Luís Álvares Pinto e a formação musical no Brasil na segunda metade do século XVIII

Ladson Ferreira de Matos, Luciana Câmara

Resumo


Este artigo visa discutir alguns aspectos da primeira produção pedagógica conhecida de Luis Álvares Pinto (Recife, 1719-1789). Seu manuscrito intitulado Arte de Solfejar (Recife, 1761) foi analisado no contexto da história da educação e da produção de textos teóricos em música em meados do século XVIII. Constatamos que a Arte de Solfejar reúne informações valiosas sobre as principais dificuldades enfrentadas por iniciantes na leitura musical e que a preocupação central de Pinto era atender essas dificuldades por meio da simplificação das noções básicas sobre música e de exercícios práticos para aprimorar a execução do estudante. Observamos, também, que o tratado pode ser visto como um elemento de afirmação de Pinto num contexto de incertezas e insegurança institucional.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A.A.B. de. A reforma pombalina dos estudos secundários no Brasil. São Paulo: Saraiva, Ed. da Universidade de São Paulo, 1978.

BINDER, F.P. & CASTAGNA, P. Teoria Musical no Brasil: 1734-1854. In: SIMPÓSIO LATINOAMERICANO DE MUSICOLOGIA, I, 1997, Curitiba. Curitiba: Fundação cultural de Curitiba, 1998, pp. 198–217.

CASTAGNA, P. Musicologia portuguesa e brasileira: a inevitável integração. Revista da Sociedade Brasileira de Musicologia, pp.64–79, 1995.

CUNHA, E.C.G. da. O professor régio, o bispo e o ouvidor: distintos olhares sobre a educação em Recife (1759-1772). Dissertação (Mestrado). UFRPE, Recife, 2009.

DIAS, G.A. Um estudo comparativo entre Francesco Gasparini e os tratadistas portugueses do baixo contínuo. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2012.

DINIZ, J.C. Luiz Alvares Pinto: Arte de Solfejar. Jaime C. Diniz, ed. Recife: Governo do Estado de Pernambuco, 1977.

DINIZ, J.C. Músicos pernambucanos do passado. Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 1969.

DOMINGOS, N. Tradução comentada da primeira parte do tratado A Plaine and Easie Introduction to Practicall Musicke (1597) de Thomas Morley. Dissertação (Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

FAGERLANDE M. O baixo-contínuo no Brasil - 1751-1851 - Os tratados em português. Rio de Janeiro: 7letras/FAPERJ, 2011.

FREITAS, M.P. Entre o hexacorde de Guido e o solfejo “francês”: a Escola de Canto de Orgaõ de Caetano de Melo de Jesus (1759) - Primeira recepçao da teoria do heptacorde num tratado teórico musical em língua portuguesa. Revista Brasileira de Música, v. 23/2, p.p.45 a 72, 2010.

NISKIER, A. Educação Brasileira : 500 anos de história, 1500-2000. São Paulo: Melhoramentos, 1989.

OLIVEIRA, C.M.S. Música e primeiras letras no Recife colonial: Luís Álvares Pinto, mulato, músico e professor régio.Clio - Revista de Perquisa Historica, 29, pp.27–43, 2011.

RÖHL, A.C. de O. Os autos do concurso para Mestre Régio de Antônio da Silva Alcântara, Mestre de Capela da Se de Olinda. In CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS GRADUAÇÃO EM MÚSICA, XXIV, 2014, São Paulo. Anais. São Paulo: ANPPOM, p. 1-10, 2014.

RÖHL, A.C. de O. Os métodos de solfejo de Luis Álvares Pinto: uma análise comparada da Arte de Solfejar e Muzico e moderno systema para solfejar. In A MÚSICA NO ESPAÇO LUSO-BRASILEIRO: UM PANORAMA HISTÓRICO, 2013, Lisboa. Atas do congresso internacional. Lisboa: Cesem, FCSH, UNL, 2013, pp. 67–89.

RÖHL, A.C. de O. O Solfejo Heptacórdico de Luís Álvares Pinto e a formação musical luso-brasileira do século XVIII. Tese (Doutorado). UNESP, São Paulo, 2016.

SILVA, A.M.P. da. Processos de construção das práticas de escolarização em Pernambuco, em fins do século XVIII e primeira metade do século XIX. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.