sotaques interpretativos en el gualambao. Trabalho de conclusão de curso. Universidade Federal da Integração Latino-americana, Foz do Iguaçu, 2018.

PISSOLATO, Elizabeth. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo mbya (guarani). São Paulo: UNESP, 2007.

REHEN, Lucas K. F. Texto e contexto da música do Santo Daime: algumas considerações sobre a noção de "eu". Mana. Rio de Janeiro, No. 22, Vol. 2, p. 469-492, 2016.

REZENDE, Marcos C. Dezoito cantos náhuatl. Textos bilí­ngues comentados. Florianópolis: Editora da UFSC, 1995.

ROA, Gerardo M. Consideraciones y alternativas notacionales de la métrica de pie ternario empleada en los géneros musicales populares venezolanos. Musicaenclave. Caracas, Vol. 10, No. 3 , P. 1-31, Septiembre-Diciembre, 2016..

SHIRATORI, Karen. O olhar envenenado: a perspectiva das plantas e xamanismo vegetal jamamadi. Mana. Rio de Janeiro, Vol. 25, n.1, p. 159-188, 2019.

SRAMANA, Akaiê. A origem do xamanismo. São Paulo: Online, 12 de out. 2016. Disponí­vel em: <http://akraiesramana.com/artigos/blog/2016/09/11/a-origem-do-xamanismo/>. Acesso em: 22 de fev 2021.

TRUJILLO, Edwin; FRAUSIN BUSTAMANTE, Gina, CORREA, Marco Aurelio. (2010). El uso de la ayahuasca en la amazonia. Ingenierí­as y Amazoní­a. Florencia. No. 3, Vol. 2, p. 151-163, 2010.

VILAÇA, Aparecida. O que significa tornar-se outro? Xamanismo e contato interétnico na Amazônia. Revista Brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, Vol. 15, No.. 44, p. 56-72, 2000. Disponí­vel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69092000000300003&lng=en&nrm=iso> Acesso em: 22 de fev. 2021.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Encontros. Rio de Janeiro: Azougue, 2009.

Downloads

Publicado

15.12.2021

Como Citar

Villena, M. R. (2021). Uma visão geral sobre repertórios usados em cerimônias de xamanismo universalista no Brasil. Revista Vórtex, 9(3). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/4530

Edição

Seção

Artigos