Representações sociais de saúde e doença entre acadêmicos de medicina

Autores

  • Rossana Andressa Mazzaro de Figueirêdo Faculdades Pequeno Prí­ncipe - FPP
  • Romilda Teodora Ens Pontifí­cia Universidade Católica do Paraná - PUCPR
  • Jaqueline Salanek Oliveira Nagel Pontifí­cia Universidade Católica do Paraná - PUCPR
  • Suely Grosseman Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC
  • Leide da Conceição Sanches Faculdades Pequeno Prí­ncipe - FPP

Palavras-chave:

Processo Saúde-Doença, Saúde, Doença, Estudantes de Medicina.

Resumo

As representações sociais de Saúde e Doença e das causas para o adoecimento são diversas e recebem a influência do contexto sócio-histórico-cultural. O objetivo deste estudo foi conhecer as representações sociais de saúde e doença partilhadas por acadêmicos do curso de medicina. Abordagem metodológica foi qualitativa, com referencial teórico das Representações Sociais e dos pressupostos da Teoria do Núcleo Central (ABRIC) e a análise foi a de conteúdo. Participaram desse estudo o total de 336 acadêmicos: 50 ingressantes, 176 do sexto semestre e 110 do décimo segundo semestre do curso. Os resultados evidenciam que o significado da palavra saúde para os participantes de pesquisa está associado a um conceito mais amplo de bem-viver, com evocações tais como: bem-estar, felicidade, alegria, equilí­brio, paz, tranquilidade, satisfação, energia, disposição e plenitude. As palavras classificadas dentro da área temática do modelo ampliado de saúde foram: qualidade de vida, famí­lia, social, biopsicossocial, espiritual, promoção e prevenção. De forma antagônica, os significados da palavra doença foram relacionados à limitações do viver, com evocações como mal-estar, tristeza, sofrimento, dor, ruim, depressão, dificuldade, desconforto, cansaço, medo, ansiedade, solidão, fragilidade, angústia e incapacidade. A formação médica demonstrou propiciar a esses estudantes um contato conceitual com um modelo ampliado de saúde, entretanto, observou-se que, a aproximação é teórica e tênue. A relevância de alguns temas importantes para a formação médica ocupa espaço marginal nas representações sociais de saúde e doença dos estudantes desta pesquisa.

DOI: https://doi.org/10.33871/23594381.2020.18.1.121-135

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rossana Andressa Mazzaro de Figueirêdo, Faculdades Pequeno Prí­ncipe - FPP

Mestre em Ensino nas Ciências da Saúde pela Faculdades Pequeno Prí­ncipe. Docente do curso de Medicina da Universidade Positivo.

Romilda Teodora Ens, Pontifí­cia Universidade Católica do Paraná - PUCPR

Doutora em Educação. Docente do Programa de Mestrado e Doutorado em Educação da Pontifí­cia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Pesquisadora Produtividade pela Fundação Araucária – Paraná. Pesquisadora Associada da Fundação Carlos Chagas, participando do Centro Internacional de Estudos em Representações Sociais, Subjetividade – Educação (CIERS-ed). Curitiba, Paraná, Brasil.

Jaqueline Salanek Oliveira Nagel, Pontifí­cia Universidade Católica do Paraná - PUCPR

Doutoranda em Educação pela PUCPR. Pedagoga da Rede Municipal de Ensino de Curitiba/PR.

Suely Grosseman, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Doutora em Engenharia de Produção. Docentedo Departamento de Pediatria da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC (Florianópolis - SC) e do Mestrado em Ensino nas Ciências da Saúde das Faculdades Pequeno Prí­ncipe – FPP

Leide da Conceição Sanches, Faculdades Pequeno Prí­ncipe - FPP

Doutora em Sociologia. Docente do Programa de Mestrado em Ensino nas Ciências da Saúde das Faculdades Pequeno Prí­ncipe- FPP. Docente das graduações em saúde da FPP. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa da FPP. Membro do Grupo de Pesquisa em Sociologia da Saúde (UFPR). Curitiba- PR.

Referências

ABRIC, J. C. A. Abordagem estrutural das representações sociais. In: MOREIRA, A. S. P. M.; OLIVEIRA, D. C. (Orgs.). Estudos interdisciplinares de representação social. Goiânia: A. B., 2000. p.27-38.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Tradução: Luí­s Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRAGHETTA, C. C. Desenvolvimento e validação de um instrumento para avaliar espiritualidade: Escala de Atitudes Relacionadas í Espiritualidade (ARES). 2017. Dissertação. São Paulo: Faculdade de Medicina, Universidade de São Paulo, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES Nº 4, de 7 de novembro de 2001. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Diário Oficial da União. Brasí­lia, 10 Nov 2001; Seção 1, p. 38.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Resolução CNE/CES nº 3, de 20 de junho de 2014. Institui diretrizes curriculares nacionais do curso de graduação em medicina. Diário Oficial da União. Brasí­lia, 23 Jun. 2014. n. 117, Seção 1, p. 8-11.

BULGARELI, J. L. G.; GUERRA, L. M.; MIRANDA, L.; PENEDO, R. M.; FREDDO, S.; GONDINHO, B. V. C.; CORTELLAZZI, K. L.; PROBST, L. F.; POSSOBON, R. F.; PEREIRA, A. C. Compreensão dos sentidos atribuí­dos ao processo saúde e doença num grupo focal de adolescentes: um estudo qualitativo na perspectiva fenomenológica, CIAIQ [periódico na internet] 2017 [acessado 26 Jan. 2019] Disponí­vel em: <https://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&ved=2ahUKEwjovvSB5OrfAhX2E7kGHRO0CI0QFjAAegQICRAC&url=https%3A%2F%2Fproceedings.ciaiq.org%2Findex.php%2Fciaiq2017%2Farticle%2Fdownload%2F1460%2F1417%2F&usg=AOvVaw1vzPzdBsvSVaIPfDa_7XHV>.

CAMARGO, B. V.; JUSTO, A. M. Iramuteq - um software gratuito para análise de dados textuais. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v.21, n.2, p. 513-528, 2013.

CROMACK, L. M. F.; BURSZTYN, I.; TURA, F. R. O olhar do adolescente sobre saúde: um estudo de representações sociais. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.14, n. 2, p. 627-634, abril [periódico na internet] 2006 [acessado 20 jan. 2019]. Disponí­vel em: <https://www.researchgate.net/publication/250028389_O_olhar_do_adolescente_sobre_saude_um_estudo_de_representacoes_sociais>.

CZERESNIA, D.; MACIEL, E. M. G. S.; OVIEDO, R. A. M. Os sentidos da saúde e da doença. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013.

FAYERS, P. M. D. Quality of life. Assessment, analysis and interpretation. Chichester: John Wiley, 2000.

FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário Aurélio da lí­ngua portuguesa. 4. ed. Curitiba: Ed. Positivo, 2009.

FLAMENL, C. L'analyse de similitude: une technique pour les recherches sur les représentations sociales. ln: Doise, W.; Palmonari, A (Org.). L'atude des representations sociales. Neuchâtel: Delachaux et Niestlé, 1986. p. 139-156.

GROSSI, F. R. S. Saúde e Doença: Um estudo das representações sociais de famí­lias rurais em um municí­pio de Mato Grosso do Sul. Dissertação. (Mestrado em Psicologia). Escola de Psicologia da Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS., 2012.

LUCCHETTI, G.; LUCCHETTI, A. L.; ESPINHA, D. C.; OLIVEIRA, L. R.; LEITE, J. R.; KOENIG, H. G. Spirituality and health in the curricula of medical schools in Brazil. BMC Med Educ. 2012; 12:78. Disponí­vel em: http://www.spirituality.ucla.edu/index.html. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/22900476. Acesso em: 18 jan. 2019.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Tradução Pedrinho A. Guareschi.11 ed. Petrópolis. RJ: Vozes, 2015.

OLIVEIRA, D.C.; Sí, C.P. Representações sociais da saúde e doença e implicações para o cuidar em enfermagem: uma análise estrutural. R. Bras. Enferm. Brasilia, v. 54, n.4, p. 608-622, [periódico da internet] out-dez. 2001. [acessado 02 jan. 2019] Disponí­vel em: <http://www.scielo.br/pdf/reben/v54n4/v54n4a09.pdf>.

REGINATO, V.; BENEDETTO, M. A. C.; GALLIAN, D. M. C. Espiritualidade e saúde: uma experiência na graduação em medicina e enfermagem. Trab. educ. 2016, vol.14, n.1, pp.237-255. [acessado 18 jan. 2019]. Disponí­vel em: <http://dx.doi.org/10.1590/1981-7746-sip00100>.

ROTTA, M. C. B. Representações sociais de saúde, doença, velho e velhice para idosos atendidos em uma Unidade Básica de Saúde. Dissertação. Campo Grande, MS. 2009 Disponí­vel em: <https://site.ucdb.br/public/md-dissertacoes/8113-representacoes-sociais-de-saude-doenca-velho-e-velhice-para-idosos-atendidos-em-uma-unidade-basica-de-saude.pdf> [acessado 20 jan. 2019].

SHIMIZU, H. E.; SILVA, J. E.; MOURA, L. M.; BERMÚDEZ, X. P.; ODEH, M. M. A estrutura das representações sociais sobre saúde e doença entre membros de movimentos sociais. Ciênc. Saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 20, n. 9, p. 2899-2910, set. 2015. Disponí­vel em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S141381232015000902899&lng=pt&nrm=iso> [acessado em: 21 jan. 2019].

WACHELKE, J.; WOLTER, R. Critérios de construção e relato da análise prototí­pica para representações sociais. Psicologia: teoria e pesquisa. Brasí­lia. v.27, n. 4, 2011. p. 521-526. Disponí­vel em: <http://www.scielo.br/pdf/ptp/v27n4/17.pdf> [acessado 10 nov. 2018].

WORLD HEALTH ORGANIZATION. A glossary of terms for community health care and services for older persons. WHO Centre for Health Development, Ageing and Health Technical Report, volume 5, 2004. Available from: <http://www.who.int/iris/handle/10665/68896> [cited 18 jan. 2018].

Downloads

Publicado

2020-04-16