METODOLOGIAS ATIVAS DE ENSINO E DE APRENDIZAGEM: UMA ABORDAGEM DE INICIAÇÃO À PESQUISA

Autores

  • Diógenes Gewehr Centro Universitário UNIVATES
  • Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen Centro Universitário UNIVATES
  • Miriam Ines Marchi Centro Universitário UNIVATES
  • Silvana Neumann Martins Centro Universitário UNIVATES.
  • Rogério José Schuck Centro Universitário UNIVATES.

Resumo

O atual contexto educacional apresenta-se como um verdadeiro mosaico. Enquanto alguns professores utilizam estratégias tradicionais de ensino, altamente repetitivas; outros profissionais fazem uso de práticas pedagógicas, consideradas inovadoras, que têm sido nomeadas como metodologias ativas de ensino e aprendizagem. Acreditando nesta segunda abordagem, este estudo busca problematizar as implicações do uso de estratégias norteadas por metodologias ativas na iniciação à pesquisa de alunos, especificamente discutindo a construção de projetos de pesquisa para Feiras de Ciências. Foi realizado seguindo abordagem qualitativa, sendo uma pesquisa-ação, desenvolvida em uma escola do interior do Rio Grande do Sul/Brasil, tendo como sujeitos de investigação dois professores de Ciências e duas turmas de alunos do Ensino Fundamental, sétimo e oitavo anos, dos quais, seis alunos eram Bolsistas de Iniciação Cientí­fica Júnior (BICJr). Professores e BICJr elaboraram portfólios reflexivos, os quais compõem os instrumentos de análise deste estudo. Este ocorreu entre novembro de 2014 e outubro de 2015. Os portfólios produzidos foram analisados segundo Análise Descritiva. Observou-se que os alunos mostraram-se empolgados com as estratégias pedagógicas inovadoras, tornando-se participativos e interessados, em comparação às aulas "normais" . Os alunos BICJr assumiram uma nova postura, principalmente no que se refere à capacidade de comunicação, expressando-se com mais facilidade, clareza e segurança. As duas turmas desenvolveram projetos de pesquisa para a Feira de Ciências, demonstrando conhecimento de metodologia cientí­fica. Para os professores, as estratégias pedagógicas norteadas por metodologias ativas foram as principais responsáveis pelas mudanças no perfil dos alunos, pois passaram a exercitar capacidade de reflexão, autonomia e senso crí­tico, o que antes era pouco observado. Destaca-se a importância da pesquisa e o incentivo desta como instrumento pedagógico, de modo que os alunos deem o primeiro passo para a iniciação cientí­fica, sendo isto grandemente facilitado pelo uso de estratégias pedagógicas norteadas por metodologias ativas de ensino e de aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diógenes Gewehr, Centro Universitário UNIVATES

Mestrando no Programa de Pós graduação em Ensino. Centro Universitário UNIVATES.

Andreia Aparecida Guimarães Strohschoen, Centro Universitário UNIVATES

Doutora em Ciências: Ecologia. Professora dos Programas de Pós graduação em Ensino e Ensino de Ciências Exatas do Centro Universitário UNIVATES.

Miriam Ines Marchi, Centro Universitário UNIVATES

Professora dos Programas de Pós graduação em Ensino e Ensino de Ciências Exatas do Centro Universitário UNIVATES.

Silvana Neumann Martins, Centro Universitário UNIVATES.

Professora dos Programas de Pós graduação em Ensino e Ensino de Ciências Exatas do Centro Universitário UNIVATES.

Rogério José Schuck, Centro Universitário UNIVATES.

Professor dos Programas de Pós graduação em Ensino e Ensino de Ciências Exatas do Centro Universitário UNIVATES.

Referências

AMBRÓSIO, M. Avaliação, os registros e o portfólio: ressignificando os espaços educativos no ciclo das juventudes. Petrópolis: Vozes. 2015.

ANASTASIOU, L. das G. C.; ALVES, L. P. (orgs.). Processos de Ensinagem na Universidade: pressupostos para as estratégias de trabalho em aula. 10. ed. Joinville, SC: Univille. 2012.

ANTUNES, C. Professores e Professauros: reflexões sobre a aula e práticas pedagógicas diversas. Petrópolis: Vozes. 2014.

ARAUJO, I. S.; MAZUR, E. Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino-aprendizagem de Fí­sica. Caderno Brasileiro de Ensino de Fí­sica, v.30(2), p. 362-384. 2013.

BAGNO, M. Pesquisa na escola: o que é e como se faz. 26. ed. São Paulo: Edições Loyola. 2014.

BARBOSA, E. F.; MOURA, D. G. de. Metodologias ativas de aprendizagem na educação profissional e tecnológica. Boletim Técnico Senac, v.39(2), p. 48-67. 2013.

BERBEL, N. A. N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia de estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 32 (1), 25-40. 2011.

BORTONI-RICARDO, S. M. O Professor pesquisador: introdução í pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola editorial. 2008.

DEMO, P. Educação e Alfabetização Cientí­fica. Campinas/SP: Papirus. 2010.

DEMO, P. Pesquisa: princí­pio cientí­fico e educativo. 12. ed. São Paulo: Cortez. 2006.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 9. ed. Campinas, SP: Autores associados. 2011.

FOUREZ, G. A Construção das ciências: introdução í filosofia e a ética da ciência. São Paulo: Editora da UNESP. 1995.

FREIBERGER, R. M.; BERBEL, N. A. N. A importância da pesquisa como princí­pio educativo na atuação pedagógica de professores de educação infantil e ensino fundamental. Cadernos de Educação, v.37, p.207-245. 2010.

GESSINGER, R. M. (2004). Teoria e fundamentação teórica na pesquisa em sala de aula. In: MORAES, R. & LIMA, V. M. do R. (orgs). Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novo tempos. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS.

GRILLO, M. C.; ENRICONE, D.; MATTEI, P.; FERREIRA, J. B. Ensino e pesquisa com pesquisa em sala de aula. UNIrevista, v.1(2), p.1-11. 2006.

KOMATSU, R.S.; ZANOLLI, M.B.; LIMA, V.V. Aprendizagem baseada em problemas (Problem-based learning). In: MARCONDES, E.; GONÇALVES, E.L. (Orgs.). Educação médica. São Paulo: Sarvier. 1998.

MARTINS, M. F.; VARANI, A. Professor e pesquisador: considerações sobre a problemática relação entre ensino e pesquisa. Revista Diálogo Educ., v.12(37), p.647-680. 2012.

MIGUEL, P. A. C. (org.) Metodologia de pesquisa para engenharia de produção e gestão de operações. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier. 2012.

MIRANDA, M. G. de. O professor pesquisador e sua pretensão de resolver a relação entre a teoria e a prática na formação de professores. In: ANDRÉ, M. (org.). O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas: Papirus. 20011.

MITRE, S. M.; SIQUEIRA-BATISTA, R.; GIRARDI-DE-MENDONÇA, J. M.; MORAIS-PINTO, N. M. de; MEIRELLES, C. DE A. B.; PINTO-PORTO, C.; MOREIRA, T. ; HOFFMAN, L. M. A. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência & Saúde Coletiva, v.13, p.2133-2144. 2008.

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. 2. ed. São Paulo: EPU. (2011a).

______. Aprendizagem Significativa: a teoria e textos complementares. In: ______. Mapas conceituais e aprendizagem significativa. São Paulo: Livraria da Fí­sica, p. 123-142, cap. 5. 2011 b.

NININ, M. O. G. Pesquisa na escola: que espaço é esse? O do conteúdo ou o do pensamento crí­tico? Educação em Revista. v.48, p.17-35. 2008.

NOVAK, J. D.; CAÑAS, A. J. A teoria subjacente aos mapas conceituais e como elaborá-los e usá-los. Práxis Educativa, v.5(1), p.9-29. 2010.

PEREIRA, R. Método Ativo: Técnicas de Problematização da Realidade aplicada í Educação Básica e ao Ensino Superior. In: VI Colóquio Internacional "Educação e Contemporaneidade", 2002, São Cristóvão. Anais... São Cristóvão, SE. 2012.

PINTO, A. S. da S.; BUENO, M. R. P.; SILVA, M. A. F. do A. e; SELLMANN, M. Z.; KOEHLER, S. M. F. Inovação Didática - Projeto de Reflexão e Aplicação de Metodologias Ativas de Aprendizagem no Ensino Superior: uma experiência com "peer instruction". Janus, v.9(15), p.75-87. 2012.

PIZARRO, M. V.; LOPES Jr., J. Indicadores de alfabetização cientí­fica: uma revisão bibliográfica sobre as diferentes habilidades que podem ser promovidas no ensino de ciências nos anos iniciais. Investigações em Ensino de Ciências. v.20(1), p.208-238. 2015.

PRADO, G. do V. T.; SIMAS, V. F. A escrita no portfólio estudantil: possibilidades de reinvenção de si. In: XVI ENCONTRO NACIONAL DE DIDíTICA E PRíTICAS DE ENSINO, 2012, Campinas. Anais... Campinas: UNICAMP. 2012.

RAMOS, M. G. Educar pela Pesquisa é Educar para a argumentação. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. do R. (org.) Pesquisa em sala de aula. Porto Alegre: EDIPUCRS. 2012.

SANT'ANNA, I. M.; MENEGOLLA, M. Didática: aprender a ensinar: técnicas e reflexões pedagógicas para formação de formadores. 7. ed. São Paulo: Edições Loyola. 2002.

SANTIM, I. J.; RIGONI, P.; MARCHI, M. I.; STROHSCHOEN, A. A. G. Concepções de Pesquisa dos Estudantes da Educação Básica Uma Investigação do Sul ao Norte e Nordeste do Brasil. Contexto & Educação, v.29(94), p.27-56. 2014.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez. 1986.

ULHÔA, E.; ARAÚJO, M. M.; ARAÚJO, V. N.; MOURA, D. G. A formação do aluno pesquisador. In: I Seminário Nacional de Educação Profissional e Tecnológica, Minas Gerais. Anais... Minas Gerais, CEFET. 2008. Disponí­vel em: <http://www.senept.cefetmg.br/galerias/Arquivos_senept/anais/terca_tema1/TerxaTema1Artigo12.pdf> Acesso em: 28 out. 2015.

WALL, M. L.; PRADO, M. L. do; CARRARO, T. E. A experiência de realizar um Estágio Docência aplicando metodologias ativas. Acta Paul. Enferm., v.21(3), p.515-9. 2008.

Downloads

Publicado

2016-06-09