A Fuga da Donzela: Relações entre Mulheres, Violão e Discurso na Cultura Brasileira

Autores

  • Cláudia Araújo Garcia Universidade do Estado de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.33871/23179937.2020.8.3.3988

Palavras-chave:

Mulheres violonistas, Corpo feminino e violão, Violão na Literatura Brasileira, Representação, imagem e cultura

Resumo

Este artigo discute as associações entre a mulher e o violão a partir do discurso literário brasileiro, estabelecendo também um diálogo com o contexto cultural e a própria história do instrumento. Para isso, pesquisamos textos que abarcassem as interseções entre as mulheres e o violão, tanto sob a perspectiva da autoria feminina, quanto da escrita masculina. Percebemos, através das análises que, se por um lado, o violão revela a inquietude, a violação, e o desejo libertário da voz feminina; por outro, evidencia a reiteração de estereótipos vinculados ao espelhamento entre o corpo da mulher e o instrumento. Observamos também que, além da escassez de registros do violão em mãos femininas, prevalece um discurso que reforça o imaginário masculino, assim como não contempla a importância das mulheres violonistas ao longo da trajetória do instrumento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudia Araújo Garcia, Universidade do Estado de Minas Gerais

É doutora em Letras pela PUC Minas e mestra em Performance Musical pela Universidade Federal de Minas Gerais. Possui Pós-graduação em Princí­pios e Recursos Pedagógicos em Música pela Universidade do Estado de Minas Gerais e Bacharelado em Violão pela mesma instituição. Como professora, atuou no Conservatório Estadual de Música Padre José Maria Xavier e no Centro de Formação Artí­stica e Técnica da Fundação Clóvis Salgado. Desde 2005, leciona na Escola de Música da Universidade do Estado de Minas Gerais, onde integra o quadro docente efetivo. Além de solista e camerista, tem se dedicado í  pesquisa nas áreas de performance musical, violão, literatura e canção de câmara brasileira. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0990-807X. E-mail: claudia.violao@gmail.com

Referências

ALVES, Castro. Espumas Flutuantes. Apresentação e notas José de Paula Ramos Júnior; ilustrações Moa Simplí­cio. 5. ed. Cotia (SP): Ateliê editorial, 2005.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Boitempo & A falta que ama. Rio de Janeiro: Sabiá, 1968.

ANDRADE, Carlos Drummond de. Imagens de flautinha. Ou isto ou aquilo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 10 jul. 1964.

ARAÚJO, Jorge de Souza. Do penhor í pena: estudos do mito de Don Juan, desdobramentos e equivalências. Salvador: Editus, 2005. 484p.

CARVALHO, Dalila Vasconcellos de. O GeÌ‚nero da MuÌsica: A construção social da vocação. São Paulo, Alameda, 2012.

CASTAGNA, Paulo; ANTUNES, Gilson. 1916: o violão brasileiro já é uma arte. Cultura Vozes, São Paulo, ano 88, v. 88, n.1, p. 37-51, jan./fev. 1994.

CORREIA, Raimundo. Versos e versões. Rio de Janeiro : Typ. e Lith. Moreira Maximino & C 1887. Disponí­vel em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/5032. Acesso em: 06 jun. 2019.

COSTA, Sueli; PINHEIRO, Paulo César. Violão. In: GUEDES, Fátima. Pra bom entendedor. Rio de Janeiro: Velas, 1993. (CD)

GARCIA, Cláudia A. Amores, volúpias e memórias: um retrato do violão na poesia brasileira. Tese (Doutorado) - Pontifí­cia Universidade Católica de Minas Gerais. Programa de Pós-Graduação em Letras. 280f. 2019.

LORD, Lúcio José Dutra, Desigualdade de gênero e literatura brasileira: um olhar a partir da Sociologia. Revista Entrelaces, v. 1, nº 14, Out.-Dez, 2018.

MATOS, Gregório de. Obra Poética. Rio de Janeiro: Editora Record, 1992. Disponí­vel em: <http://www.literaturabrasileira.ufsc.br/documentos/?action=download&id=36506>. Acesso em: 1º mar. 2019.

MEIRELES, Cecí­lia. Ou isto ou aquilo. Ilustrações de Fernando Correia Dias. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira; FNDE/MEC, 1990. Disponí­vel em: <https://www.revistaprosaversoearte.com/cecilia-meireles-poesia-para-criancas/>. Acesso em: 15 out. 2017.

MORAES, Vinicius de. Para viver um grande amor (crônicas e poemas). Rio de Janeiro: Editora do Autor,1962.

PISTORESI, Aristodemo; PISTORESI, Francisco; SOARES, Oswaldo; DAUMERIE, Yonne. O violão em S. Paulo. O violão, Rio de Janeiro, ano 1, n. 2, 1929.

PORTO, Patrí­cia Pereira; NOGUEIRA, Isabel Porto. Imagem e representação em mulheres violonistas: algumas reflexões sobre Josefina Robledo. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇíO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇíO EM MÚSICA (ANPPOM), XVII, São Paulo, Anais... 2007. p. 1-12.

ROSA, Laila; NOGUEIRA, Isabel. O que nos move, o que nos dobra, o que nos instiga: notas sobre epistemologias feministas, processos criativos, educação e possibilidades transgressoras em música. Revista Vórtex, Curitiba, v.3, n.2, 2015, p.25-56

SCOTT, Joan. Gènero y História. México: FCE, Universidad Autonoma de la Ciudad de México,2008.

TABORDA, Marcia Ermelindo. Violão e identidade nacional: Rio de Janeiro 1830/1930. 2004. 228f. Tese (Doutorado em História Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

TEDESCHI, Losandro Antonio. Alguns apontamentos sobre história oral, gênero e história

das mulheres. Dourados-MS: UFGD, 2014.

TEDESCHI, Losandro Antonio. Os lugares da História Oral e da Memória nos Estudos de Gênero. OPSIS, Catalão, v. 15, n. 2, p. 330-343, 2015

TINHORíO, José Ramos. As origens da canção urbana. São Paulo: Editora 34, 2011.

VIOLíO E MESTRES N. 5, São Paulo: Violões Giannini S/A,1964. p. 23

Downloads

Publicado

15.12.2020

Como Citar

Garcia, C. A. (2020). A Fuga da Donzela: Relações entre Mulheres, Violão e Discurso na Cultura Brasileira. Revista Vórtex, 8(3). https://doi.org/10.33871/23179937.2020.8.3.3988

Edição

Seção

Artigos