Jazz performance: improvisação como conversação.

Túlio Augusto Silva Santos

Resumo


Resenha sobre o capítulo Music, languages, and cultural styles: improvisation as conversation, em Saying Something: Jazz Improvisation and Interaction, de Ingrid Monson. Trata-se de uma discussão de alguns dos processos envolvidos na performance no jazz e suas características intrínsecas análogas à comunicação, considerando essencialmente elementos musicais, culturais e sociais, tendo como base teorias e pensamentos de autores em diversas áreas do conhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes. 1997.

BERLINER, Paul F. Thinking in Jazz: The Infinite Art of Improvisation. Chicago: University of Chicago Press. 1994.

FELD, Steven, and Bambi B. Schieffelin. "Hard Words: A Functional Bias for Kaluli Discourse: In Analyzing Discourse: Text and Talk, edited by Deborah Tannen, 350-70. Washington, D.C.: Georgetown University Press. 1982.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna R.; BEZERRA, Maria A. Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna. 2005.

MONSON, Ingrid. Saying something: jazz improvisation and interaction. Chicago: University of Chicago Press. 1996.

SEEGER, Charles. Studies in Musicology 1935-1975. Berkeley and Los Angeles:University of California Press. 1977.

ZIMERMAN. David E. Vocabulário Contemporâneo de Psicanálise. Porto Alegre: Artmed. 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.

Comentários sobre o artigo

Visualizar todos os comentários