Os discursos do Fado: da subalternidade à elitização

Autores

  • Alexandre Ferreira Universidade do Minho, CECS

Palavras-chave:

Fado, Discursos, Unesco, Cultura, Música,

Resumo

Este artigo reflete sobre os discursos a que o Fado esteve exposto em contextos históricos especí­ficos. Focar-nos-emos na sua variabilidade, ora associado à música subalterna, popular ou de elite, descortinando a instabilidade do significado e as estruturas que nos permitem entender a cultura num sentido mais amplo. Para tal, explorar-se-á a origem do Fado até ao seu estatuto de "canção nacional" . De seguida, discutir-se-á a classificação do Fado como património imaterial da humanidade, pela UNESCO, encarando-a como instituição produtora de discursos. O artigo sugere que os discursos em torno do Fado influenciam a sua valoração social e que a UNESCO, pela delimitação de critérios sobre o que deve ser considerado património da humanidade, transmite uma ideia de universalidade a algo que é subjetivo e posicional

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandre Ferreira, Universidade do Minho, CECS

Alexandre Ferreira doutorou-se em Estudos Culturais, na especialidade de Sociologia da Cultura, na Universidade do Minho e Aveiro. É investigador do Centro de Estudos de Comunicação e Sociedade (CECS) da Universidade do Minho. Atualmente leciona no Departamento de Português da Tianjin Foreign Studies University, China. ORCID: https://orcid.org/0000-0001-7811-4284

Referências

BARKER, Chris. The SAGE Dictionary of Cultural Studies. London. Sage Publications, 2004.

FONSECA, Ricardo X. Oppositional Discourses on Fado Music: a Love-Hate Relationship. In: SANTOS, Maria do Rosário Girão; LESSA, Elisa Maria (Org.). Música, discurso, poder. Braga: Húmus, 2012, p. 173–184.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Loyola, 1971.

FOUCAULT, Michel. Em Defesa da Sociedade, Curso no Collège de France (1975-1976). 4. ed. São Paulo. Martins Fontes, 2005.

FRITH, Simon. Why music matters. Critical Quarterly, v. 50, n. 1–2, p. 165–179, 2008. Disponí­vel em: <http://dx.doi.org/10.1111/j.1467-8705.2008.00811.x>.

GALLOP, Rodney. The fado: (the portuguese song of fate). Musical Quarterly, v. 19, n. 2, p. 199–213, 1933. Disponí­vel em: <http://dx.doi.org/10.1093/mq/XIX.2.199>.

GRAY, Lila Ellen. Fado"™s City. Anthropology and Humanism, v. 36, n. 2, p. 141–163, 2011. Disponí­vel em: <http://dx.doi.org/10.1111/j.1548-1409.2011.01089.x>.

HALL, Stuart. Cultural Studies: Two paradigms. In: STOREY, John (Org.). What is cultural studies? A reader. Nova Iorque: Arnold, 1996, p. 31–48.

HALL, Stuart. Notas sobre a desconstrução do "popular". In: SOVIK, Liv; (Org). Da diáspora identidades e mediações culturais. Trad. RESENDE, Adelaine La Guardia; ESCOSTEGUY, Ana Carolina; ALVARES, Claudia; et al. Belo Horizonte: UFMG, 2003, p. 247-264

HANSLICK, Eduard. Do belo musical. Lisboa: Edições 70, 2015.

KOZA, Julia Eklund. Aesthetic Music Education Revisited: Discourses of Exclusion and Oppression. Philosophy of Music Education Review, v. 2, n. 2, p. 75–91, 1994.

LYOTARD, Jean-François. A Condição Pós-Moderna. Lisboa: Gradiva, 1989.

MAFFESOLI, Michel. O Tempo das Tribos: o declí­nio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1998.

MONTEIRO, Tiago José Lemos. "Tudo isto (ainda?) é fado" ou a tradição já não é mais o que era: reconfigurações de um gênero musical entre a raiz e o pop. Revista Brasileira de Estudos da Canção, v. 3, p. 145-162, 2011.

NERY, Rui Vieira. Para uma História do Fado. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Autores e Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 2012.

NIELSEN, Bjarke. UNESCO and the "right" kind of culture: Bureaucratic production and articulation. Critique of Anthropology, v. 31, n. 4, p. 273–292, 2011.

PINTO DE CARVALHO. História do Fado. 5 ed. Lisboa: Dom Quixote, 1903.

SUCENA, Eduardo. Lisboa, o Fado e os Fadistas. 2. ed. Lisboa: Vega e Autor, 2002.

UNESCO. Basic Texts of the 2003 Convention for the Safeguarding of the Intangible Cultural Heritage. Paris: [s.n.], 2018.

UNESCO. Decision of the Intergovernmental Committee: 6.COM 13.39. v. 2017, 2011. Disponí­vel em: <https://ich.unesco.org/en/decisions/6.COM/13.39>.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e materialismo. São Paulo: Editora da UNESP, 2011.

WILLIAMS, Raymond. Cultura y sociedad - 1780-1950 De Coleridge a Orwell. Buenos Aires: Ediciones Nueva Vision, 2001.

Downloads

Publicado

15.05.2021

Como Citar

Ferreira, A. (2021). Os discursos do Fado: da subalternidade à elitização. Revista Vórtex, 9(1). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/4184

Edição

Seção

Artigos