Performance musical como discurso: Proposta de análise

Caio Victor de Oliveira Lemos

Resumo


O presente texto investiga a possibilidade de depreender os efeitos de sentido num enunciado musical a partir de uma perspectiva discursiva. Inicialmente, apresentaremos alguns princípios da teoria enunciativa para em seguida analisar, dentro dessa proposta, dois enunciados musicais em vídeo – tratados como textos sincréticos que unem música, gestualidade e demais elementos sonoros e visuais – realizados por diferentes intérpretes – Paul Galbraith e Kazuhito Yamashita – tocando a mesma obra, Nocturnal op. 70 de Benjamin Britten. Assim, através das marcas da enunciação no enunciado nos será possível inferir como se deu a construção de sentido, as estratégias discursivas utilizadas, e mostrar que imagens distintas foram criadas por cada enunciador, revelando assim o ganho operacional e analítico das ferramentas propostas na descrição da performance musical.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Alexandre Zamith. Por uma visão da música como performance. Opus, vol. 17(2), 63–76, 2011.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria do Discurso: Fundamentos Semióticos. São Paulo: Humanitas, 2 ed., 2001.

BENVENISTE, Émile. Problemas de Linguística Geral, vol. I. Campinas: Pontes / Editora da Unicamp, 4 ed., 1995. Tradução de Maria da Glória Novak e Maria Luisa Neri.

__________. Problemas de Linguística Geral, vol. II. Campinas: Pontes, 2 ed., 2006. Tradução de Eduardo Guimarães et al.

CARMO JR., José Roberto do. Melodia e Prosódia: um modelo para a interface música/fala com base na análise comparado do aparelho fonador e dos instrumentos musicais reais e virtuais. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

DAVIDSON, Jane. Communicating with the body in performance. In:RINK, J. (Org.), Musical Performance: A Guide to Understanding, p. 144–152. Cambridge: Cambridge University Press, 2002.

__________. Bodily movement and facial actions in expressive musical performances by solo and duo instrumentalists: Two distinctive case studies. Psychology of Music, vol. 40(5), 595–633, 2012.

DOMENICI, Catarina Leite. His master’s voice: a voz do poder e o poder da voz. Revista do Conservatório de Música da UFPel, (5), 65–97, 2012.

DUDEQUE, Norton Eloy. História do violão. Curitiba: Ed. da UFPR, 1994.

FIORIN, José Luiz. As Astúcias da Enunciação: as Caregorias de Pessoa, Espaço e Tempo. São Paulo: Contexto, 3 ed., 2016.

__________. Para uma definição das linguagens sincréticas. In:OLIVEIRA, Ana Cláudia Mei de & TEIXEIRA, Lucia (Orgs.), Linguagens na Comunicação: Desenvolvimentos de Semiótica Sincrética, p. 15–40. São Paulo: Estação das Letras, 2009.

__________. Enunciação (1): Conceito de enunciação. Youtube, 2011. Acesso em: 28 de setembro de 2018. URL https://www.youtube.com/watch?v=RQzJaFYiqhc

GALBRAITH, Paul. Benjamin britten: Nocturnal after john dowland. Youtube, 2013. Acesso em: 30 de setembro de 2018. URL https://www.youtube.com/watch?v=iY74itDa-Mw

GREIMAS, Algirdas Julien. A enunciação: uma postura epistemológica. Significação: Revista Brasileira de Semiótica, (1), 9–25, 1974. Tradução de Maria Lúcia Vissotto Paiva Diniz.

GREIMAS, Algirdas Julien & COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. São Paulo: Contexto, 2 ed., 2011. Tradução Alceu Lima et al.

LAWRENCE, Michael. Bach & friends. MLfilms, 2010. Documentário/Música, 116 min.

LINDENBERG LEMOS, Carolina. Entre Expressões e Conteúdos: do Semissimbolismo às Categorias Tensivas. Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

OLIVEIRA LEMOS, Caio Victor de. O Estatuto Enunciativo do Intérprete Violonista. São Paulo, 2017. 134f. Dissertação de Mestrado. Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2017.

YAMASHITA, Kazuhito. Britten, nocturnal, Moscow, 1995 (part 2). Youtube, 2016a. Acesso em: 30 de setembro de 2018. URL https://www.youtube.com/watch?v=46TBoiSoY4k

__________. Britten, nocturnal, Moscow, 1995 (part 1). Youtube, 2016b. Acesso em: 30 de setembro de 2018. URL https://www.youtube.com/watch?v=PVLZ-mna7gw


Apontamentos

  • Não há apontamentos.