"Proposição" – Impressões sobre o violonismo e a vocalidade em uma canção de Ricardo Tacuchian

Autores

  • Wladimir F. C. Mattos Universidade Estadual Paulista
  • Lourival Lourenço Jr. Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.33871/23179937.2020.8.3.3995

Palavras-chave:

Violão, Violonismo, Vocalidade, Canção de câmara

Resumo

Mais do que um neologismo proposto para dar efeito a algum jogo conceitual, o termo violonismo, em contraste com o violoní­stico, reflete uma concepção especí­fica sobre o comportamento do violão na prática da canção de câmara brasileira. Trata-se das possibilidades de atuação do violonista na canção de câmara para canto e violão, sobretudo quando nos damos conta de que este repertório tem no cerne da sua criação não apenas a musicação de um texto para a composição de uma melodia cantável, a ser acompanhada, mas sim um processo no qual esta musicação e a sua vocalidade intrí­nseca integram o instrumento na unidade discursiva tridimensional deste tipo de canção. Como um exercí­cio de análise sobre estas possibilidades apresentamos algumas impressões sobre "Proposição" , canção de Ricardo Tacuchian, sobre texto de Gabriel Neves.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wladimir F. C. Mattos, Universidade Estadual Paulista

Wladimir Mattos é Doutor em Música pela UNESP, onde realizou também o Mestrado e Bacharelado em Música com Habilitação em Canto. Professor do Instituto de Artes da UNESP, desde 2006, leciona atualmente as disciplinas de prosódia, dicção, fisiologia da voz, pedagogia do canto e interpretação da canção de câmara. Integra a área de Arte e Educação do Programa de Pós-Graduação em Artes do IA-UNESP e coordena o grupo de estudos Auralidade e Vocalidade nas Artes – AV:A. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-8539-7435

Lourival Lourenço Jr., Universidade Estadual Paulista

Lourival Lourenço Jr é Mestre em Música na área de Análise Musical pelo Programa de Pós-Graduação em Música do Instituto de Artes da UNESP. Bacharel em Música com Habilitação em Violão pela UNESP. Formado em violão erudito pelo Conservatório de Tatuí­, em convênio com a ETEC de Artes de São Paulo. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em arranjo e música de câmara, e integra o Núcleo de Estudos da Canção pertencente ao grupo Auralidade e Vocalidade nas Artes – AV:A. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-7395-4097

Referências

AMORIM, Humberto. Heitor Villa-Lobos: Uma revisão bibliográfica e considerações sobre a produção violoní­stica. 2007. Dissertação (Mestrado em Música). Programa de Pós-Graduação em Música do Centro de Letras e Artes da Universidade Federal do Estado do Riode Janeiro

BATTISTUZZO, Sergio Antonio Caldana. Francisco Araújo: o uso do idiomatismo na composição de obras para violão solo. Dissertação de Mestrado. Instituto de Artes da Universidade de Campinas, 2009. Campinas: UNICAMP, 2009.

CASTRO, Renato Moreira Varoni de. O violão substitui a viola de arame na cidade do Rio de Janeiro do Século XIX. Vitória-ES. Anais do Décimo Quinto Congresso da ANPPOM, 2005.

CAMPOS, Haroldo de. Da transcriação: poeÌtica e semioÌtica da operação tradutora. Belo Horizonte: FALE/UFMG, 2011.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Etimológico Nova Fronteira da Lí­ngua Portuguesa. 8ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997.

DUARTE, Fernando José Carvalhaes. A fala e o canto no Brasil: dois modelos de emissão vocal. In: Revista ArteUnesp, São Paulo, v. 10, p. 87-97, 1994.

ECO, Umberto. Obra aberta; formas e indeterminação nas poéticas contemporâneas. Tradução Giovanni Cutolo [et al.]. 10 ed. São Paulo, Perspectiva, 2015.

FRAGATA, J. Problemas da fenomenologia de Husserl. Braga: Editorial Presença, 1962.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário Eletrônico HOUAISS da lí­ngua portuguesa. Versão 1.0. Editora Objetiva Ltda. 2001.

LARUE, Jean. Guidelines for Style Analysis. New York: Norton, 1970.

LEWIS, David. CRAWFORD, Tim. MÜLLENSIEFEN, Daniel. Instrumental idiom in the 16th century: embellishment patterns in arrangements of vocal music. Goldsmiths, Proceedings of the 17th ISMIR Conference, New York City, USA, 2016.

LIMA, Edilson Vicente de. A modinha e o lundu: dois clássicos nos trópicos. 2010. 248 f. Tese (Doutorado – Escola de Comunicação e Artes), Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010

LOURENÇO, Lourival Jr. O violonismo e a Canção de Câmera brasileira. 2019. Dissertação (Mestrado em Música) Instituto de Artes – UNESP, São Paulo, SP.

MATTOS, Wladimir Farto Contesini de. Cantar em português – um estudo sobre a abordagem articulatória como recurso para a prática do canto. Tese. (Doutorado em Música – PPG Instituto de Artes, UNESP) São Paulo, São Paulo, 2014.

NASCIMENTO, Ismael. O idiomatismo na obra para violão solo de Sebastião Tapajós. Dissertação de Mestrado. Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista Dr Julio de Mesquita Filho, 2013. São Paulo: UNESP, São Paulo.

PAREYSON, Luigi. Estética; teoria da formatividade. Trad. Ephraim Ferreira Alves. Petrópoles, Rj. Vozes; 1993.

PIEDADE, Acacio T. C. O uso da Linguagem na Análise Musical. Série Congressos da TEMA, I. Universidade Federal da Bahia, Salvador 2015.

PICCHI, Achille Guido. As serestas de Heitor Villa Lobos; um estudo de análise, texto-música e pianismo para uma interpretação. Tese (Doutorado em Música) Instituto de artes – UNICAMP. Campinas, São Paulo. 2010.

_____________. Canção de Câmera brasileira: teoria, análise, realização. Rio de Janeiro, Rj. Ed. Autografia, 2019.

RAYNOR, Henry. História social da música, da idade média a Bethoven. Trad. Nathanael C. Caixeiro. (original publicado em 1972 e tradução de 1978) Barrie & Jenkins Ltd, Londres, Inglaterra.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguistica Geral. Trad. Antonio Chelini, José Paulo Paes e Izidoro Blikstein. São Paulo, SP. Pensamento Cultrix LTDA, 2012

SCARDUELLI, Fábio. A Obra Para Violão Solo de Almeida Prado. Dissertação de Mestrado. Instituto de Artes da Universidade de Campinas, 2007. Campinas: UNICAMP, 2007.

SCHOENBERG, Arnold. Fundamentos da composição musical. Trad. Eduardo Seincman. São Paulo: EDUSP, 1996.

TACUCHIAN, Ricardo. Lí­ricas para soprano e violão. Rio de Janeiro, RJ. Academia Brasileira de Música, 2012.

XATARA, Cláudia Maria. As Dificuldades na Tradução de Idiomatismo. Cadernos de Tradução volume 8. p.183–194, UFSC – Florianópolis. 2002.

Downloads

Publicado

15.12.2020

Como Citar

Mattos, W. F. C., & Lourenço Jr., L. (2020). "Proposição" – Impressões sobre o violonismo e a vocalidade em uma canção de Ricardo Tacuchian. Revista Vórtex, 8(3). https://doi.org/10.33871/23179937.2020.8.3.3995

Edição

Seção

Artigos