Do tempo medido ao tempo sentido: a rí­tmica de Gramani em uma perspectiva africanista

Autores

  • Bianca Ribeiro Universidade de São Paulo, Universidade do Estado de Santa Catarina | Brasil
  • Luiz Henrique Fiaminghi Universidade de São Paulo, Universidade do Estado de Santa Catarina | Brasil

Resumo

Este trabalho apresenta parte da pesquisa de análise em torno dos estudos rí­tmicos de José Eduardo Gramani apresentados em Rí­tmica (1988) e Rí­tmica Viva (1996). Nossa hipótese é a de que o uso de ostinatos em seus Sambas se assemelha ao uso das timelines na música africana, explorando princí­pios da rí­tmica aditiva que geram motivos assimétricos e dialogam com os padrões polirrí­tmicos da Costa Oeste da África. Tal abordagem desses estudos dentro das perspectivas abertas pela musicologia africana nos permite traçar desdobramentos ligados à performance e à criação musical, estimulando a dissociação de movimentos, percepção e experimentação do fenômeno rí­tmico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bianca Ribeiro, Universidade de São Paulo, Universidade do Estado de Santa Catarina | Brasil

Doutoranda em Teoria e Análise pela Universidade de São Paulo USP (2017), Mestre em Música (2016) e Bacharel em Piano pela Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC (2015). Atua nas áreas: piano, rí­tmica, percepção e teoria. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-5688-0807. E-mail: biancaribeiro15@yahoo.com.br

Luiz Henrique Fiaminghi, Universidade de São Paulo, Universidade do Estado de Santa Catarina | Brasil

Professor doutor na Universidade Estadual de Santa Catarina, UDESC, Florianópolis. Estudou violino com Paulo Bosí­sio e Ayrton Pinto (UNESP/SP). É bacharel em composição e regência pela UNICAMP/SP. Foi violinista da Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas. Em 1987, obteve bolsa de especialização do CNPq para estudar violino barroco e interpretação de música barroca na Holanda, tendo estudado no Conservatório de Rotterdam (com Marie Leonhardt) e no Conservatório de Utrecht (com Alda Stuurop), permanecendo no paí­s até 1992. Atuou em diversas orquestras barrocas, dentre elas a Orquestra Barroca da Comunidade Europeia. Realizou especialização em "Cultura Barroca", pela UFOP, MG, recebendo orientação do Prof. Dr. João Adolfo Hansen (USP) em sua dissertação Violino e Retórica na Escola de Violino de Francesco Geminiani. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-3277-5738. E-mail: lhfiaminghi@yahoo.com.br

Referências

AGAWU, Kofi. Structural Analysis or Cultural Analysis? Competing Perspectives on the "Standard Pattern" of West African Rhythm . Journal of the American Musicological Society, 59 (1): 1-46. 2006.

__________ . Representing african music: postcolonial, queries, positions. New York: Routledge, 2003.

__________. African Polyphony & Polyrhythm: musical structure and methodology. United Kingdom: Cambrige University Press, 1991.

AROM, Simha. African Polyphony & Polyrhythm: musical structure and methodology trad. do francês por: Martin Thom, Barbara Tuckett e Raymond Boyd. Cambridge: Cambrige University Press, p. 668, 2004.

__________. Time structure in the music of central africa: periodicity, meter, rhythm and polythythmics. Leonardo, 22 (1): 91-99, 1989

COELHO, Marcelo Pereira. Suí­te Juca Pirama: criação de um sistema composicional a partir da adequação da polirritmia de José Eduardo Gramani ao jazz modal de Ron Miller. 2008. Tese (Doutorado em Música) – UNICAMP, Programa de Pós-Graduação em Música, Campinas, 2008.

COHEN, Sara. A hemiólia no estudo para piano nº2, Cordes í Vide de György Ligeti. In: Cadernos do Colóquio (UNIRIO), v.1, p. 118-137, Rio de Janeiro, 2007.

GANDELMAN, Salomea e COHEN, Sara. Cartilha rí­tmica para piano de Almeida Prado. Rio de Janeiro: [s.n.]. 2006.

GRAMANI, José Eduardo. Rí­tmica. São Paulo: Perspectiva, 1988.

_________. Rí­tmica Viva: a consciência musical do ritmo. Campinas: Editora da UNICAMP, 1996.

HOULE, George. Meter in music, 1600-1800. Early Music, v.16, n 3, p. 423-427. Oxford University Press, 1987.

JONES, Andrew M. Studies in African Music. Los Angeles: Oxford University Press, 1959.

KOSTKA, Stefan. Materials and techniques of twentieth century-music. New Jersey: Upper Saddle, 2006.

_________. Materials and techniques of post-tonal music. Boston: Pearson, 2012.

KUBIK, Gerard. Angolan traits in black music, games and dances os brazil: a study of African cultural extensions overseas. Lisboa: Junta de investigações cientí­ficas do ultramar, 1979.

LACERDA, Marcos Branda. Música instrumental no Benim: repertório fon e música batá. São Paulo: Edusp, 2014.

__________, Transformação dos processos rí­tmicos de offbeat timing e cross rhythm em dois gêneros musicais do Brasil. Opus, Porto Alegre, 11 (11): 124-136, 2005.

LERDAHL, Fred; JACKENDOFF, Ray. A Generative Theory of Tonal Music. Cambridge: The Massachusetts Institute of Technology, 1983.

LOCKE, David. Principles of offbeat timing and cross-rhythm in southern dance drumming. Ethnomusicology, Illinois, v.26, n2, p. 217-246, 1982.

LIVRAMENTO, Natalia. O violão no samba: um estudo etnográfico em Florianópolis. Dissertação de mestrado, Universidade do estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, 2017.

MOREIRA, Adriana. Olivier Messiaen: inter-relação entre conjuntos, textura, rí­tmica e movimento em peças para piano. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2008.

OLIVEIRA PINTO, Tiago. As cores do som: estruturas sonoras e concepção estética na música afro-brasileira. In ífrica: Revista do Centro de Estudos Africanos. USP. São Paulo, 1999-2001.

RODRIGUES, Indioney. O gesto pensante: a proposta de educação rí­tmica polimétrica de José Eduardo Gramani. São Paulo, 2001. Dissertação (mestrado) – Escola de Comunicação e Artes da Universidade Estadual de São Paulo, Departamento de Música, 2001.

TEIXEIRA, Marcello da S. Oscar Bolão – ensino da percussão e bateria brasileira e seus pontos de contato com a vida acadêmica. Monografia (curso de licenciatura em música), Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, 2006.

TITON, Jeff Todd (Org.) Worlds of music: an introduction to the music of the world"™s peoples. 4ª ed. Belmont: Schirmer, 2002.

Downloads

Publicado

31.08.2019

Como Citar

Ribeiro, B., & Fiaminghi, L. H. (2019). Do tempo medido ao tempo sentido: a rí­tmica de Gramani em uma perspectiva africanista. Revista Vórtex, 7(2). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/2880

Edição

Seção

Artigos