A QUEM INTERESSAM MINHAS MEMÓRIAS DANÇADAS NA ESCOLA?

Autores

  • Eder Fernando Nascimento Colégio Estadual do Paraná - SEED

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2023.28.1.7385

Palavras-chave:

Dança educação; narrativas biográficas; experiência; processo de formação

Resumo

Este artigo busca refletir sobre a autobiografia e as narrativas de vida como processos de formação e auto-identificação dentro da perspectiva da dança e da educação. Para tanto, parto de minhas próprias narrativas para abordar a dança na escola pública de educação básica e principalmente em como minha trajetórias no ambiente educacional — de estudante a professor — contribuiu para minhas concepções de arte, dança e educação, me transformando, hoje, em um artistaprofessor. O objetivo com estas reflexões é explorar a forma como as narrativas de vida podem contribuir não só como registros de experiências vivenciadas, mas também como um processo de reconhecimento de si e identificação do passado como construtor de experiências presentes e futuras, principalmente no que se refere às condutas no ensino de dança e na construção de espaços de arte e cultura dentro do ambiente educacional. Como referencial teórico, a dança é evidenciada pelas contribuições de Marques (2010) e Onuki (2010),  os conceitos de experiências são pautados nas contribuições de Dewey (2010) e Larrosa (2019);  História de Vida, Saberes Docentes e Formação em  Tardif ( 2010), Nóvoa (2022, 2003, 2019) e Cavaco (2015); e as Narrativas biográficas em Delory - Momberger (2011, 2006, 2021). Dessa forma, proponho com este trabalho uma pausa e uma reflexão sobre si (e no meu caso, sobre mim mesmo) e no meu fazer arte-dança-ensino e em como as relações de afeto e de ultrapassar barreiras contribuem para a construção de um meio educacional mais humano.

 

Palavras-Chave: Dança educação; narrativas biográficas; experiência; processo de formação

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eder Fernando Nascimento, Colégio Estadual do Paraná - SEED

Doutorando em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUC; Artista da Dança; Licenciado e Bacharel em Dança pela Unespar; professor  efetivo de Arte da Secretaria de Educação do Paraná e Diretor Artístico do DANCEP - Grupo de Dança Contemporânea do Col. Est. do Paraná.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Pesquisa (auto)biográfica – tempo, memória e narrativas. In: ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. A aventura (auto)biográfica – teoria e empiria. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

BAMBIRRA, Wanda. Dançar e sonhar: a didática do Ballet infantil. Belo Horizonte: I. Arte, 1993.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF: MEC, 1997.

. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC. 2018.

Curso de Balé - Royal Academy of Dancing. 2º ed. São Paulo: Martins Fontes. 1988.

CAVACO, Carmen de Jesus Dores. Formação de educadores numa perspectiva de construção do saber - contributos da abordagem biográfica. Cadernos CEDES [online]. 2015, v. 35, n. 95 [Acessado em 09 de agosto de 2022] , pp. 75-89. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/CC0101-32622015146876>. Epub Jan-Abr 2015. ISSN 0101-3262. https://doi.org/10.1590/CC0101-32622015146876.

DELORY-MOMBERGER,C. Da condição à sociedade biográfica. Educar em Revista, Curitiba, v.37, 77147, 2021. Disponível em https://www.scielo.br/j/er/a/5p834hfdB9WTpkgJFt7DmMn/?lang=pt Acessado em 26 jul. 2022.

DELORY-MOMBERGER, Christine. Formação e socialização: os ateliês biográficos de projeto. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 32, n. 2, p. 359-371, maio/ago, 2006.

_____________. A condição biográfica: ensaios sobre a narrativa de si na modernidade avançada. Tradução de Carlos Galvão Braga, Maria da Conceição Passeggi e Nelson Patriota. Natal: EDUFRN, 2011.

DEWEY, John. Arte como Experiência; Trad. Vera Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

LABAN, Rudolf. Domínio do Movimento. São Paulo: Summus, 1978.

LARROSA, Jorge. Tremores: Escritos sobre experiência; Tradução Cristina Antunes, João Wanderley Geraldo. 1º ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2019.

MARQUES, Isabel. Linguagem da dança: arte e ensino. 1º ed. São Paulo: Digitexto, 2010.

NÓVOA. Antônio. Novas disposições dos professores: A escola como lugar da formação. 2003. Disponível em http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/1/21205-ce.pdf. Acesso em 04 de agosto de 2022.

NÓVOA, A. (2019). Professores e sua formação em tempos de metamorfose escolar. Educação & Realidade, 44 (3), 1–14. Acesso em 10 de agosto de 2022. https://www.scielo.br/j/edreal/a/DfM3JL685vPJryp4BSqyPZt/?format=pdf&lang=pt

NÓVOA, ANTÓNIO. Formação De Professores E Profissão Docente. 1o Congresso Nacional da Formação Contínua de Professores (Formação Contínua de Professores: Realidades e Perspectivas. Aveiro: Universidade de Aveiro, 1991).

ONUKI, G. M. Metodologia do ensino da dança. In: ZAGONEL, B. (Org.). Metodologia do ensino de arte. Curitiba: IBPEX, 2011.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Arte: ensino médio. Curitiba: SEED, 2006.

. Secretaria de Estado de Educação. Diretrizes curriculares da educação básica do estado do Paraná. Curitiba: SEED, 2008.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

Downloads

Publicado

2023-06-30

Como Citar

NASCIMENTO, E. F. A QUEM INTERESSAM MINHAS MEMÓRIAS DANÇADAS NA ESCOLA?. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 28, n. 1, p. 131–157, 2023. DOI: 10.33871/19805071.2023.28.1.7385. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/7385. Acesso em: 27 maio. 2024.