UMA CULTURA DE CUIDADO E AFETO

APONTAMENTOS SOBRE SEGURANÇA E CONFIANÇA EM UMA OFICINA DE TEATRO DESENVOLVIDA COM/POR MULHERES

Autores

  • Flavia Grützmacher dos Santos Universidade Federal de Santa Maria
  • Marcia Berselli Universidade Federal de Santa Maria

Palavras-chave:

práticas cênicas, oficinas de teatro, mulheres, comunidade

Resumo

O interesse central deste escrito é apresentar como as práticas de criação Contato Improvisação e Funções Flutuantes estimularam o desenvolvimento de segurança e confiança entre um grupo de mulheres participantes de uma oficina de teatro. Para tanto, analisamos as práticas desenvolvidas no perí­odo de 2017 a 2019 e entrevistamos as participantes de modo a reconhecer quais os aspectos envolvidos no estabelecimento e manutenção desse espaço de segurança e confiança. Percebemos como aspecto fundamental o sentido de comunidade estabelecido na oficina a partir de dois princí­pios das práticas supracitadas: o toque e o foco nas experimentações no processo criativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flavia Grützmacher dos Santos, Universidade Federal de Santa Maria

Artista da cena. Graduanda do curso de Licenciatura em Teatro da Universidade Federal de Santa Maria. Pesquisadora vinculada aoGrupo de Pesquisa Teatro Flexí­vel: práticas cênicas e acessibilidade (CNPq/UFSM). Bolsista de Iniciação Cientí­fica (PIBIC/CNPq).

Marcia Berselli, Universidade Federal de Santa Maria

Artista da cena. Professora do Departamento de Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutora em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAC/UFRGS). Lí­der do Grupo de Pesquisa Teatro Flexí­vel: práticas cênicas e acessibilidade (CNPq/UFSM) e do Laboratório de Criação (LACRI/CNPq). Coordenadora do Programa de Extensão Práticas cênicas, escola e acessibilidade.

Referências

ALBRIGHT, Ann Cooper. Engaging Bodies: the Politics and Poetics of Corporeality. Middletown, Connecticut: Wesleyan University Press, 2013.

ARAÚJO, Antonio. O processo colaborativo como modo de criação. Olhares, São Paulo, n. 1, p. 46-51, 2009. Disponí­vel em: https://www.olharesceliahelena.com.br/index.php/olhares/article/view/8. Acesso em: 12 ago. 2021.

BARONE, Luciana. Processo colaborativo: origens, procedimentos e confluências interamericanas. In: 20 anos de interfaces Brasil-Canadá. Organizadoras: Sérgio Barbosa de Cerqueda, Lí­cia Soares de Souza, Ana Rosa Neves Ramos, Elmo José dos Santos. Salvador: EDUFBA: ABECAN, 2011. Disponí­vel em: http://www.anaisabecan2011.ufba.br/Arquivos/Barone-Luciana.pdf. Acesso em: 22 ago. 2021.

BERSELLI, Marcia; LULKIN, Sergio Andrés. Flexibilização em práticas cênicas: cruzamentos de práticas teatrais e Contato Improvisação em uma aula de teatro com surdos. Anais 24º Seminário Nacional de Arte e Educação. Editora da Fundarte. 2014, p. 542-549. Disponí­vel em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/110711. Acesso em 12 nov. 2020.

BERSELLI, Marcia. Abordagens à cena inclusiva: princí­pios norteadores para uma prática cênica acessí­vel. 2019. 298 f. Tese (Doutorado) - Instituto de Artes, Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019. Disponí­vel em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/197213. Acesso em: 24 set. 2020.

BERSELLI, Marcia. Processo de criação do ator: a busca pela organicidade a partir do contato. 2014. 207 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Artes, Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014. Disponí­vel em: https://lume.ufrgs.br/handle/10183/110006#. Acesso em: 13 ago. 2020

BERSELLI, Marcia; SOLDERA, Natália Perosa. Laboratório de experiências conviviais: da pesquisa em teatro aos quintais da cidade. Revista da FUNDARTE, Montenegro, p. 64-77, ano 17, nº 34, ago/dez 2017. Disponí­vel em: https://seer.fundarte.rs.gov.br/index.php/RevistadaFundarte/article/view/453. Acesso em: 05 ago. 2020.

BOLSANELLO, Débora. Educação Somática: o corpo enquanto experiência. Motriz, Rio Claro, v. 11, n.2 p. 99-106, mai/ago. 2005. Disponí­vel em: https://www.rc.unesp.br/ib/efisica/motriz/11n2/11n2_08DBB.pdf. Acesso em 23 out., 2021.

BRESSAN, Vanessa; BERSELLI, Marcia. A interatividade de diferentes mí­dias em cena: uma análise de composições que enfatizam a presença do designer de cena na sala de ensaio. Anais X Reunião Cientí­fica ABRACE. v. 20, n. 01, 2019. Disponí­vel em: https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/abrace/article/view/ 4360/4600. Acesso em: 22 jul. 2021

DUBATTI, Jorge. Cartografí­a Teatral: introducción al Teatro Comparado. Buenos Aires: Atuel, 2008.

KUPPERS, Petra. Community Performance: an Introduction. London: Routledge, 2007.

KUPPERS, Petra. Disability Culture and Community Performance. Find a Strange and Twisted Shape. London: Palgrave, 2011.

LEITE, Fernanda Hubner de Carvalho. "Contato improvisação (contact improvisation) – um diálogo em dança" . In: Movimento. Porto Alegre, v.11, n.2, p. 89-110, mai/ago. 2005.

MACHADO, Mayara Marengo. Relações entre Contato Improvisação e as Práticas do BMC. Revista Nupeart, Florianópolis, v. 16, p. 67-79, 2016. Disponí­vel em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/nupeart/article/view/8677. Acesso em: 20 maio 2020.

NOVACK, Cynthia J. Sharing the Dance: Contact Improvisation and American Culture. Wisconsin: The University of Wisconsin Press, 1990.

RYNGAERT, Jean-Pierre. Jogar, representar: práticas dramáticas e formação. [Trad. Cássia Raquel da Silveira]. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

SAFFIOTI, Heleieth Iara Bongiovani. Gênero, patriarcado, violeÌ‚ncia. São Paulo: Expressão Popular: Fundação Perseu Abramo, 2004.

TIEPPO, Juliana Gedoz; BERSELLI, Marcia. Limites e exigências da colaboração artí­stica horizontal: um olhar sobre o jogo e a encenadora no processo colaborativo. ouvirOUver: Uberlândia, v. 15, nº 2, p. 446-458, jul./dez. 2019. Disponí­vel em: http://www.seer.ufu.br/index.php/ouvirouver/article/view/42736. Acesso em: 08 dez. 2020.

Downloads

Publicado

2022-07-20