Formas narrativas no Plunderphonics – Uma reflexão a partir de noções do teatro épico brechtiano

Autores

  • Rafael Diniz Paulino Universidade Federal da Paraí­ba

Resumo

Este texto apresenta um estudo comparativo entre três álbuns do compositor canadense John Oswald ─ Plunderphonic (1989), Plexure (1993) e Grayfolded (1994-95) ─ com base em sua ideia de plunderphonics. Utilizando como mote noções do teatro épico brechtiano, além das concepções de formas narrativas em geral, busca-se mostrar como os plunderfones são concebidos em cada álbum. Por fim, é feita uma reflexão sobre a relação familiaridade e transformação no plunderphonics paralelamente à de forma e conteúdo no teatro épico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Diniz Paulino, Universidade Federal da Paraí­ba

Rafael Diniz possui graduação (bacharelado) e mestrado em composição pela Universidade Federal da Paraí­ba (2017). Em seu mestrado (2015-17), pesquisou questões relacionadas ao ruí­do e í  colagem musical, privilegiando práticas ligadas aonoise,ao plunderphonics e í  rádio-arte. Entre 2014 e 2017 atuou como compositor e performer no projeto de música experimentalArtesanato Furioso, trabalhando suas propostas com o duo club Silencio e o trio Whypatterns. Atualmente tem se dedicado mais fortemente í s estéticas audiovisuais, como a visual music, o live-cinema etc., aprofundando seus estudos em linguagens de programação nas quais combinam sí­ntese de imagem e som em tempo real. Site: www.rafadiniz.com. E-mail: rafa.diniz.paulino@gmail.com

Referências

ADORNO, T. W. Teoria Estética. Lisboa: Edições 70, 1982.

ARISTÓTELES. Poética. [s.l.] Ars Poetica Editora, 1981.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e polí­tica. Ensaios sobre literatura e história da cultura. 3. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987.

CASCONE, K. The Aesthetics of Failure: "Post-Digital" Tendencies in Contemporary Computer Music. Computer Music Journal, v. 24, n. 4, p. 12–18, 2000.

COSTA, V. F. Morfologia da Obra Aberta. Curitiba: Prismas, 2016.

CUTLER, C. File Under Popular: Theoretical and Critical Writings on Music. [s.l.] Autonomedia, 1993.

DELEUZE, G. Diferença e Repetição. Rio de Janeiro: Graal, 2006.

IAZZETTA, F. Música e Mediação Tecnológica. São Paulo: Perspectiva, 2009.

OSWALD, J. Plunderstanding Ecophonomics: Strategies for the Transformation of Existing Music - An Interview by Norm Igma with John Oswald. In: Zorn, J. (Ed.) Arcana: Musicians on Music. New York: Granary Books, 2000. p. 9–17.

OSWALD, J. p l u n d e r p h o n i c s. Disponí­vel em: <http://www.plunderphonics.com/>. Acesso em: 8 out. 2014.

OSWALD, J.; GRATEFUL DEAD. Grayfolded. Toronto: Swell/Artifacts, 1996.

OSWALD, J.; IGMA, N. Plunderphonics - interviews. Disponí­vel em: <http://www.plunderphonics.com/xhtml/xinterviews.html>. Acesso em: 9 set. 2015.

PLATíO. A República. Belém: Editora da Universidade do Pará, 2000.

ROSENFELD, A. Brecht e o teatro épico. São Paulo: Perspectiva, 2012.

SCHAEFFER, P. Solfejo do Objeto Sonoro. Paris: INA - GRM - Groupe de recherches musicale. Tradução, notas e comentários de António de Sousa Dias, 2007.

SILVA, L. C. Vidro e Martelo: contradições na estetização do ruí­do na música. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2012.

SILVEIRA, H. I. J. Colagem Musical na Música Eletrônica Experimental. São Paulo: USP, 2012.

STOCKHAUSEN, K.; MACOINE, R. Stockhausen sobre a Música: Palestras e entrevistas compiladas por Robin Maconie. [s.l.] Madras, 2009.

Downloads

Publicado

01.09.2018

Como Citar

Paulino, R. D. (2018). Formas narrativas no Plunderphonics – Uma reflexão a partir de noções do teatro épico brechtiano. Revista Vórtex, 6(2). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/2607

Edição

Seção

Artigos