Sistema Composicional Intermarkoviano

Esdras Sarmento Ferreira, Raphael Sousa Santos, Flávio Fernandes de Lima, Hugo Tremonte de Carvalho, Liduino Pitombeira

Resumo


O presente artigo trata da descrição do Sistema Composicional Intermarkoviano, resultado de uma convergência entre a teoria da intertextualidade e das cadeias de Markov, com o objetivo de estabelecer diretrizes pré-composicionais. Tais diretrizes se originam, no caso específico deste trabalho, das partições texturais rítmicas e dos contornos melódicos de uma obra musical original: o segundo movimento dos Cinco Movimentos para Quarteto de Cordas, Op. 5 de Webern. A operacionalidade do sistema é facilitada através de um aplicativo computacional denominado Markov Model, desenvolvido durante a pesquisa. Como resultado composicional, foi planejada e composta uma nova obra, cujas relações profundas de interdependência textural e contorno melódico se aproximam da obra original.


Palavras-chave


Sistemas Composicionais; Cadeias de Markov; Intertextualidade; Teoria dos Contornos; Partições Texturais Rítmicas

Texto completo:

PDF

Referências


AMES, Charles. The Markov Process as a Compositional Model: A Survey and Tutorial. Leonardo. v. 22, n. 2, p. 175-187, 1989.

ANDREWS, George. The theory of partitions. Cambridge: Cambridge University, 1984. BAKHTIN, Mikhail M. The Dialogic Imagination: Four Essays. Austin: University of Texas Press,

BERRY, Wallace. Structural Functions in Music. New York: Dover Publications, 1987.

BERTALANFFY, Ludwig von. Teoria Geral dos Sistemas. Petrópolis: Vozes, 2008.

CHAI, Wei; VERCOE, Barry. Folk Music Classification Using Hidden Markov Models. Proc. of International Conference on Artificial Intelligence, 2001.

COOK, John. Solving Van der Pol equation with ivp_solve. Disponível em . Acesso em 21 de julho de 2020.

DOUTHETT, Jack; STEINBACH, Peter. Parsimonious Graphs: A Study in Parsimony, Contextual Transformations, and Modes of Limited Transposition. Journal of Music Theory. v. 42, n. 2, p. 241-263, 1998.

FRIEDMANN, Michael L. A Methodology for the Discussion of Contour: its Application to Schoenberg’s Music. Journal of Music Theory, v.29, n.2: p. 223–48, 1985.

GENTIL-NUNES, Pauxy. Análise particional: uma mediação entre análise textural e a teoria das partições. 2009. 371 f. Tese (Doutorado em Música). Centro de Letras e Artes, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2009.

GENTIL-NUNES, Pauxy. PARSEMAT - Parseme Toolbox Software Package. Rio de Janeiro: Pauxy Gentil-Nunes, 2004/2014. versão 3.8. Disponível em: http://musmat.org/downloads/

HERZOG, George. The Yuman musical style. Journal of American Folklore 41 (160), p. 183-231, 1928

KAPLAN, José Alberto. Ars inveniendi. Revista Claves. N. 01, p. 15-25, 2006.

KLEIN, Michael L. Intertextuality in Western Art Music. Bloomington: Indiana University Press,

KLIR, George. Facets of Systems Science. New York: Plenum, 1991.

KORSYN, Kevin. Toward a New Poetics of Musical Influence. Music and Analysis. v. 10, n. 1/2, p. 3-72, 1991.

KRISTEVA, Julia. Semiótica: Introdução à Semanálise. 2a. ed. São Paulo: Perspectiva, 2005. LIMA, Flávio. Desenvolvimento de Sistemas Composicionais a partir da Intertextualidade. 2011.

f. Dissertação (Mestrado em Música) – UFPB. João Pessoa, 2011.

MAIA, Lucas Simões. Formalismos da Composição Algorítmica - Um Experimento com Canções

Folclóricas Brasileiras. Dissertação (Mestrado em Engenharia Elétrica). Programa de Engenharia Elétrica, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016.

MALT, Mikhail. Les Mathématiques et la Composition Assistée par Ordinateur (Concepts, Outils et Modèles). Tese (Doutorado em Música e Musicologia do Século XX). Paris: Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales, 2000.

MEDEIROS, R. J. V. ; SANTOS, R. S. ; PITOMBEIRA, Liduino . Modelagem Sistêmica baseada em Cadeias de Markov. In: XXI Congresso da ANPPOM, 2011, Uberlândia. Anais do XXI Congresso da ANPPOM, 2011.

MESQUITA, Gabriel. A acústica da influência: uma recomposição da intertextualidade na música. Rio de Janeiro, 2018. Dissertação (Mestrado em Música) - Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

NIEMEYER, Klaus. A Contribution to Model Theory. In: Scientific support for the decision making in the security sector. Kounchev, Ognyan; Willems, Rene; Shalamanov, Velizar; Tsachev, Tsvetomir (Ed.) (Ed.). Washington, DC : IOS Press, 2007, p.25-40.

MOZART, Wofgang. A. Sonate in C KV 545. Basel: Bärenreiter, 1986. (Partitura), 217 páginas. Piano.

MORRIS, Robert. New Directions in the Theory and Analysis of Musical Contour. Music Theory Spectrum, n. 15, n. 2, p. 205-228, 1993.

Pitombeira, Liduino. A produção de teoria composicional no Brasil. In Ilza Nogueira e Fausto Borém (org.). O pensamento musical criativo: teoria, análise e os desafios interpretativos da atualidade, 1. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2015, p. 61–89.

PITOMBEIRA, Liduino. Modelagem sistêmica como metodologia pré-composicional. Anais do XXVII Congresso da ANPPOM, Campinas: UNICAMP, 2017, p. 1-19.

PITOMBEIRA, Liduino. A Systemic Model for Debussy’s Prélude No.1. MusMat – Brazilian Journal of Music and Mathematics. V.2, N.2, Dezembro de 2018.

PITOMBEIRA, Liduino. Compositional Systems: Overview and Applications. MusMat – Brazilian Journal of Music and Mathematics. V.4, N.1, Junho de 2020.

PUFFETT, Kathryn Bailey. "Webern, Anton." Grove Music Online. 2001; Disponível em . Acesso em 20 de julho de 2020.

ROADS, Curtis. The Computer Music Tutorial. Cambridge: MIT Press, 1996.

SAMPAIO, Marco da Silva. A Teoria de Relações de Contornos Musicais: Inconsistências, Soluções e Ferramentas. Tese (Doutorado em Música). Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.

SANTOS, Raphael Sousa. Markov Model. Disponível em: . 2013.

STRAUS, Joseph N. Remaking the Past: Musical Modernism and the Influence of the Tonal Tradition. Cambridge: Harvard University Press, 1990.

STRAUS, Joseph N. Introdução à Teoria Pós-tonal. Trad.: Ricardo Bordini. Salvador: EDUFBA, 2013.

TENNEY, James; POLANSKY, Larry. Temporal Gestalt Perception in Music. Journal of Music

Theory, v. 24, n. 2, p. 205-241, 1980

WEBERN, Anton. Fünf Sätze für Streichquartett. Wien: Universal, 1922. (Partitura), 11 páginas.

Quarteto de cordas.

WEBERN, Anton. Drei kleine Stücke, Op. 11 (1914). Wien: Universal, 1952. (Partitura), 3 páginas. Violoncelo e Piano.

WEBERN, Anton. Drei Volkstexte, Op.17 (1924). Wien: Universal, 1955. (Partitura), 9 páginas. Voz, violino (ou viola), Clarinete (Si bemol) e Clarone (Si bemol).

XENAKIS, Iannis. Formalized Music: Thought and Mathematics in Music. Hillsdale: Pendragon Press, 1992.

ZAMPRONHA, Edson S. Notação, representação e composição: um novo paradigma da escritura musical. 1998. 291 f. Tese (Doutorado em Comunicação e Semiótica) - Programa de Estudos Pós- Graduados em Comunicação e Semiótica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1998.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© 2021 Revista Vórtex | Vortex Music Journal