Aprendendo a ensinar música: reflexões sobre o início da carreira

Érica Dias Gomes

Resumo


Como em todas as fases de transição, durante a passagem do fim da formação acadêmica ao mercado de trabalho surgem conflitos, dúvidas e tensões, que permitem o confrontamento do conhecimento construído academicamente com a realidade que nos é apresentada no contexto do primeiro trabalho. Este ensaio tem como objetivo apresentar reflexões acerca dos anos iniciais de um professor de música, a partir do memorial da pesquisadora, explorando esta vivência de aluna à professora de música. São apresentados desafios e ideias a partir destas experiências pessoais, em meio à continuidade no processo de formação, especificamente no que se refere à pesquisa científica desenvolvida em um mestrado em educação, apontando caminhos de se relacionar conhecimentos teóricos com vivências pedagógico-musicais. Destaca-se, entre outros pontos, a necessidade constante em se explorar novos caminhos, evitando um comodismo relacionado à postura de se recusar a sair da zona de conforto.


Texto completo:

VISUALIZAR PDF

Referências


BACHELARD, G. A intuição do instante. Tradução: Antonio de Padua Danesi. 2 ed. Campinas: Verus, 2010.

BARBOSA, A. M. Arte-Educação no Brasil. 2ª reimpr. da 5ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

______. Teoria e prática da educação artística. São Paulo: Cultrix, 1975.

BARBOSA, E.; BULCÃO, M. Bachelard: pedagogia da razão, pedagogia da imaginação. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

BASTIÃO, Z. A. A abordagem AME – Apreciação Musical Expressiva – como elemento de mediação entre teoria e prática na formação de professores de música. 2009. 292 f. Tese (Doutorado em Música) – Escola de Música da Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

______. Apreciação Musical: Repensando Práticas Pedagógicas. In: ENCONTRO ANUAL DA ABEM, 12, Florianópolis, 2003. Anais... Florianópolis: ABEM, 2003. p. 883-896.

BEINEKE, V.; FREITAS, S. P. R. de. Lenga la Lenga: jogos de mãos e copos. Lisboa: Crescer com a Música - Educação e Cultura, 2009.

BEINEKE, V. Aprendizagem criativa e educação musical: trajetórias de pesquisa e perspectivas educacionais. Educação. Santa Maria, v. 37, p. 45-60, 2012.

______. Aprendizagem criativa na escola: um olhar para a perspectiva das crianças sobre suas práticas musicais. Revista da ABEM. Londrina, v. 19, p. 92-104, 2011.

______. A composição no ensino de música: Perspectivas de pesquisa e tendências atuais. Revista da ABEM. Londrina, v. 20, p. 19-33, 2008.

BEYER, E.; KEBACH, P. (org). Pedagogia da música: experiências de apreciação musical. Porto Alegre: Mediação, 2009.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: arte. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília MEC/SEF. 1997a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro06.pdf. Acesso em 01 mai 2014.

______. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília MEC/SEF. 1997b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/pluralidade.pdf. Acesso em 01 mai 2014.

BRITO, T. A. de. Teca oficina de música. Disponível em: http://www.tecaoficinademusica.com.br/. Acesso em: 22 jun 2014.

______. Koellreutter educador: o humano como objetivo da educação musical. São Paulo: Fundação Peirópolis, 2001.

BUDASZ, R. Música e sociedade no Brasil colonial. Textos do Brasil: Ministério das Relações Exteriores, v. 12, p. 14-21, 2006.

COSTA, N. B. da. Canção popular e ensino da língua materna: o gênero canção nos Parâmetros Curriculares de Língua Portuguesa. Linguagem em (Dis)curso. Tubarão, v. 4, n. 1, p. 9-36, 2003. Disponível em: http://www3.unisul.br/paginas/ensino/pos/linguagem/0401/3%20art%201%20P.pdf. Acesso em: 01 junho 2014.

CUNHA, D. S. S. da; GOMES, É. D. Música na escola? Reflexões e possibilidades. Guarapuava: UNICENTRO, 2012.

DUARTE JÚNIOR, J. F. A montanha e o vídeo game: escritos sobre educação. Campinas: Papirus, 2010.

______. Fundamentos estéticos da educação. 2. ed. Campinas: Papirus, 1988.

FERRAZ, M. H. C. de T.; FUSARI, M. F. de R. Metodologia do ensino de arte: fundamentos e proposições. 2ª ed. rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2009.

FONTERRADA, M. T. O. De Tramas e Fios: um ensaio sobre música e educação. 2 ed. São Paulo: UNESP; Rio de Janeiro: FUNARTE, 2008.

______. O lobo no labirinto: uma incursão à obra de Murray Schafer. São Paulo: Editora da UNESP, 2004.

FRANÇA, C. C. Cecília Cavalieri França. Disponível em: http://ceciliacavalierifranca.com.br/. Acesso em: 22 jun 2014.

______. Para fazer música. Belo Horizonte: UFMG, 2008.

FRANÇA, C. C.; SWANWICK, K. Composição, apreciação e performance na educação musical: teoria, pesquisa e prática. Em Pauta. Porto Alegre, v.13, n. 21, p. 5-41, dez 2002.

GADOTTI, M. Educação popular, educação social, educação comunitária: conceitos e práticas diversas, cimentadas por uma causa comum. Revista Diálogos: pesquisa em extensão universitária. Brasília, v. 18, n. 1, p. 10-32, dez, 2012. Disponível em: http://portalrevistas.ucb.br/index.php/RDL/issue/view/235/showToc. Acesso em: 26 mai 2013.

______. A questão da educação formal/não-formal. In: Droit à l´éducation: solution à tous les problémes ou probléme sans solution?, 2006, Sion. Right to Education Solution to all Problems or Problem without Solution? Sion: Institut internacional des droit de l´Enfant c/o Institut Universitaire Kurt Bösch, 2005. p. 91-108.

GOMES, E. D. Reflexões sobre o não dito na educação musical: um espaço a ser ocupado pela música contemporânea. Revista Reflexão e Ação. Santa Cruz do Sul, v.22, n.1, p. 78 - 94, 2014. Disponível em: http://online.unisc.br/seer/index.php/reflex/index. Acesso em: 27 mai 2014.

GREEN, B.; BIGUM, C. Alienígenas na sala de aula. In: SILVA, T. T. (org). Alienígenas na sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. 5ª ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

KOELLREUTTER, H. J. Terminologia para uma Nova Estética da Música. Porto

Alegre: Movimento, 1990.

LOUREIRO, A. M. A. O ensino de música na escola fundamental. 3ª ed. Campinas: Papirus, 2003.

MORAES, J. J. de. O que é música. 7 ed São Paulo: Brasiliense, 2001.

RANCIÈRE, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Trad. Lílian do Valle. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

ROSS, A. Escuta só: do clássico ao pop. Trad. Pedro Maia Soares. Rev. Técnica João Marcos Coelho. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

______. O resto é ruído: escutando o século XX. Trad. Claudio Carina e Ivan Weisz Kuck. Rev. técnica Marcos Branda Lacerda. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SCHAFER, R. M. Educação sonora. Trad: Marisa T. Fonterrada. São Paulo: Melhoramentos, 2011a.

______. Afinação do mundo. 2 ed. São Paulo: UNESP, 2011b.

______. O ouvido pensante. Trad.: Marisa T. Fonterrada. São Paulo: UNESP, 1991.

STRAVINSKY, I. Poética musical em 6 lições. Trad. Luiz Paulo Horta. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

SWANWICK, K. Ensinando música musicalmente. São Paulo: Moderna, 2003.

ULHÔA, M. T. de. Nova história, velhos sons: notas para ouvir e pensar a música brasileira popular. Debates. Rio de Janeiro, v.1, n.1, p. 80-101, 1997. Disponível em: http://www.unirio.br/mpb/ulhoatextos/NovaHistoriaVelhosSons_Debates_2Jul.pdf. Acesso em: 13 jun 2014.

WISNIK, J. M. O som e o sentido: uma outra história das músicas. 2 ed. 3 reimp. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ZAGONEL, B. Brincando com música na sala de aula. Curitiba: IBPEX, 2011.

______. O que é gesto musical. São Paulo: Brasiliense, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Governo do Estado do Paraná
Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
InCantare: R. Pesq. Musicoterapia, Curitiba, Faculdade de Artes do Paraná, ISSN 2317-417X