“O corpo é uma memória"

marcas no corpo como performance ritualística em Febrônio Índio do Brasil (1895-1984)

Autores

  • Paulo Biscaia Filho UNESPAR CURITIBA II

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2024.30.1.8759

Palavras-chave:

Tatuagem, Expressão Cultural, Identidade,

Resumo

Este artigo explora o significado e a importância da tatuagem como forma de expressão cultural e espiritual, com base no estudo de Febrônio Índio do Brasil, um criminoso que marcou seu corpo e o de suas vítimas. Ao analisar a relação entre tatuagens, cultura e identidade, examinamos como as marcas corporais se tornaram parte de um ritual religioso e performático, com elementos dramáticos, criado por Febrônio. O artigo se constrói a partir de registros históricos da prática de tatuagem em culturas diversas, demonstrando que a marca deliberada no corpo tem sido usada como meio de expressão artística e religiosa ao longo dos tempos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Biscaia Filho, UNESPAR CURITIBA II

Paulo Biscaia Filho é Mestre em Artes pela Royal Holloway University of London e Doutorando em História pela UFPR. Professor na UNESPAR Campus Curitiba II. Diretor de cinema e teatro pela produtora Vigor Mortis. Vencedor de dezenas de prêmios internacionais por seus longas Nervo Craniano Zero(2012), Morgue Story (2009) e Virgin Cheerleaders in Chains(2018). Autor do livro ‘Palcos de Sangue’ e co-autor nos dois volumes da ‘Vigor Mortis Comics’. 

Referências

BACELAR, Tiago. Febrônio Índio do Brasil e a construção do medo com o uso da Medida de Segurança. Recife: Edição do Kindle, 2021. p. 38.

BASTOS, Glaucia Soares. Como se Escreve Febrônio. Curso de Letras, Departamento de Teoria Literária, Universidade Estadual de Campinas: Campinas, 1994. 176 fls. Dissertação de mestrado.

CAMARA CASCUDO, Luís da. Civilização e Cultura. São Paulo: Editora Global, 2004.

CENDRARS, Blaise. Febrônio Índio do Brasil. In: CENDRAS, Blaise. Etc., etc. (Um livro 100% brasileiro). São Paulo: Perspectiva, 1976.

CLASTRES, Pierre. Da Tortura nas Sociedades Primitivas. In: A sociedade contra o Estado. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1990.

DARWIN, Charles. A origem do homem e a seleção sexual; tradução de Attilio Cancian e Eduardo Nunes Fonseca. São Paulo: HEMUS, 1974.

RIO, João do. A alma encantadora das ruas. Rio de Janeiro: Secretaria Municipal de Cultura, 1995.

FRAYZE-PEREIRA, João. Revista Brasileira de Psicanálise. Volume 50, n.2, p. 78-93, 2016.

FRANÇA, Leandro Ayres; NETO, Alfredo Steffen; ARTUSO, Alysson Ramos. As Marcas do Cárcere. Curitiba: iEA Sociedade, 2016.

FRY, Peter. Febrônio Índio do Brasil: onde cruzam a psiquiatria, a profecia, a homossexualidade e a lei. In: EULÁLIO, Alexandre et al. Caminhos cruzados: linguagem, antropologia e ciências naturais. São Paulo: Brasiliense, 1982. p. 65-80.

GODOI, Edileide. A tatuagem na (des)ordem do discurso religioso. In: Análises em (dis)curso: perspectivas, leituras, diálogos. São Carlos: Pedro & João Editores, 2019.

HOPE ROBBINS, Rossell. The Encyclopedia Of Witchcraft & Demonology. Girard & Stewart, 2015. Disponível em: https://books.apple.com/br/book/the-encyclopedia-of-witchcraft-demonology/id1616675378 . Acesso em 8 de novembro de 2023.

JEHA, Silvana. Genealogias dos corpos tatuados no Brasil. Disponível em: https://www.coletiva.org/dossie-corpo-n26-artigo-genealogias-dos-corpos-tatuados-no-brasil. Acesso em 9 de outubro de 2023.

LACASSAGNE, A. Les Tatouages. Paris: Librarie J.B. Baillièpe et Fils. 1881.

LISE, Michelle Larissa Zini; GAUER, Gabriel José Chittó; CATALDO NETO, Alfredo. Tatuagem: Aspectos Históricos e Hipóteses Sobre a Origem do Estigma. In: Brazilian Journal of Forensic Sciences, Medical Law and Bioethics 2 (3): 294-316, 2013.

LOMBROSO, Cesare. O homem delinqüente. São Paulo: Ícone, 2007.

MALAGUTI BATISTA, Vera. O medo na cidade do Rio de Janeiro: dois tempos de uma história. Rio de Janeiro: Revan, 2003.

MARQUES, Toni. O Brasil Tatuado e outros mundos. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

PAREDES CV. A influência e o significado das tatuagens nos presos no interior das penitenciárias. Curso de Pós-Graduação da Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2003. 40 fls. Dissertação de especialização em Tratamento Penal e Gestão Prisional.

RANCIÈRE, Jacques. Aisthesis. São Paulo: Editora 34, 2021.

SAD, Breno Bitarello. A tatuagem como processo. São Paulo: Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2016. Tese de doutorado em Educação, Arte e História da cultura.

SCALLAN, Marilyn. Ancient ink: Iceman Otzi has the world's oldest tattoos. Smithsonian, 2015. Disponível em: https://www.si.edu/stories/ancient-ink-iceman-otzi-has-worlds-oldest-tattoos. Acesso em 12 de setembro de 2023.

XAVIER, Valêncio. Crimes à moda antiga. São Paulo: Ed. Publifolha, 2004.

REFERÊNCIA AUDIOVISUAL

O PRÍNCIPE do Fogo. Direção de Silvio Da-Rin. [S.I.]: Lumiar Produções Audiovisuais e Embrafilme, 1984. (14 min.), Vídeo digital. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KbrSJ3ZQO8A&t=155s . Acesso em: 30 jul. 2020.

PERIÓDICOS

JORNAL DO BRASIL, 29 de maio de 1983 - Interno 000001, móveis e utensílios. p. 6.

DISFARÇADO de homem sério. A Noite. Rio de Janeiro, p.1. 19 jan. 1922.

UM CRIME hediondo. A noite, p. 4. 17 ago 1927.

AS INVESTIGAÇÕES da polícia carioca em torno de um crime monstruoso. A noite, p. 3. 19 ago 1927.

O HEDIONDO crime da ilha do Ribeiro. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, p.3. 2 set. 1927.

OS ATOS hediondos de um degenerado. A Rua. p.4. 2 set 1927.

O CRIME da ilha do ribeiro. Gazeta de notícias, p.4. 2 set 1927.

FEBRÔNIO, o scelerado. A Rua, p. 1. 6 set 1927.

Downloads

Publicado

2024-07-01

Como Citar

REGO BARROS BISCAIA FILHO, Paulo Roberto. “O corpo é uma memória": marcas no corpo como performance ritualística em Febrônio Índio do Brasil (1895-1984). Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 30, n. 1, p. 46–69, 2024. DOI: 10.33871/19805071.2024.30.1.8759. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/revistacientifica/article/view/8759. Acesso em: 12 jul. 2024.