A Marca Musical no Corpo: Considerações Musicológicas-Psicanalíticas sobre a Tatuagem

Leonardo Luiz

Resumo


Abordei nesse artigo cruzamento entre os caminhos que constituem o prazer subjetivo pela música, suas manifestações e expressões afetivas por intermédio da escuta e sua interlocução pelo também prazer de marcar-se por meio de tatuagens. Especificamente as que trazem explícita menção ao meio musical. Considerei como a música chegou ao corpo por meio de tais marcas artísticas; relacionando a estética do gosto, o processo de identificação e a imagem corporal marcada pela tatuagem, seus aspectos musicais e afetivos e com isso foi possível discutir a música como um elemento de mediação psíquica capaz de transformar e modificar a maneira de falar, ouvir e entender aspectos psíquicos. Desse modo, o diálogo entre a prática psicanalítica e a literatura musicológica, como possibilidade de representação de aspectos afetivos, pode ser discutido.


Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

DeNORA, Tia. Music in Everyday Life. UK: Cambrigde, 2000.

______. Music Asylums: Wellbeing through music in everyday life. England: Ashgate, 2015.

ECO, Umberto. Obra Aberta. São Paulo: Perspectiva, 2005.

FLICK, Uwe. Métodos qualitativos na investigação científica. Lisboa: Monitor, 2005.

FREUD. S. Obras Completas. Buenos Aires: Amorrortu, 1993.

HENNION, A. Gustosmusicales: de una sociología de lamediciación a una pragmática delgusto. Comunicar - Revista Científica de Educomunicación, no34, vol. XVII, pp. 25-33, 2010a.

______. Pragmática do Gosto. Tradução de Frederico Barros. Desigualdades & Diversidade –Revista de Ciências Sociais da PUC - Rio, no8, jan./jul., pp. 253-277, 2011.

LAPLANCHE, Jean &Pontalis. Vocabulário da psicanálise. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

LOPES, Luiz Paulo da Moita. "Discursos de identidade em sala de aula de leitura: a construção da

diferença", In: SIGNORINI, Inês (Org.) Língua(gem) e identidade, Campinas Mercado das letras, 1998. LUIZ, Leonardo. Vitrola psicanalítica: canções que tocam na análise. São Paulo: Via Lettera, 2005.

MCLUHAN, Marshall. O Amante de ‘Gadgets: Narciso como narcose" In: Os Meios de Comunicação como Extensões do Homem, 1964.

NASIO, Juan-David. Meu corpo e suas imagens. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

ORLANDI, Eny. "Identidade linguística escolar". In: SIGNORINI, Inês (Org.) Língua(gem) e identidade.

Campinas Mercado das letras, 1998.

REISFELD, Silvia. Tatuajes: uma mirada psicoanalítica. Buenos Aires: Paidós, 2005.

SERRANI-INFANTE, Silvana. "Identidade Linguística". In: SIGNORINI, Inês (Org.) Língua(gem) e identidade. Campinas Mercado das letras, 1998.

SCHIFFMACHER, Henk. 1000 Tattoos. Amsterdam: Taschen, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.