Hipermobilidade Articular em Instrumentistas: Medidas Preventivas e Tratamentos

Autores

  • Regiane Alves Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Ana Cristina Santos Ferreira Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande
  • Durval Cesetti Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

Dentre os diversos fatores que predispõem um instrumentista a lesões, desconfortos e dores, está a Hipermobilidade Articular e/ou Sí­ndrome de Hipermobilidade Articular. Este artigo visa abordar questões gerais sobre hipermobilidade, baseando-se em pesquisas já realizadas, a exemplo de Larsson et al. (1993), que analisaram 660 músicos, destacando os benefí­cios e desvantagens da hipermobilidade em instrumentistas. É de grande importância para o instrumentista hipermóvel o desenvolvimento da consciência corporal em conjunto com um acompanhamento por um profissional fisioterapeuta para a formulação de exercí­cios que desenvolvam a propriocepção, o fortalecimento muscular das estruturas envolvidas e atuem na prevenção ou recuperação de lesões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Regiane Alves, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestranda em Música (Linha de pesquisa 2 – Processos e dimensões da produção artí­stica) pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte sob a orientação do prof. Dr. Durval Cesetti e coorientação da prof. Dra Luciana Noda, Regiane Alves é pianista bacharela em música pela Universidade Federal de Campina Grande (2014). E-mail: ane_ap@hotmail.com

Ana Cristina Santos Ferreira, Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande

Ana Cristina Santos Ferreira é bacharela em Fisioterapia pela Faculdade de Ciências Médicas de Campina Grande (2016), onde recebeu o prêmio de melhor desempenho acadêmico em sua turma. E-mail: acsffisio@gmail.com

Durval Cesetti, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

"Um pianista de rara musicalidade" (La Presse, Montreal), Durval Cesetti é professor da Escola de Música da UFRN. Completou o seu doutorado na McGill University, instituição na qual também foi "Visiting Fellow", com bolsa pós-doutoral da CAPES. Seus artigos foram publicados em periódicos como o The Musical Times e Latin American Music Review, entre outros. E-mail: durval.cesetti@gmail.com

Referências

ARAÚJO, Claudio Gil Soares de. Flexiteste: um método completo para avaliar a flexibilidade. Barueri, SP: Manole, 2005.

ALMEIDA, T. T.; JABUR, N. M.; Mitos e verdades sobre flexibilidade: reflexões sobre o treinamento de flexibilidade na saúde dos seres humanos. Motricidade 3(1): 337-344, 2007.

ALONSO, Angelica Castilho, et al. O efeito do uso da bandagem funcional no tratamento da dor lombar em costureiras, estudo piloto. Revista CPAQV-Centro de pesquisas Avançadas em qualidade de vida v.7, n.1, 2015.

BEIGHTON, Peter; GRAHAME, Rodney; BIRD, Howard. Hypermobility of Joints. Fourth Edition. New York: Springer, 2012.

ALVES. Carolina Valverde, Padrões fí­sicos inadequados na perfomance musical de estudantes de violino. Revista Acadêmica de Música, Per Musi, Belo Horizonte, n.26, 2012, p. 128-139.

BIRD, Howard; KNIGHT, Isobel. Joint Hypermobility in Musicians. Infosheet #8. West Music School, 2012.

BLEY, A. S.; NARDI, P. S.; MARCHETTI, P. H. Alongamento passivo agudo não afeta a atividade muscular máxima dos í­squiotibiais. Motricidade. v. 8, n. 4, p. 80-86, 2012.

BUTLER, Katherine. Hypermobility, Fibromyalgia and Chronic Pain. In. HAKIN, Alen J.; KEER, Rosemary; GRAHAME, Rodney. Regional complications in joint hypermobility syndrome. EUA: Elsevier Health Sciences, 2010. Capí­tulo 12, p. 207-216.

DUTTON, Mark. Fisioterapia Ortopédica: Exame, Avaliação e Intervenção. 2º ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2010.

ENOKA, Roger M. Bases neuromecânicas da cinesiologia.Tradução Antonia Dalla Pria Bankoff, Daniela Dias Barros e Sônia Cavalcanti Corrêa. São Paulo: Manole, 2000.

FRANK, Annemarie; MÜHLEN, Carlos Alberto von. Queixas Musculoesqueléticas em Músicos: Prevalência e Fatores de Risco. Artigo de Revisão. Rev Bras Reumatol, Vol. 47, n.3, p. 188-196, 2007.

GUYTON, Arthur C. Fisiologia humana. Tradução Charles Alfred Esberard. ed. 11, Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

HOPPMANN, R.A.; REID, R.R. Musculoskeletal problems of performing artists. Curr Opin Rheumatol. Vol. 7 n. 02, p. 147-150, 1995.

KAPLAN, José Alberto. Teoria da Aprendizagem pianí­stica. 2ed. Porto Alegre: Movimento-Musas, 1987.

KEAN, Sam. O Polegar do Violinista e outras histórias da genética sobre amor, guerra e genialidade. Tradução: Claudio Carina. Brasil: Jorge Zahar, 2013.

KEMP, S. et al. A randomized comparative trial of generalized vs. targeted physiotherapy in the management of childhood hypermobility. Rheumatology, v.49, n. 2, p. 315-25, 2010.

LARSSON, L-G, BAUM, J.; MUDHOLKAR, GS.; KOLLIA, G.D.. Benefits and disadvantages of joint hypermobility among musicians. The New England Journal of Medicine: Vol. 329, n. 15, p. 1079-1082, 1993.

LIMA, Natamia Angeoles; DUARTE, Vanderlane de Souza, BORGES, Grasiely Faccin, Crioterapia: Método e Aplicações em Pesquisas Brasileiras uma revisão sistemática. Revista Saúde e Pesquisa, v. 8, n. 2, p. 335-343, maio/ago. 2015.

MAIA, Francisco Eudison da Silva, et al. Perspectivas Terapêuticas da Fisioterapia em relação í dor lombar. Rev. Fac. Ciênc. Méd. Sorocaba, v. 17, n. 4, p. 179 - 184, 2015.

MARTINS, Naiara Cristina; WENKEL, Rodney; CECAL, Fernanda, Efeitos da aplicação da bandagem elástica em sedentários com alteração postural, hipermobilidade lombar e hérnia de disco, Revista UNIANDRADE, v. 17, n. 3, 2016. p. 114-120.

PARRY, Christopher B. Wynn. Managing the physical demands of musical performance. In. WILLIAMON, Aaron. Musical Excellence: Strategies and Techniques to Enhance Performance. Londres: OUP Oxford, 2004. Capí­tulo 03, p. 41-60

POCINKI, A. G. Hipermobilidade articular. SED Brasil, 2010. Disponí­vel em: http://sedbrasil.wix.com/arquivosediano#%21hipermobilidade-articular/c1wyr Acesso em: 29 maio 2016.

POORE, G.V. Clinical lecture on certain conditions of hand and arm with the performance of professional acts, especially piano-playing. The British Medical Journal, p. 441-444, 1887.

RASCH, Philip J. Cinesiologia e anatomia aplicada.Tradução Marcio Moacyr de Vasconcelos. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1991, p. 204.

REVAK, Joan M. Incidence of Upper Extremity Discomfort Among Piano Students. The American journal of Occupational Therapy, Vol. 43, n. 3, p. 149-154, 1988.

RUBINI, Ercole C.; FARINATTI, Paulo T. V.; SILVA, Elirez B. Aplicação clí­nica do alongamento muscular: breve revisão. Rio de Janeiro: Revista HUPE, 12(4):13-17, 2013.

SOARES, A.S.O.C. Estabilidade articular: abordagem Biomecânica. São Paulo, 2015. 140 f. Tese (Doutorado em Ciências) – Escola de Educação Fí­sica e Esporte, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

TON KOOIMAN. Apoio para polegar: Flauta e Clarinete. Disponí­vel em: https://www.grilomusical.com.br/sopro/acessorios-para-sopro/apoio-de-polegar.html Acesso em: 25 março 2017.

Downloads

Publicado

01.06.2017

Como Citar

Alves, R., Ferreira, A. C. S., & Cesetti, D. (2017). Hipermobilidade Articular em Instrumentistas: Medidas Preventivas e Tratamentos. Revista Vórtex, 5(2). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/2144

Edição

Seção

Artigos