Práticas de desclassificação na performance musical: perspectivas emancipatórias para a Pesquisa Artística

Bibiana Bragagnolo

Resumo


Este artigo tem como principal objetivo expor o problema da atual epistemologia na música, que reside na sua hiper classificação, e traçar um caminho rumo àquilo que Gutiérrez (2007) compreende como epistemografia, o que consistiria em uma possibilidade de emancipação da pesquisa em performance ou, em outras palavras, uma possibilidade epistemológica e metodológica para a Pesquisa Artística. Para tal, a base teórica consistirá, sobretudo, nos trabalhos do teórico da Ciência da Informação Antonio Garcia Gutiérrez (2007, 2020) e também do sociólogo Boaventura de Souza Santos (2005, 2019). A partir da apresentação dos problemas relacionados à classificação e das suas consequências no campo musical, são traçadas estratégias de desclassificação a serem aplicadas na pesquisa em música, mostrando um possível caminho para o desenvolvimento da Pesquisa Artística.

Palavras-chave


Pesquisa Artística; Desclassificação; Performance Musical

Texto completo:

PDF

Referências


AGAWU, Kofi. Tonality as a colonizing force in Africa. In: RADANO, Ronald; OLANIYAN, Tejumola (Org,). Audible Empire: Music, Global Politics, Critique. Londres: Duke University Press, 2016.

ASSIS, Paulo de; KANNO, Mieko; CANCINO, Juan Parra. Dynamics of Constraints: Essays on notation, editing and performance. Ghent: Orpheus Institute, 2010.

ASSIS, Paulo de. Logic of experimentation: Rethinking Music Performance through Artistic Research. Ghent: Orpheus Institute, 2018.

BETTS, Nancy. A Obra de Arte como Interface Crítica. In: Anais do 16° Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisadores de Artes Plásticas - Dinâmicas Epistemológicas em Artes Visuais. (424-43), 2007.

BORGDORFF, Henk. The conflict of the faculties: Perspectives on Artistic Research and Academia. Leiden: Leiden University Press, 2012.

BRAGAGNOLO, Bibiana; GUIGUE, Didier. A inclusão da performance na análise musical: uma reflexão sobre a ontologia da obra musical. In: Anais do X Simpósio Internacional de Musicologia [no prelo], 2020. Disponível em: https://www.academia.edu/45454393/A_inclus%C3%A3o_da_performance_na_an%C3%A1lise_musical_uma_reflex%C3%A3o_sobre_a_ontologia_da_obra_musical .

BRAGAGNOLO, Bibiana. Assemblage Sonora: Uma composição performática de estratos. In: Proceedings of VII International Conference on Music Performance 2020 – Brazilian Society of Music Performance. (179-185), 2020.

BRAGAGNOLO, Bibiana. Experimentação na construção de duas performances de Ressonâncias, peça para piano de Marisa Rezende: uma reflexão a partir do entendimento da obra musical enquanto território. ÍMPAR Online Journal for Artistic Research. Vol. 3, N. 1, 2019b, p. 37-57.

BRAGAGNOLO, Bibiana. A inclusão da performance na análise musical: uma perspectiva a partir da construção da sonoridade em peças para piano. 2019. 308 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Música, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019a.

BRAGAGNOLO, Bibiana. A inclusão da performance na análise musical: problemas e possibilidades metodológicas. In: Anais do IV SIMPOM 2016. (835-844), 2016.

CHIANTORE, Luca. Prólogo: La música de la desclassificación. In: GUTIÉRREZ, Antonio García. A ojos de la arena: Ejercicios de desclasificación. Madrid: ACCI ediciones, 2020.

CHIANTORE, Luca. Undisciplining music: Artistic research and historiographic activism. ÍMPAR. V. 1, N. 17, 2017, p. 3-21.

COBUSSEN, Marcel. Deconstruction in Music. Tese de Doutorado, Departament of Art and Culture Studies, Erasmus University Rotterdam, Netherlands. 2002. Disponível em: http://www.deconstruction-in-music.com/navbar/index.html. Acesso em 15 de setembro de 2018.

COESSENS, Kathleen; CRISPIN, Darla; DOUGLAS, Anne. The artistic turn: a manifesto. Ghent, Leuven University Press, 2009.

COOK, Nicholas. Music as creative practice. Oxford: Oxford University Press, 2018.

______. Prompting Performance: Text, Script, and Analysis in Bryn Harrison’s être-temps. Music Theory Online. Society for Music Theory, vol. 11, n. 1, 2005.

______. Analysing Performance and Performing Analysis. In: COOK, Nicholas; EVERIST. Rethinking Music. New York: Oxford Univ. Press, 1999. p. 239–261.

CORREIA, Jorge; DALAGNA, Gilvano. Premises for Artistic Research. In: Cahiers of Artistic Research 3. Aveiro: UA Editora, 2020.

CORREIA, Jorge; DALAGNA, Gilvano. Premises for Artistic Research. In: Cahiers of Artistic Research 2. Aveiro: UA Editora, 2019.

CORREIA, Jorge; DALAGNA, Gilvano; BENETTI, Alfonso; Francisco, MONTEIRO. When is research Artistic Research? In: Cahiers of Artistic Research 1. Aveiro: UA Editora, 2018.

COSTA, Valério Fiel da. Morfologia da obra aberta. Curitiba, Prismas, 2016.

DELEUZE, Gilles. Essays Critical and Clinical. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1998.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995.

DENORA, Tia. Music in everyday life. Nova York: Cambridge University Press, 2004.

DENORA, Tia. After Adorno: Rethinking Music Sociology. Nova York: Cambridge University Press, 2003.

DOGANTAN-DACK, Mine (Ed.). Artistic Practice as Research in Music: Theory, Criticism, Practice. Farnham: Ashgate, 2015.

DOMENICI, Catarina. A performance e o gênero feminino. In: FONSECA, Susan Campos; NOGUEIRA, Isabel Porto (org). Estudos de gênero, corpo e música: abordagens metodológicas. Goiânia/Porto Alegre: ANPPOM, 2013.

DOMENICI, Catarina. O Intérprete (Re)Situado: uma reflexão sobre construção de sentido e técnica na criação de “Intervenções para Piano Expandido, Interfaces e Imagens – Centenário John Cage”. Revista Música Hodie, V.12 - n.2, 2012a, p. 171-187.

DOMENICI, Catarina. His master’s voice: a voz do poder e o poder da voz. Revista do Conservatório de Música da UFPel. Pelotas, N. 5, 2012b. p. 65-97.

FEYERABEND, Paul. Contra o método: Esboço de uma teoria anárquica da teoria do conhecimento. Livraria Francisco Alves Editora: Rio de Janeiro, 1977.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra 1998.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Ed Paz e Terra, 2002.

GOEHR, Lydia. The Imaginary Museum of Musical Works: an essay on the philosophy of music. Oxford, England: Clarendon Press, 1992.

GREEN, Lucy. Música, género y educación. Madrid: Ediciones Morata, 2001.

GROUT, Donald J.; PALISCA, Claude V. História da Música Ocidental. Lisboa: Gradiva, 2007.

GUTIÉRREZ, Antonio García. A ojos de la arena: Ejercicios de desclasificación. Madrid: ACCI ediciones, 2020.

______. La Organización Del Conocimiento En El Nuevo Orden Transcultural: La organización del conocimiento en el nuevo orden transcultural: del totalitarismo a la desclasificación (la razón como creencia y la OC como burocracia). Brazilian Journal of Information Science: Research Trends, Vol. 8, nº 1/2, 2014a.

______. Declassifying Knowledge Organization. Knowledge organization, v. 41 (5), 2014b.

______. La organización del conocimiento desde la perspectiva poscolonial. itinerarios de la paraconsistencia. Perspectivas em Ciência da Informação. V.18, n.4, 2013.

______. Desclassificados: pluralismo lógico y violencia de la classificacion. Barcelona: Anthropos, 2007.

LEECH-WILKINSON, Daniel. Classical music as enforced Utopia. Arts & Humanities in Higher Education, V. 15, 2016.

LÓPEZ-CANO, Rubén; SAN CRISTÓBAL, Úrsula. Investigación artística en música: cuatro escenas y un modelo para la investigación formativa. Quodlibet 74 [versão preprint], 2021. Disponível em: https://www.academia.edu/s/ad51668a96#comment_735349 . Acesso em 05 de fevereiro de 2021.

LÓPEZ-CANO, Rubén; OPAZO, Úrsula San Cristóbal. Investigación artística en música: Problemas, métodos, experiencias y modelos. Barcelona: Fondo para la Cultura y las Artes de México e la Escola Superior de Música de Catalunya, 2014.

MENDES, Miguel Soares Braz. Jazz desclassificado: reflexões para a construção de narrativas musicais emancipatórias. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Música. Universidade de Aveiro. 2016.

MIGNOLO, Walter D. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF, N. 34, p. 287-324, 2008.

OLIVEIRA FILHO, Manoel Theophilo Gaspar de. A utilização de exercícios de técnica pianística no ensino e na prática de sete professores de piano de Recife. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Música. Universidade Federal da Paraíba. 2015.

SANTOS, Boaventura de Sousa. O fim do império cognitivo: A afirmação das epistemologias do sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. Revista Crítica de Ciências Sociais, N. 63, 2002.

SARTRE, Jean-Paul. SARTRE, Jean-Paul. L’Existentialisme est un Humanisme. Paris: Les Éditions Nagel, 1970.

SCHERCHNER, Richard. Performed Imaginaries. New York: Routledge, 2015.

SCHECHNER, Richard. Performance Studies: An Introduction. Nova York: Routledge, 2002.

TURNER, Victor W. The Anthropology of Performance. New York: PAJ Publications, 1988.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© 2021 Revista Vórtex | Vortex Music Journal