Do Alaúde para o Violão: Recursos Idiomáticos Potencializadores da Expressividade Musical

Vitor de Souza Leite, Luciano Hercílio Alves Souto

Resumo


A técnica violonística moderna fundamenta-se em preceitos românticos, refletindo em uma abordagem técnico-instrumental única para diversos estilos musicais. Entretanto, a pesquisa musicológica demonstra o violão como descendente da família das cordas dedilhadas do século XV - XXI, compartilhando recursos técnico-idiomáticos com guitarras, alaúdes, vihuelas, cistres, teorbas entre outros. Como herdeiro desta família, pode apropriar-se dos recursos técnico-idiomáticos destes instrumentos históricos, neste sentido, este artigo aborda o tratado para alaúde de Ernest Baron (1727) como fundamentação teórica para interpretação do repertório barroco ao violão. Para isso, discutimos seu conteúdo articulando-o com textos dos séculos XVII e XVIII, de autores como Gaspar Sanz (1697), Francisco Guerau (1694) e Thomas Mace (1676), buscando demonstrar a apropriação de elementos da prática musical das cordas dedilhadas barrocas ao violão, objetivando potencializar a expressividade musical de tal repertório.

Palavras-chave


Expressividade musical; Técnica violonística; Performance historicamente orientada

Texto completo:

PDF

Referências


BACH, J. S. Partita al Liuto in C.moll. Leipzig: Biblioteca Municipal de Leipzig – Biblioteca Musical, Becker III, ~1720-1739. (Tablatura), 12 páginas. Alaúde.

BARON, Ernest. Historish-Theoretische Und Practische Untersuchung des Instruments der Lauten. Nürnberg: Johann Friederich Rüdiger, 1727.

BARON, Ernest. Study of the lute. Traduzido por Douglas Smith. Columbia SC: Instrumenta Antiqua Publications, vm. 2, 1976.

BORGES, Rafael. O uso da scordatura para a execução no violão de obras compostas para alaúde barroco: Transcrição e exemplos extraídos da obra de Silvius Leopold Weiss. 2007. Dissertação (Mestrado em música) – UFRGS, Porto Alegre, 2007.

CAMARGO, Guilherme. A guitarra dos séculos XVII e XVIII em seus aspectos técnicos e estilístico-históricos através da tradução comentada e análise do Instruccion de musica sobre la guitarra española de Gaspar Sanz, 1697. 2015. Tese (Doutorado em Processos de Criação Musical) – Escola de Comunicações e Artes, USP, São Paulo, 2015.

CARDIN, M. The London Manuscript unveiled: 1. Analysis. 2. Context. 3. Description. 4. Appendix I. 5. Appendix II. 6. Appendix III. 2005. Disponível em: . Acesso em 25 de abril. 2020.

CARDOSO, Renato. Repertório barroco e suas possibilidades ao violão: Aspectos teóricos e métodos transcritivos a partir Das cordas dedilhadas. 2014. Dissertação (Mestrado em práticas interpretativas). UNESP, São Paulo, 2014.

CASTAGNA, Paulo. A musicologia enquanto método científico. Revista do Conservatório de Música da UFPel, Pelotas, vm. 1, p. 7-31, 2008.

COELHO, Victor. Frescobaldi and the Lute and Chitarrone Toccatas of ‘II Tedesco della tiorba. In: SILBIGER, Alexander (Org). Frescobaldi Studies. Durham: Duke University Press, 1987. p. 137-156.

COSTA, Gustavo. Seis sonatas e partitas para violino solo de J.S. Bach ao violão: fundamentos para adaptação do ciclo. 2012. Tese (Doutorado em música) Departamento da Escola de Comunicação e Artes da USP, São Paulo, 2012.

DUPRAT, Régis. Musicologia e interpretação: Teoria e Prática. In: I Encontro de Pesquisa em Música, 2003, Universidade Estadual de Maringá. Anais do I Encontro de Pesquisa em Música. Maringá: Ed: Massoni, 2003. P. 21-34.

FERNANDES, A.; KAYAMA, A. A sonoridade vocal e a prática coral no Barroco. Per Musi, Belo Horizonte, n.18, p. 59-68, 2008.

FREITAS, Thiago. Ciaccona em Ré Menor BWV 1004 de J.S. Bach: Um estudo das articulações e uma transcrição para violão. 2005. Dissertação (Mestrado em Letras e Artes) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

GUERAU, Francisco. Poema Harmonico. Madrid, Manuel Ruiz de Murga, 1694.

HANZ, Martin. Pequeno guia para ornamentação da música do barroco. Traduzido por H. J. Koellreuter. São Paulo: Cultura Musical, 1979.

HARNONCOUT, Nikolaus. O discurso dos sons: Caminhos para uma nova compreensão musical. 4° ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1984.

KOONCE, Frank. The Solo Lute Works of Johann Sebastian Bach. Reino Unido: Neil A. Kjos Music Company, vm. 2, 2012. (Partitura), 143 páginas. Violão.

MACE, Tomas. Musick’s Monument. Londres: T. Ratcliffe N. Thompson, 1676.

MACEVORY, Bruce. The Renaissance thumb-under lute technique. Divisions – Lute Society of America, Massachusetts, v. 1, n.3, p. 4-20, 1979.

MED, Bohumil. Teoria da Música. 4° ed. Brasília: Musimed, 1996.

NOGUEIRA, Gisela. A Viola com Anima: uma construção simbólica. 2008. Tese (Doutorado em Interfaces Sociais da Comunicação) UNESP, São Paulo, 2008

PRAETORIUS, Michael. Syntagma Musicum: Suplemento do Livro II, Theatrum Instrumentorum. Wolfenbüttel: Elias Holwein, 1619.

RODRIGO, Joaquín. Tres Piezas Espanholas. B. Schott's Söhne, Mainz, Alemanha, 1963. (Partitura), 15 páginas. Violão.

SANZ, Gaspar. Instruccion de musica sobre la guitarra española. Zaragoça: Herederos de Diego Dormer, 1697.

SHIGETA, Ayumi. Interpretação pianística historicamente informada: Subsídios analíticos para uma execução das Bagatelas op.126 de Ludwig van Beethoven. 2008. Dissertação (Mestrado em Música). Unicamp, Campinas, 2008.

SIMÃO, André. O processo de adaptação para violão do Capriccio em Ré maior (SW91.2, SW 25*) para alaúde barroco de Silvius Leopold Weiss (1687-1750). Revista Vórtex, Curitiba, v.4, n.3, p.1-36, 2016.

SOUTO, Luciano Hercílio Alves. Inter-relações entre Performance e Musicologia Histórica: Perspectivas para a interpretação musical. 2015 (Doutorado em Práticas Interpretativas) UNESP, São Paulo, 2015.

SOUTO, Luciano Hercílio Alves. Transcrição musical: Um estudo crítico do repertório para instrumentos de cordas dedilhadas. 2010. Dissertação (Mestrado em música). UNESP, São Paulo, 2010.

TABORDA, Márcia. Violão e identidade nacional. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

TARUSKIN, Richard. Text & Act: Essay on Music and Performance. New York: Oxford University Press, 1995.

TEDESCO, Mario. Sonata Omaggio a Boccherini. B. Schott's Söhne, Mainz, Alemanha, 1935. (Partitura), 15 páginas. Violão.

TYLER, James. A guide to playing the baroque guitar. Bloomington: Indiana University Press, 2011.

TYLER, James. The early guitar: a history and handbook. Londres: Oxford University Press. 1980.

VILLA-LOBOS, Heitor. Doze estudos para violão. Paris: Max Eschig. 1953. (Partitura), 35 páginas. Violão.

VIVALDI, Antonio. Concerto in Re maggiore per liuto, due violini e basso continuo, RV 93 (F. XII, n 15). Turin: Biblioteca Nazionale Universitaria, 1730. (Partitura), 10 páginas. Alaúde, cordas e cravo.

VIVALDI, Antonio. Concerto in Ré Maior, RV 93. Transcrição de Edson Lopes. Tatuí: Conservatório de Tatuí, 1998. (Partitura), 31 páginas. Violão solista e orquestra de violões.

YATES, Stanley. J. S. Bach: Six unaccompanied Cello Suites Arranged for Guitar. Pacific: Mel Bay Publications, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© 2021 Revista Vórtex | Vortex Music Journal