Música instrumental, tópicas e identidade cultural: um olhar sobre as produções de Milton Nascimento, Wagner Tiso e Nivaldo Ornelas no cenário da música mineira dos anos 70

Autores

  • Daniel Lovisi Universidade Federal de Uberlândia

Resumo

Nos anos 70, Wagner Tiso e Nivaldo Ornelas começaram a se projetar na cena da música instrumental brasileira como compositores e instrumentistas. Neste artigo, analiso a primeira fase de suas carreiras procurando, inicialmente, relacionar seus trabalhos à trajetória de Milton Nascimento, cujos sucesso e prestí­gio alcançados na MPB se refletiram nas carreiras dos músicos citados. A partir do marco teórico das tópicas musicais – utilizado em estudos de música popular por autores como Acácio Piedade – procuramos demonstrar como algumas das produções desses artistas evocaram elementos formadores da identidade cultural mineira, contribuindo para forjar a imagem de músicos vinculados à Minas Gerais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Lovisi, Universidade Federal de Uberlândia

Professor da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) desde 2017. Doutor em Música pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG (Música e Cultura) e Mestre em Música pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - Unirio (Musicologia). Bacharel em Música (Violão) pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Dedica-se í  pesquisa em música popular e, paralelamente, ao trabalho como violonista, guitarrista, compositor e arranjador. Em 2016 lançou o álbum Nascer das Águas, com o duo de música instrumental Dois Nós. Tem participação em outros sete álbuns de artistas mineiros, gravados entre 2011 e 2018. E-mail: daniel.lovisi@hotmail.com. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-0330-1218

Referências

AGAWU, V. Kofi. Playing with signs: a semiotic interpretation of classic music. Princeton: Princeton University Press, 1991.

ANGELO, Nelson (Compositor). NASCIMENTO, Milton (Intérprete, Canto). Fazenda. Rio de Janeiro: EMI-Odeon, 1976. Long Play.

ARRUDA, Maria Arminda do Nascimento. Mitologia da Mineiridade: o imaginário mineiro na vida polí­tica e cultural do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.

BORGES, Márcio. Os sonhos não envelhecem: histórias do Clube da Esquina. 8ª ed. São Paulo: Geração Editorial, 2013.

BRANT, Fernando; MOURA, Tavinho (Compositor). NASCIMENTO, Milton (Intérprete, Canto). Paixão e Fé. Rio de Janeiro: EMI-Odeon, 1978. Long Play.

BRANT, Fernando; NASCIMENTO, Milton (Compositores). NASCIMENTO, Milton (Intérprete, Canto). Notí­cias do Brasil. S.l.: Ariola, 1981. Long Play.

CIRINO, Giovanni. Narrativas musicais: performance e experiência na música popular instrumental brasileira. 2005. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. doi:10.11606/D.8.2005.tde-08082006-164103. Acesso em: 2019-11-16.

COELHO, Rafael Senra. Dois lados da mesma viagem: a mineiridade e o Clube da Esquina. 2010. 114 f. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Federal de São João del-Rei, São João del-Rei, 2010.

DIAS, Marcia Tosta. Os donos da voz: indústria fonográfica brasileira e mundialização da cultura. São Paulo: FAPESP, 2000.

DINIZ, Sheyla Castro. "Nuvem cigana": a trajetória do Clube da Esquina no campo da MPB. 2012. 249 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

FERREIRA, A. B. de H. DicionaÌrio da LiÌngua Portuguesa. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1988. p. 569

LUCAS, Glaura. O ritual dos ritmos no Congado mineiro dos Arturos e do Jatobá. In: Anais do XII Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. Salvador, 1999, p.1-9.

MULLER, Daniel Gustavo Mingotti. Música Instrumental e Indústria Fonográfica no Brasil. 2005. 193 f. Dissertação (Mestrado em Música). Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

NASCIMENTO, Milton (Compositor). NASCIMENTO, Milton (Intérprete, Canto). Morro velho. S.l.: Codil, 1967. Long Play.

NASCIMENTO, Milton; TISO, Wagner (Compositores). NASCIMENTO. Seis horas da tarde / Mineiro Pau. Rio de Janeiro: EMI-Odeon, 1978. Long Play.

OLIVEIRA, Rodrigo Francisco de. Mil tons de Minas - Milton Nascimento e o Clube da Esquina: cultura, resistência e mineiridade na música popular brasileira. 2006. 136 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de História, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2006.

ORNELAS, Cid; ORNELAS, Nivaldo (Compositores). As minas do morro velho. Rio de Janeiro: Phonogram, 1978. Long Play.

ORNELAS, Nivaldo; TISO, Wagner (Compositores). TISO. Igreja Majestosa. Rio de Janeiro: EMI-Odeon, 1978. Long Play.

PIEDADE, Acácio. A teoria das tópicas e a musicalidade brasileira: reflexões sobre a retoricidade na música. El oí­do pensante, v. 1, n. 1, p.1-23, 2013.

______. Jazz and Friction of Musicalities. In: ATKINS, E. Taylor (Ed.). Jazz planet: Transnational Studies of the "Sound of Surprise". University Press of Mississipi, 2003. p. 41-58.

______. Jazz, Música Brasileira e fricção de musicalidade. Opus: Revista da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Música. v.11, n.1, p. 197-207, 2005.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Identidade cultural, identidade nacional no Brasil. Tempo Social - Revista de Sociologia da USP, v.1, p.18-31, 1989.

ROSA, Carlos Ricardo. Música colonial em Minas Gerais: estudo das caracterí­sticas da estrutura musical em nove peças sacras. 1998. 271 f. Dissertação (Mestrado em Artes/Música) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1998.

Downloads

Publicado

01.12.2019

Como Citar

Lovisi, D. (2019). Música instrumental, tópicas e identidade cultural: um olhar sobre as produções de Milton Nascimento, Wagner Tiso e Nivaldo Ornelas no cenário da música mineira dos anos 70. Revista Vórtex, 7(3). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/3201

Edição

Seção

Artigos