FORMAÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL DE INTÉRPRETES EDUCACIONAIS DE LIBRAS EM AULAS DE MATEMÁTICA

Autores

Resumo

A presença de alunos surdos nas salas de aula da educação básica vem colocando em destaque um profissional que era percebido apenas em grandes eventos, denominado, neste caso, de   tradutor-intérprete de Libras. A atuação em uma sala de aula, especificamente em aulas de matemática, implica em situações que diferem bastante daquelas até então vivenciadas por esses profissionais. Nesse texto, são apresentados resultados de uma pesquisa conduzida com duas intérpretes educacionais de Libras, com objetivo de analisar as interações em sala de aula entre alunos surdos, intérpretes e professores em aulas de matemática, com foco específico nas ações mediadoras dos intérpretes e em seus percursos formativos Inspirando-se na metodologia de auto confrontação, as aulas foram filmadas, além de terem sido conduzidas entrevistas semiestruturadas com os intérpretes, para posterior categorização dos dados. Os resultados indicam a necessidade de que se repense a formação do intérprete e a definição de suas funções, que são distintas das do professor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTONIO, L. C. O.; MOTA, P. R.; KELMAN, C. A.. A formação do intérprete educacional e sua atuação em sala de aula. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 10, n. 3, p. 1032-1051, 2015.

BELLUGI, U.; O'GRADY, L.; LILLO-MARTIN, D. Enhancement of spatial cognition in Deaf Children. In V. Volterra & C. J. Erting (Eds.), From Gesture to language in hearing and deaf children, Washington, DC: Gallaudet University Press. 2002. p. 278-298.

BORGES, F., CYRINO; M. C. T.; NOGUEIRA, C. M. I. A formação do futuro professor de Matemática para a atuação com estudantes com deficiência: uma análise a partir de projetos pedagógicos de cursos. Boletim Gepem, n. 76, p. 134-155, 2020.

BORGES, F. A.; NOGUEIRA, C. M. I. O ensino e a aprendizagem de matemática para surdos inclusos: o que dizem os intérpretes de libras? Educação Matemática Em Revista v. 2, n. 17, p. 121-134, 2016.

BRASIL. Decreto nº 5626 de 22 de dezembro de 2005. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Disponível em: http://www.presidencia.gov.br/ccivil/ Acesso em: 13 de outubro de 2021.

CAETANO, J. F.; LACERDA, C. B. F. Libras no currículo de cursos de licenciatura: estudando o caso das Ciências Biológicas. In: HARRISON, K. M. P et al. Língua brasileira de sinais - Libras: uma introdução. São Carlos: UFSCar, p. 153-168, 2011.

COSTA, O. S.; LACERDA, C. B. F. A implementação da disciplina de Libras no contexto dos cursos de licenciatura. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 10, n. 1, p. 759-772, 2015.

COSTA, W. C. L.; SALES, E. R.; MASCARENHAS, R. C. S. O Ensino e Aprendizagem de Matemática para Surdos no Ensino Regular: o que dizem professores e alunos? Ipiranga Pesquisa: Ciências, Tecnologias & Humanidades, v. 2, p. 1-17, 2013. Disponível em https://ruake.files.wordpress.com/2016/04/o-ens-e-aprend-de-mat-a-surdos-no-ens-reg-costa-sales-e-mascarenhas.pdf. Acesso em 23 ago. 2016.

COUTINHO, M.D.M.C. Resolução de problemas por meio de esquemas por alunos surdos. Revista Horizontes, v. 29, n. 1, p. 41-51, 2011. Disponível em: http://webp.usf.edu.br/revistas/horizontes/V29-n1-2011/uploadAddress/revista_horizontes_vol29_num01_2011_artigo04[18958].pdf. Acesso em: 20 ago. 2016.

DORZIAT, A; ARAÚJO, J. R. O intérprete de língua de sinais no contexto da educação inclusiva: o pronunciado e o executado. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 18, n. 3, p. 391-410, 2012.

ERTING, C. J.; PREZIOSO, C.; O'GRAGY HYNES, M. The interactional context of deaf mother-infant communication. In: V. Volterra & C. J. Erting (Eds.), From Gesture to language in hearing and deaf children. Washington, DC: Gallaudet University Press. 2002. p. 97-106.

FÁVERO, M. H.; PIMENTA, M. L. Pensamento e linguagem: a língua de sinais na resolução de problemas. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 19, p. 60-71, 2006.

FIORENTINI, D.; LORENZATO, S. Investigação em Educação Matemática: percursos teóricos e metodológicos. Campinas: Autores Associados, 2009.

GESSER, A. Interpretar ensinando e ensinar interpretando: posições assumidas no ato interpretativo em contexto de inclusão para surdos. Cadernos de Tradução, v. 35, n. 2, p. 534-556, 2015.

KOTAKI, C. S.; LACERDA, C. B. F. O intérprete de Libras no contexto da escola inclusiva: focalizando sua atuação na segunda etapa do ensino fundamental. In: LACERDA, C. B. F.; SANTOS, L. F. (Org.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à Libras e educação de surdos. São Carlos: EdUfscar, 2013. p.201-218.

KRITZER, K. Family mediation of mathematically based concepts while engaged in a problem-solving activity with their young deaf children. The Journal of Deaf Studies and Deaf Education, v. 13, n. 4, p. 503-517, 2009.

LACERDA, C. B. F. de. Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos. Caderno do Centro de Estudos Educação e Sociedade, Campinas, v. 19, n. 46, Set. 1998. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-32621998000300007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 14 fev. 2018.

LACERDA, C. B. F. de. Intérprete de Libras em atuação na educação infantil e no Ensino Fundamental. 5.ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

LACERDA, C. B. F. Tradutores e intérpretes de Língua Brasileira de Sinais: formação e atuação nos espaços educacionais inclusivos. Cadernos de Educação, n. 36, 2010.

LACERDA, C. B. F. de. O que dizem/sentem alunos participantes de uma experiência de inclusão escolar com aluno surdo. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 13, p. 257-280, 2007

LACERDA, C. B. F. de; SANTOS, L. F.; CAETANO, J. F. Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. In: HARRISON, K. M. P. et al. Língua brasileira de sinais - Libras: uma introdução. São Carlos: UFSCar, p. 103-116. 2011.

MARSCHARK, M.; LANG, H. G.; ALBERTINI, J. A. Educating deaf students. Oxford: Oxford University Press, 2002.

MONFREDINI, I.; RAMOS, R. D. A intermediação cultural do intérprete de língua brasileira de sinais em sala de aula. Leopoldianum, v. 42, n. 116-8, p. 20, 2017.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Ciência & Educação, v. 9, n. 2, p. 191-211, 2003.

NOGUEIRA, C. M. I.; ANDRADE, D.; ZANQUETTA, M. E. M. T. As Medidas de Comprimento na Educação de Surdos. Educação Matemática em Revista, v. 3, n. 12, p.24-35, 2013.

PEREZ, D.; MESSIAS, C. O dispositivo metodológico e interventivo auto confrontação e seus usos em pesquisas de educação. Nuances: estudos sobre Educação, v. 24, n. 3, p. 81-100, 2014.

PINTO, G. M. F. O intérprete educacional de Libras nas aulas de matemática. Tese (Doutorado em Ensino e História da Matemática e da Física), Programa de Pós-Graduação em Ensino de Matemática, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa: programa nacional de apoio à educação de surdos. Brasília, MEC: 2004.

SACKS, O. Vendo vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. Editora Companhia das Letras, 2010.

SALES, E. R. A imagem no ambiente logo enquanto elemento facilitador da aprendizagem com crianças surdas. Monografia (Especialização em Informática Educativa), Centro de Ciências Humanas e Educação, Universidade da Amazônia, Belém, 2004.

SALES, E.R.; PENTEADO, M.G.; MOURA, A.Q. A Negociação de Sinais em Libras como Possibilidade de Ensino e de Aprendizagem de Geometria. Boletim de Educação Matemática, v. 29, n. 53, p. 27-43, 2015.

SANDER, R. Questões do intérprete da língua de sinais na universidade. Letramento e minorias. Porto Alegre: Mediação, v.6, p.129-135, 2002.

SILVA, C.M.; SILVA, D.N.H. Libras na educação de surdos: o que dizem os profissionais da escola?. Psicologia Escolar e Educacional, v. 20, n. 1, p. 13-32, 2016.

SILVA, K.X.S.; OLIVEIRA, I.M. O Trabalho do Intérprete de Libras na Escola: um estudo de caso. Educação & Realidade, v. 41, n. 3, p. 35-51, 2016.

SKLIAR, C. Um olhar sobre o nosso olhar acerca da surdez e das diferenças. In: SKLIAR, C. (Org). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre, RS: Mediação, p.5-32, 1998.

THARPE, A.; ASHMEAD, D.; ROTHPLETZ, A. Visual attention in children with normal hearing, children with hearing aids, and children with cochlear implants. Journal of speech, language, and hearing research, Rockville, v. 45, p. 403-413, apr. 2002.

VIGOTSKI, L. S. Obras escogidas V - Fundamentos da Defectologia. Trad. Julio Guillermo Blank.Madrid: Visor, 1964.

WOLBERS, K A.; DIMLING, L.M.; LAWSON, H.R., GOLOS, D.B. Parallel and divergent interpreting in an elementary school classroom. American annals of the deaf, v. 157, n. 1, p. 48-65, 2012.

Downloads

Publicado

06-06-2022

Como Citar

Pinto, G. M. da F., & Segadas-Vianna, C. C. de . (2022). FORMAÇÃO E ATUAÇÃO PROFISSIONAL DE INTÉRPRETES EDUCACIONAIS DE LIBRAS EM AULAS DE MATEMÁTICA. REVISTA PARANAENSE DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11(24), 110–133. Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/rpem/article/view/6731

Edição

Seção

Artigos Científicos