O artivismo materno na pandemia da COVID-19 no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2023.29.2.8124

Palavras-chave:

Artivismo, ativismo e arte, maternidade e maternagem, cuidado e democracia, pandemia da COVID-19

Resumo

O artigo trata do artivismo materno e é dividido em quatro partes. Na primeira parte, é definido o termo artivismo como uma produção estética construída coletivamente a partir de debates críticos e métodos criativos e que engajem o público (plateia e cidadãos) a se conscientizarem e a se mobilizarem de forma institucional ou não. Na segunda parte, a maternidade é marcada como categoria social própria, mas interseccional com questões referentes a gênero, classe, raça, geração, região, entre outras. Na terceira parte, é posicionado historicamente o surgimento do artivismo materno, ressaltando sua importância e inovação estética e política na construção da narrativa crítica em relação à maternidade, colocando o cuidado na agenda política. E na quarta e última parte, são apresentados alguns artivismos maternos durante a pandemia, período em que o cuidado se confirma e se intensifica como pauta indispensável à democracia. Conclui-se pela necessidade de se aproveitar essa conjuntura para compartilhar o cuidado e ampliar as possibilidades de vida digna para mães e crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaqueline Barbosa Pinto Silva, UnB

Jaqueline Barbosa Pinto Silva é doutoranda em Artes Cênicas, mestre em Ciência Política e graduada em Gestão de Políticas Públicas e em Direito, tudo pela Universidade de Brasília. Integra como pesquisadora/colaboradora o Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Maternidade, Parentalidade e Sociedade da UnB (GMATER/UnB), o Grupo de pesquisa sobre as relações entre Sociedade e Estado da UnB (RESOCIE/UnB), o Grupo de pesquisa Política e Afetos da Câmara dos Deputados e o Centro de Investigação em Arte-Pensamento & Políticas da Convivência – AND Lab (Lisboa/Brasília), e é representante da pós-graduação no Grupo de Trabalho de Mães, vinculado à Reitoria da UnB. Professora de dança da Técnica Klauss Vianna e produtora artística. Lattes: http://lattes.cnpq.br/9143808459793125 E-mail jaqueline.bps@gmail.com

Elisabeth Silva Lopes, USP, UnB

Pós-doutora em performance na Tisch School of the Arts, na New York University (2009-2010), e na Análise do discurso, sobre a memória do ator, no Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) (2006), doutora em Artes Cênicas pela USP (2001), mestre em Artes Cênicas pela Universidade de São Paulo (1992), especialista em Arte Educação (1987) na Universidade de São Paulo e licenciada em Educação Artística e Artes Cênicas pela Universidade Federal de Santa Maria (1979). Professora Sênior, aposentada do Departamento de Artes Cênicas, e vinculada apenas ao Programa de Pós-Graduação em Artes cênicas, da USP, e Professora Colaboradora do Programa de pós-Graduação em Artes Cênicas, Instituto de Artes, da UnB. Associada e membro da diretoria do Hemispheric Institute of Peformance and Politics e do International Federation for Theatre Research (IFTR). Encenadora teatral da Companhia de Teatro em Quadrinhos e de outros trabalhos. Coordenadora pedagógica da SP Escola de Teatro.

Referências

ARAÚJO, Lauana Vilaronga Cunha de. Lia Robatto e o Grupo Experimental de Dança: estratégias poéticas em tempos de ditadura. Coleção Pesquisa em Artes. Salvador: EDUFBA, 2012.

BIROLI, Flávia. Responsabilidades, cuidado e democracia. Revista Brasileira de Ciência Política. 2015, nº18, p. 81-117. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151804 . Acesso em 18 set. 2023.

CASTILLO, Nirlyn Karina Seijas. Danças para não morrer: historiografias encarnadas de performances feministas latino-americanas. 2021. Tese (doutorado em Cultura e Sociedade) - Instituto de Humanidades, Artes e Ciências, UFBA, Salvador, Bahia, 2021.

DHILLON, K; Francke, A. The C-Word: Motherhood, Activism, Art, and Childcare. Studies in the Maternal, v. 8(2), n. 12, p. 1–22, 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.16995/sim.226 . Acesso em 18 set. 2023.

FEDERICI, Silvia. A história oculta da fofoca – mulheres, caça às bruxas e resistência ao patriarcado. São Paulo: Boitempo, 2019.

GUATTARI, F. & ROLNIK, S. Micropolítica. Cartografias do desejo. Petrópolis: Vozes, 1986.

KNIHS, Maiara . A arte do gestar: o corpo materno enquanto força relacional na obra de Lygia Clark. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 12, 2021, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2021. Disponível em https://www.fg2021.eventos.dype.com.br/# . Acesso em 18 set. 2023.

LEPECKI, André. Movimento na pausa. Trad. Ana Luiza Braga. In: PELBART, Peter Pál; FERNANDES, Ricardo Muniz (org.) Pandemia Crítica. São Paulo: N-1. 2020.

MACÊDO, Silvana Barbosa. A Expressão Do Poder Materno Na Arte Contemporânea. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11 & 13th Women’s 's World Congress. Anais... Florianópolis: UFSC, 2017. Disponível em http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1498841431_ARQUIVO_SILVANA_MACEDO.pdf. Acesso em 18 set. 2023.

MATTA, G.C., REGO, S., SOUTO, E.P., and SEGATA, J., eds. Os impactos sociais da COVID-19 no Brasil: populações vulnerabilizadas e respostas à pandemia [online]. Rio de Janeiro: Observatório COVID 19; Editora FIOCRUZ, 2021, 221 p. Informação para ação na COVID-19 série. ISBN: 978-65-5708-032-0. https://doi.org/10.7476/9786557080320. Acesso em 18 set. 2023.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: Ed. 34, 2005.

RIBEIRO, Diana; NOGUEIRA, Conceição; MAGALHÃES, Sara Isabel. As ondas feministas: continuidades e descontinuidades no movimento feminista brasileiro. Revista Sul-Sul de ciências humanas e sociais, 2021, v. 1, n. 3, p. 57-76. DOI: 10.53282/sulsul.v1i03.780. Acesso em: 2 fev. 2023.

SANTOS, Adriana Rosa Cruz, RIBEIRO, Ruth Silva Torralba, FERREIRA, Silvana Rocco. Viralizando Lygia Clark: sopros para contagiar de encanto a experiência do cuidado. SAÚDE DEBATE, 2021, v. 45, n. especial 1, p. 124-136. DOI: 10.1590/0103-11042021E110. Acesso em 18 set. 2023.

SARLO, Beatriz. La intimidad pública. Barcelona: Seix Barral, 2018.

VALENTE, Alana Karoline Fontenelle. Maternidade e representação política: discursos e performances no parlamento e no Instagram. Projeto de qualificação aprovado (Doutorado em Ciência Política). Instituto de Ciência Política, UnB, Brasília, Distrito Federal, 2022.

ZANELLO, Valeska. Saúde mental, gênero e dispositivos: cultura e processos de subjetivação. Curitiba: Appris, 2018.

ZANELLO, Valeska; ANTLOGA, Carla; PFEIFFER-FLORES, Eileen; RICHWIN, Iara Flor. Maternidade e cuidado na pandemia entre brasileiras de classe média e média alta. Seção Temática Fazendo Gênero em tempos de pandemia. Rev. Estud. Fem. 2022, v. 30, n. 2. https://doi.org/10.1590/1806-9584-2022v30n286991. Acesso em 18 set. 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-13