MUSICALIDADE CLÍNICA DO MUSICOTERAPEUTA EM PROCESSOS GRUPAIS – UMA REVISÃO SISTEMÁTICA DA REVISTA BRASILEIRA DE MUSICOTERAPIA

Elisângela Araújo Pinto, Claudia Regina de Oliveira Zanini

Resumo


O presente estudo visa investigar os elementos da musicalidade clínica do musicoterapeuta ao atuar em processos grupais. Realizou-se uma revisão sistemática de todos os números da Revista Brasileira de Musicoterapia. Foram incluídos os artigos que continham os descritores no título e\ou no resumo e\ou entre as palavras-chave. Um protocolo foi criado para a coleta de informações para posterior análise. Consideramos que o processo grupal apresenta muitas especificidades. Assim, torna-se imprescindível um preparo específico e uma habilidade pessoal para lidar com as exigências que o mesmo requer do profissional. Esperamos que este tema seja disseminado na formação continuada do musicoterapeuta.


Texto completo:

PDF

Referências


BARCELLOS, Lia Rejane Mendes. Cadernos de Musicoterapia – 1. Rio de Janeiro: Enelivros, 1992.

____________________________. Musicalidade Clínica. In FÓRUM PARANAENSE DE MUSICOTERAPIA, 2, 2000, Anais do II Fórum Paranaense de Musicoterapia. Curitiba: AMT-PR, 2000. p. 49-60

____________________________. Musicoterapia: alguns escritos. Rio de Janeiro: Enelivros, 2004.

____________________________. Desafios da contemporaneidade: a musicoterapia na sala de diálise no tempo dos ipods. Pode? Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba v.2, p.145 –168. 2011. Disponível em: < http://www.fap.pr.gov.br/arquivos/File/extensao/ Arquivos2011/NEPIM/NEPIM_Volume_02/Art09_NEPIM_Vol02_DesafiosContemporaneidade_2.pdf> Acesso em: 16/02/16.

BECHELLI, Luiz Paulo de C. e SANTOS, Manoel Antônio dos. O terapeuta na psicoterapia de grupo. In: Rev Latino-am Enfermagem. 2005 março-abril; 13(2):249-54. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/rlae/v13n2/v13n2a18.p df >. Acesso em: 21/01/15.

BENENZON, Rolando. Teoria da Musicoterapia: contribuição ao conhecimento do contexto não-verbal. Tradução de Ana Sheila M. de Uricoechea. São Paulo: Summus, 1988.

BRANDALISE, André. Musicoterapia músico-centrada: Linda – 120 sessões. Apontamentos Editora. São Paulo, 2001.

_________________. A aplicação da música, realizada por musicoterapeutas e por outros profissionais da saúde, com pessoas em estados de baixo limiar de atenção: uma revisão sistemática. Revista Brasileira de Musicoterapia. Ano XIV, n° 17, NAO 2014. P. 69 a 85. Disponível em: < https://drive.google.com/file /d/0B7-3Xng5XEkFTGlCZWdxNUMxNWs/vi ew?pref=2&pli=1>. Acesso em: 10/09/15.

BRUSCIA, K. E. Definindo Musicoterapia. Tradução de Tradução Mariza Velloso Fernandez Conde. 2ª. ed. Rio de Janeiro: Enelivros, 2000.

CARDOSO, Leonardo Nascimento e CUNHA, Rosemyriam Ribeiro dos Santos. Trocas afetivas e psicossociais em musicoterapia: Grupos no centro de atenção psicossocial alcool e drogas. In: Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba v.2, p. 74 – 94. 2011.

CRAVEIRO DE SÁ, L.; ESPERIDIÃO, E. C. Dinâmica do Relacionamento Humano: uma experiência interdisciplinar na formação do musicoterapeuta. SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM MÚSICA DA UFG, IV, 2004, Goiânia. Anais Online. Goiânia: UFG, 2004. Disponível em: < https://mestrado.emac.ufg.br/n/31464-sempem-anais-on-line >. Acesso em: 13/05/14.

CUNHA, R.; ARRUDA, M.; DA SILVA, S. M. Homem, música e musicoterapia. Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia, Curitiba, v. 1, p. 9-26, 2010.

CUNHA, Rosemyriam e VOLPI, Sheila. A prática da musicoterapia em diferentes áreas de atuação. R.cient./FAP, Curitiba, v.3, p.85-97, jan./dez. 2008. Disponível em:< http://www.fap.pr.gov.br/arquivos/File/RevistaCientifica3/ 11_Rosemyriam_Cunha_Sheila_Volpi.pdf> Acesso em: 11/02/16.

DRESCH, A.; LACERDA, D. P.; ANTUNES JÚNIOR, J. A. V. Design Science research: método de pesquisa para avanço da ciência e tecnologia. Porto Alegre: Bookman, 2015.

HAGUIARA-CERVELLINI, N. A musicalidade do surdo: representação e estigma. São Paulo: Plexus, 2003.

MARCONI, Mariana de Andrade e LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 5. Ed. São Paulo: Atlas, 2003.

MARTINS, Sueli Terezinha Ferreira. Psicologia Social E Processo Grupal: A Coerência Entre Fazer, Pensar e Sentir Em Sílvia Lane. In: Psicologia & Sociedade. 19, Edição Especial 2: 76-80, 2007.

MILLECCO, L. A. F.; BRANDÃO, M. R. E.; MILLECCO, R. P. É preciso cantar. Musicoterapia, cantos e canções. Rio de Janeiro: Enelivros, 2001.

NEGREIROS, Martha. Tous les visages de l’amour: a diversidade do olhar na clínica musicoterápica. Participação no XI Simpósio Brasileiro de Musicoterapia. Natal, 2003. disponível em: < http://www.fap.pr.gov.br/arquivos/ File/extensao/Arquivos2011/NEPIM/NE

PIM_Volume_02/Rel01_NEPIM_Vol02_DesafiosContemporaneidade.pdf>. Acesso em 12/03/16.

PEDERIVA, Patrícia e TUNES, Elizabeth. Musicalidade e amusicalidade: concepções e consequências para o ensino de música na escola. In: Música Hodie. Vol. 9 - Nº 2 - 2009. P. 105-111.

PEIXOTO, M. C. et al. Evaluation protocol for amusia - portuguese sample (Protocolo de avaliação da amusia - exemplo português). Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, Novembro/Dezembro 2012. 87-93. Acesso em: 15/11/15.

PIAZZETTA, Clara Márcia De Freitas. Musicalidade Clínica Em Musicoterapia: um estudo transdisciplinar sobre a constituição do musicoterapeuta como um ‘ser musical-clínico’. Dissertação apresentada à banca examinadora do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal de Goiás, como exigência parcial para obtenção do título de Mestre em Música, área de concentração Música Educação e Saúde; linha de pesquisa Musicoterapia: convergências e aplicabilidades, sob a orientação da Profª Drª Leomara Craveiro de Sá. Goiânia, 2006.

PIAZZETTA, C. M. D. F.; CORDEIRO, A. F. M. A linguagem musical na musicoterapia: uma musicalidade imersa de sensibilidade na expressão instrumental e vocal. Anais do 7º Seminário de Pesq. em Artes da Faculdade de Artes do Paraná, Curitiba, jun. 2012. 129-133.Disponível em:

PIEDADE, A. Perseguindo fios da meada: pensamentos sobre hibridismo, musicalidade e tópicas. In: Per Musi, Belo Horizonte, n.23, 2011, p.103-112. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/pm/n23/n23a12.pdf> Acesso em: 03/11/15.

QUEIROZ, Gregório Pereira de. Clínica é uma sala ou é um gesto? Ou: Amusicalidade na formação dos alunos em Musicoterapia. X Fórum Estadual de Musicoterapia do Rio de Janeiro, 26 junho 2004.

__________________________. A Musicalidade das diferenças: como desenvolver a musicalidade individual. Biblioteca Brasileira de Musicoterapia. S/D. Disponível em: Acesso em: 30/11/14

RAVELLI, A. P. X.; MOTTA, M. D. G. C. D. O lúdico e o desenvolvimento infantil: um enfoque na música e no cuidado de enfermagem. Rev. bras. enferm, Brasília, 58, n. n. 5, set./out. 2005. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reben/v58n5/a21v58n5.pdf>. Acesso em: 07/03/15.

SACKS, O. Alucinações musicais: relatos sobre a música e o cérebro. Tradução de Laura Teixeira Motta. [S.l.]: Companhia das Letras, 2007. Cap. 2.

SCHAFER, R. M. O ouvido pensante. Tradução de Marisa Trench de O. Fonterrada; Magda R. Gomes da Silva e Maria Lúcia Pascoal. São Paulo: Fundação Editora da UNESP, 1991.

SCHAFER, R. M. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a paisagem sonora. Tradução de Marisa Trench de O. Fonterrada. São Paulo: UNESP, 2001.

TEIXEIRA, Levi Trindade. Referenciais para o ensino de violão na Formação do musicoterapeuta. Orientador: Prof. Dr. Werner Aguiar. Goiânia, 2010. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal de Goiás.

VALENTIN, Fernanda. Musicoterapia como campo do representacional: educadores sociais e a produção de corpos sonoros e subjetividades. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Música Stricto Sensu da Escola de Música e Artes Cênicas da Universidade Federal de Goiás, para obtenção do título de Mestre em Música. Área de Concentração: Música na Contemporaneidade. Linha de pesquisa: Educação Musical e Musicoterapia. Orientadora: Profª Drª Leomara Craveiro de Sá. Co-Orientadoras: Profª Drª Liliana Lemus e Profª Drª Magda de Miranda Clímaco. GOIÂNIA, 2010.

ZANINI, Claudia R. de Oliveira. A movimentação de grupos em musicoterapia: vivenciando musicalmente papéis grupais. Anais ANPPOM, Brasília, 2006. Disponível em:. Acesso em: 24/09/2012.

________________________. O efeito da musicoterapia na qualidade de vida e na pressão arterial do paciente hipertenso [manuscrito] / Claudia Regina de Oliveira Zanini. – 2009. xii, 134 f: il., figs Orientador: Prof. Dr. Paulo César Brandão Veiga Jardim. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Goiás. Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação. Programa de Pós-Graduação em Ciências da Saúde, 2009. Disponível em: < http://biblioteca-da-musicoterapia.com/biblioteca/arquivos/tese/Claudia%20Zanini.pdf>. Acesso em:12/02/16.

ZANINI, Claudia Regina de Oliveira, MUNARI, Denize Bouttelet e COSTA, Cristiane Oliveira. Protocolo para observação de grupos em musicoterapia – um instrumento em construção. In: XVII Congresso da ANPPOM, 2007, São Paulo. Anais on line. Disponível em: < http://antigo.anppom.com.br/anais/anais congresso_anppom_2007/musicoterapia/music oterap_CROZanini_et_alli.pdf>. Acesso em: 18/07/2014


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Governo do Estado do Paraná
Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
InCantare: R. Pesq. Musicoterapia, Curitiba, Faculdade de Artes do Paraná, ISSN 2317-417X