Neurociência cognitiva: uma parceria de ensino com a Escola Inclusiva

Mariana Lacerda Arruda, Carlos Mosquera, Lorena Barolo

Resumo


Há muito tempo que a Escola Regular e hoje a Escola Inclusiva busca parcerias na forma de novas ações pedagógicas, para superar os atrasos que a mesma sofre durante décadas. São muitos os modelos de estratégias já aplicadas nas escolas que fracassaram, poucas ainda resistem. Não só pelo fato de que as novas tecnologias ainda não foram assimiladas pelas escolas, mas também pelo fato de que ainda há inseguranças nos avanços dos novos recursos. A neurociência cognitiva se apresenta atualmente como uma inspiração para esta “nova parceria” que se bem compreendida, pode facilitar a aplicação de novos modelos pedagógicos. O objetivo dessa revisão é discutir as possibilidades da neurociência cognitiva em colaborar com a Escola Inclusiva, e principalmente, se isso pode acrescentar no trabalho educativo com alunos deficientes visuais. Optou-se, na metodologia da revisão, selecionar os artigos e trabalhos na internet em geral e revistas especializadas. Os descritores usados foram: deficiência visual, cegos, neurociência cognitiva, plasticidade cerebral, escola inclusiva e escola para cegos. A busca foi realizada entre os anos 2013 a 2015. A justificativa centra-se na necessidade em apresentar um tema ainda pouco discutido na Escola Inclusiva. Os resultados encontrados, confirmam, a importância da neurociência cognitiva no ensino  para deficientes visuais, principalmente pelo fato dessa parceria explicar e apontar novos caminhos para um aprendizado mais inclusivo.


Texto completo:

VISUALIZAR PDF

Referências


AMEDI, A. et al. Shapeconveyedby visual-to-auditorysensorysubstitutionactivatesthe lateral occipital complex. NatureNeuroscience, v. 10, n. 6, p. 687-690, 2007.

KOSSLYN, Stephen, M; MILLER, G. Wayne. Top Brain, BottomBrain. Simon & Schuster, NY, 2013.

CANFIELD, R.L.; SMITH, E.G. Number-BasedExpectationsandSequentialEnumerationby 5-month. DevelopmentalPhychology, n. 32, 1996.

SCHLESENER, ANITA, H. Arte e Educação: Observações acerca de A Obra de Arte na Época de Sua Reprodutibilidade Técnica. Revista InCantare, V.6, P. 7-28, 2014

MOSQUERA, C.F.F. Deficiência visual na Escola Inclusiva. Editora IBPEX, 2010

_____________________Deficiência visual: do currículo aos processos de reabilitação (org.). Editora Chain, 2014.

MATHIAS, S.C. Neuroimagem em psicologia. Encontrado em: NITRINI, R.; CARAMELI, P.; MANSUR, L. (Orgs).Neuropsicologia: Das bases anatômicas à reabilitação, 11-30. São Paulo, 1996

BALLESTEROS, S. Percepcionháptica de objetis y patrones realizados: Una revision. Psicothema,, vol. 5, n.2, p.313, 1993. Acesso 02/10/2014, disponível em:http://www.unioviedo.es/reunido/index.php/PST/article/view/7165/7029

WANET-DEFALQUE, et al. High metabolicactivity in the visual córtex ofearlyblind humana subjects. BrainResearch, v. 44, p. 369-372, 1998.

GREENOUGH et al. Maze Training EffectsonDendriticBranching in Occipital CortexofAdultRats. Behavioraland Neural Biology, n. 26, 1979.

WOLFE, PATRICIA. Compreender o funcionamento do cérebro. E a sua importância no processo de aprendizagem. Porto Editora. Portugal, 2004.

PERLIN, G.; STROBEL, K. História cultural dos surdos: desafios contemporâneos. Educar em Revista. Editora UFPR, Edição Especial, n.2, p. 17-31 2014. Acesso em: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/educar/article/view/37011/23089

PINKER, S. Tábula Rasa. A negação contemporânea da natureza humana. Companhia das Letras, 2002.

RANGEL, Maria L. et al. Deficiência visual e plasticidade no cérebro humano. Psicol. Teor. Prat.. vol.12, n. 1. São Paulo, 2010. Acesso em 13/08/2014. Disponível em: file:///Users/carlos/Desktop/DV/-%20Deficiência%20visual%20e%20plasticidade%20no%20cérebro%20humano.webarchive

RAMACHANDRAN, V.S.; BLAKESLEE, S. Fantasmas no cérebro. Uma investigação dos mistérios da mente humana. Editora Record, 3 ed.: São Paulo, 2010.

REILY, Lucia. Músicos cegos ou cegos músicos: representações de compensação sensorial na história da arte. Cadernos CEDES, v.28, n.75, Campinas: maio/ago. 2008.

SUTOO, D. AKIJAMA, K. Music improves dopaminergicneurotransmission: demonstrationbasedontheeffectof musico n bloodpressureregulation. BrainResearch, 1016, 254-262, 2004.

MAGUIRE, M.J. Music andepilepsy: A criticalreview. Epilepsia, 53(6): 947-961, 2012. Acesso dia 12/06/14, encontrado em:

http://onlinelibrary.wiley.com/store/10.1111/j.15281167.2012.03523.x/asset/j.15281167.2012.03523.x.pdf;jsessionid=BFEC631119C1BFF76B68821921333C58.f02t04?v=1&t=i2c7bhpr&s=3f0a3b5a40316594afa452dd2274a549b18bec1a

PROULX, M.J.; BROWN, D.J.PASQUALOTTI, A.; MEIJER, P. Multisensory perceptual learningandsensorysubstitution.Neubiorev. 41:16-25, 2012.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Governo do Estado do Paraná
Secretaria da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior
InCantare: R. Pesq. Musicoterapia, Curitiba, Faculdade de Artes do Paraná, ISSN 2317-417X