A utilização do texto no processo composicional de Erwartung Op.17 de Arnold Schoenberg

Eder Wilker Borges Pena

Resumo


O seguinte artigo buscou determinar quais foram as implicações da junção entre o texto e música e de que forma o texto ditou, determinou ou auxiliou o processo de composição musical em uma peça atonal e atemática de grande porte. Apoiado na contextualização histórica, na análise da bibliografia existente e na análise musical da obra, foi realizado uma explanação acerca dos aspectos simbióticos entre as duas linguagens que constituíram os elementos estruturais essenciais para o processo de composição da obra.

Texto completo:

PDF

Referências


BUCHANAN, Herbert. A Key to Schoenberg’s “Erwartung” (Op.17). In: Journal of the American Musicological Society. v. 20, n. 3, (Fall, 1967), p. 434-449.

CARPENTER, Alexander. Erwartung as other: Schoenberg, Lacan, and Psychoanalytic Music Criticism, 1998, vi, 149 f. Thesis (Master Degree). School of Graduate Studies, McMaster University, Ontario. 1998.

COOK, Nicholas. A guide to musical analysis. New York: W.W. Norton & Company, 1992.

DAHLHAUS, Carl. Schoenberg and the new music. Tr. Derrick Puffett. Cambridge: Cambridge University press, 1990.

EBLE, Charles L. Chord and discord: a journal of modern musical progress. Published by the Bruckner Society of America. V. 2 n. 7, 1954, p. 38-40.

FRIEDHEIM, Philip. Rhythmic Structure in Schoenberg’s Atonal Compositions. In: Journal of the American Musicological Society. v. 19 n. 1(Spring 1966), p. 106-125.

GRIFFITHS, Paul. A música moderna: Uma história concisa e ilustrada de Debussy a Boulez. Tradução de Clóvis Marques. 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

HAMILTON, David. Schoenberg’s First Opera. In: The Opera Quarterly, v.6 n. 3 (Spring, 1989), p. 48-58.

HANSLICK, Eduard. Do belo musical: um contributo para a revisão da estética da arte dos sons. Trad. Artur Morão. Covilhã: Lusosofia:press, 2011.

HARDER, Katherine. Erwartung by Arnold Schoenberg, a new translation and proposed production. Thesis (Master Degree) 115 páginas. The faculty of Graduate Studies – Department of Music, University of British Columbia. Vancouver: K. Harder, 1979.

LEIBOWITZ, René. Schoenberg. Tradução de Hélio Ziskind. São Paulo: Editora Perspectiva, 1981.

MENEZES, Flo. Apoteose de Schoenberg. 2ª edição. São Paulo: Ateliê Editorial, 2002.

______________. Música maximalista: ensaios sobre a música radical e especulativa. São Paulo: Editora Unesp, 2006.

MUXENEDER, Therese. Erwartung. Monodram in einemakt [Expectation, monodrama] Op. 17 (1909). (2014) Disponível em Arnold Schoenberg Center Acesso em: 20 de janeiro. 2015 às 14h50min.

PAYETTE, Jessica. Seismographic screams: "Erwartung"'s reverberations through twentieth-century culture. (2008) Disponível em Acesso em: 20 de janeiro. 2015 às 14h50min.

ROSEN, Charles. Schoenberg. Barcelona: Antoni Bosch, 1975.

ROSS, Alex. O resto é ruído: escutando o século XX. Tradução de Claudio Carina, Ivan WeiszKuck; Revisão técnica de Marcos Branda Lacerda. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SCHOENBERG, Arnold. Style and Idea. New York : Philosophical Library, 1950.

____________________. Harmonia. Tradução e notas de Marden Maluf. 2.ed. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

____________________. Erwartung: monodram (orchestra version). Universal edition nº 13612, 1950.

____________________. Erwartung: monodram (piano reduction by Eduard Steuermann). Universal edition nº 5362, 1950.

SIMMS, Bryan. Whose Idea was Erwartung? In: Constructive dissonance: Arnold Schoenberg and the transformations of twentieth-century culture. Edited by Juliane Brand and Christopher Hailey. Los Angeles: University of California Press, 1997, p. 100-111.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.