Coeducação Musical e os “Encontros de Flauta Doce” – Um olhar para o musicar da Igreja do Caminho

Daniela Weingärtner, Vânia Beatriz Müller

Resumo


O presente artigo tem como objetivo discutir a coaprendizagem musical, a partir das relações sociais que constituem um dado grupo social, e do próprio conceito de comunidade. O texto aborda resultados parciais de uma etnografia realizada em uma comunidade Luterana de Bluemanu – SC. Propomos refletir sobre os modos e processos de aprendizagens musicais tecidos por flautistas de diferentes idades e realidades musicais em encontros de Flauta Doce, na busca de compreender como o contexto comunitário produz práticas musicais e interfere nas aprendizagens musicais desses flautistas. Nos interessa, ainda, pensar em como ocorrem os processos de coeducação entre os participantes. Entre os aspectos observados está a importância que os participantes dão ao fazer música em grupo e, nesse contexto, como aprendem música. Nessa direção, refletimos a partir do conceito de “musicar” de Christopher Small (1998; 2002) e da perspectiva de coeducação de Ribas (2009).


Texto completo:

PDF

Referências


ARROYO, Margarete. Mundos musicais locais e educação musical. EM PAUTA, v. 13, n. 20 - junho 2002.

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Tradução, Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BELLOCHIO, Cláudia Ribeiro. Formação de professores de música: desafios éticos e humanos para pensar possibilidades e inovações. REVISTA DA ABEM. V.24, n.36. P 8-22. Londrina: 2016.

BOURDIEU, Pierre. O Senso prático. Petrópolis: Vozes, 2009.

COOK, Nicholas. Agora somos todos (etno)musicólogos. Ictus, 7, p.7-32, 2006.

GRAF, Geraldo; RAMLOW, Leonardo. (Org.) Nossa igreja – nossa identidade: manual de estudo. São Leopoldo: Sinodal, 2012.

GREEN, Lucy. Ensino da música popular em si, para si mesma e para “outra” música: uma pesquisa atual em sala de aula. Revista da ABEM, Porto Alegre, v. 20, n. 28, p. 61-80, 2012.

MAFFESOLI, Michel. O tempo das tribos: o declínio do individualismo nas sociedades pós-modernas. 4. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

ORDINE, Nuccio. A utilidade do inútil: Um manifesto. Zahar Editora, 2013.

PELLANDA, Nize Maria Campos. À Guisa de introdução: Reflexões sobre neoliberalismo e subjetividade. In: MCLAEN, Peter. A Pedagogia da Utopia. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2001.

QUEIROZ, LUIS RICARDO SILVA; MARINHO, VANILDO MOUSINHO. Educação musical e etnomusicologia: lentes interpretativas para a compreensão da formação musical na cultura popular. OPUS (BELO HORIZONTE. ONLINE), v. 23, p. 62-88, 2017a.

RIBAS, Maria Guiomar de Carvalho. Práticas musicais na Educação de Jovens e Adultos: uma abordagem geracional. Revista da ABEM, Porto Alegre, V. 21, 124-134, mar. 2009.

SAWAIA, Bader Burihan. Comunidade: a apropriação científica de um conceito tão antigo quanto a humanidade. In: CAMPOS, R. H. F. (Org.). Psicologia Social Comunitária: da solidariedade à autonomia. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. p.35-53.

SMALL, Christopher. El Musicar i el Multiculturalisme. In: ACTES DE LES IV JORNADES DE MÚSICA. Institut de Ciències de l’Educació. Universitat de Barcelona. 2002. p. 13-31.

______. Música Sociedad Educación. Madrid: Alianza Editorial, 1989.

SOUZA. Jusamara. Aprender e ensinar música no cotidiano. Porto Alegre: Sulina, 2008.

TEDESCO, Anderson Luiz; STRIEDER, Roque. A formação do ethos contemporâneo: desafios à educação. In: Conjectura: Filos. Educ. Caxias do Sul, v.19, n.3, p. 96 – 116. 2014

VOIGT, Emílio (Org.). Quem é a IECLB? São Leopoldo: Sinodal; Porto Alegre: Igreja Evangélica de Confissão Luterana no Brasil, 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.