Apreciação musical para não-musicistas – Uma proposta a partir das ideias do Círculo de Bakhtin

Silvia Cordeiro Nassif, Jorge Luiz Schroeder

Resumo


Este texto discute a possibilidade de trabalhar a apreciação musical a partir das noções teóricas de dialogia e gênero discursivo propostas pelo Círculo de Bakhtin como princípios explicativos para o funcionamento dos sistemas simbólicos. Em analogia aos gêneros discursivos linguísticos, tipos estáveis de discursos atrelados a esferas da vida cotidiana, propõe a noção de gêneros discursivos musicais, tipos específicos de músicas ligados a certas áreas de atividades sociais. Essa noção permite considerar as produções musicais e entender seus modos de funcionamento a partir dos diálogos e apropriações estabelecidos entre elas. Tais procedimentos marcam a contemporaneidade e podem ser fios condutores interessantes em um trabalho educativo de apreciação musical. Como exemplo da abordagem proposta, é apresentada a análise dialógica de uma música de Villa Lobos, enfatizando-se uma possível rede de conexões por ela engendrada. Por fim, são destacados, como resultados da proposta, alguns aspectos educacionais: a possibilidade de participação mais ativa dos estudantes nas aulas e a relativização dos valores estéticos.


Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, Theoror W. Quasi una fantasia. São Paulo: Editora Unesp, 2018.

BERNARDES, Vanda. A percepção musical sob a ótica da linguagem. Revista da Abem, Porto Alegre, n. 6, p. 73-85, 2001.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

BAKHTIN, Mikhail; VOLOCHÍNOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem. 13. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BARBOSA, Karla Jaber; FRANÇA, Maria Cecília Cavalieri. Estudo comparativo entre a apreciação musical direcionada e não direcionada de crianças de sete a dez anos em escola regular. Revista da Abem, Porto Alegre, v. 17, n. 22, p. 7-18, set. 2009.

CASSOTI, Rosa Stella. Ressonâncias musicais no Círculo de Bakhtin: Ivan I. Sollertinsky, intérprete de Mozart. In: PAULA, Luciane de; STAFUZZA, Grenissa (orgs.). Círculo e Bakhtin: diálogos (in)possíveis. Campinas: Mercado de Letras, 2010, p. 149-164.

DIAS, Saulo Sandro Alves. O processo de escolarização da viola caipira: novos violeiros (in)ventano moda e identidades. Tese (Doutorado). Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

DUARTE, Mônica de Almeida. A música dos professores de música: representação social da “música de qualidade” na categorização de repertório musical. Revista da Abem, Londrina, v. 19, n. 26, p. 60-69, jul./dez. 2011.

DUDEQUE, Norton. Pacific 231 de Honegger e a Tocata Trenzinho do Caipira de Villa-Lobos: um caso de intertextualidade. Opus, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 39-56, 2013.

FABBRI, Franco. Uma teoria dos gêneros musicais: duas aplicações. Revista Vórtex, Curitiba, v. 5, n.3, p. 1-31,2017.

FARACO, Carlos Alberto. Linguagem & diálogo: as ideias linguísticas do círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

FONTERRADA, Marisa Trench de Oliveira. Educação musical: investigação em quatro movimentos: prelúdio, coral, fuga e final. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1991.

GAÍNZA, Violeta Hemsy. Fundamentos, materiales e técnicas de laeducación musical. Buenos Aires: Ricordi Americana, 1997.

GEGe – Grupo de estudos dos gêneros do discurso. Questões de cultura e contemporaneidade: o olhar oblíquo de Bakhtin. São Carlos: Pedro e João Editores, 2011.

GERALDI, João Wanderley. A aula como acontecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010.

GULLAR, Ferreira. Poema Sujo. Rio de Janeiro: MEDIAfashion, 2008.

HERNÁNDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação: os projetos de trabalho. Porto Alegre: Artmed, 1998.

LAHIRE, Bernard. Dossiê. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

LOBO, Edu. Songbook. Rio de Janeiro: Lumiar Editora, s.d.

MARON, Paulo. Afinando os ouvidos: um guia para quem quer saber mais e ouvir melhor música clássica. São Paulo: Annablume, 2003.

MENDONÇA, Júlia Escalda; LEMOS, Stela Maris Aguiar. Relações entre prática musical, processamento auditivo e apreciação musical em crianças de cinco anos. Revista da Abem, Porto Alegre, v. 23, p. 58-66, mar. 2010.

MIRANDA, Clarisse; JUSTUS, Liana. Formação de plateia em música: cultura musical para todos. 2. ed. Curitiba: Editora Gráfica Expoente, 2003.

MOLINO, Jean. Facto musical e semiologia da música. In: NATTIEZ, Jean-Jaques; ECO, Umberto; RUWET, Nicolas; MOLINO, Jean. Semiologia da música. Lisboa: Veja, s/d. p. 109-164.

ORTIZ, Renato. Cultura brasileira e identidade nacional. 5. ed. São Paulo: Brasiliense, 2005.

PENNA, Maura. Música(s) e seu ensino. 2. ed. Porto Alegre: Sulina, 2010.

QUADROS JR., João Fortunato Soares; LORENZO, Oswaldo. Preferência musical e classe social: um estudo com estudantes de ensino médio em Vitória, Espírito Santo. Revista da Abem, Londrina, v. 21, n. 31, p. 35-50, jul./dez. 2013.

REIS, Estêvão Amaro dos. O Festival do Folclore de Olímpia, São Paulo: uma festa imodesta. Campinas (2012). Dissertação (Mestrado em Música). Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

RICHTER, Ivone. Multiculturalidade e interdisciplinaridade. In: BARBOSA, Ana Mae (org.). Inquietações e mudanças no ensino da arte. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003. p.85-93.

SANDRONI, Carlos. Adeus à MPB. In: CAVALCANTE, Heloísa S.; EISENBERG, José (orgs.). Decantando a República: Inventário histórico e político da canção popular moderna brasileira. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2003, p.23-25.

SCHROEDER, Jorge Luiz. O dentro e o fora na música. Ensinarte: revista das artes em contexto educativo, Braga – Portugal, n. 3, p. 2-14, inverno 2004.

SCHROEDER, Silvia Cordeiro Nassif. A educação musical na perspectiva da linguagem: revendo concepções e procedimentos. Revista da Abem, Porto Alegre, v. 21, p. 44-52, mar/2009.

SILVA, Rafael Rodrigues. O que faz uma música “boa” ou “ruim”: critérios de legitimidade e consumo musicais entre estudantes do ensino médio. Revista da Abem, Londrina, v. 20, n. 27, p. 93-104, jan./jun. 2012.

STAM, Robert. Bakhtin e a crítica midiática. In: RIBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor (orgs.). Mikhail Bakhtin: linguagem, cultura e mídia. São Carlos: Pedro & João Editores, 2010. p.331-358.

SWANWICK, Keith. Ensinando música musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003.

SWANWICK, Keith. Música, mente e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora 34, 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.