TECNOLOGIAS DIGITAIS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO (TDICS): DESAFIOS E CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E ATUAÇÃO DO ESTUDANTE-ARTISTA-DOCENTE DE TEATRO EM TEMPOS DE COVID-19

Autores

Resumo

O presente artigo se propõe a mapear quais foram os desafios e as contribuições das Tecnologias Digitais da Informação e Comunicação (TDICs) para a formação e atuação desenvolvidas pelo futuro professor de Teatro, estudante-artista-docente, frente ao cenário avassalador de disseminação do COVID-19 no Brasil. Os dados foram coletados eletronicamente. A pesquisa contou com a participação de 54 estudantes do Curso de Licenciatura em Teatro de uma Instituição de Educação Superior (IES) do Distrito Federal. As informações foram sistematizadas e analisadas por meio da técnica de análise de conteúdo, proposta por Bardin (2010), possibilitando a identificação de três categorias: 1) Utilização das TDICs na formação de estudantes do curso de Licenciatura em Teatro, 2) Utilização das TDICs na produção artí­stica dos universitários, 3) Aprendizagem do estudante-artista-docente em formação. Os resultados revelaram que, inicialmente, a pandemia causada pelo novo coronaví­rus, SARS-CoV-2, instigou terror, ansiedade e insegurança aos universitários. Com o acompanhamento didático e mediação pedagógica necessárias, os universitários descobriram suas potencialidades e, com o passar do tempo, transformaram-se, apropriaram-se de aprendizagens significativas. Aos mediadores do componente curricular, foi imprescindí­vel o aprimoramento das estratégias didáticas para promoção da ensinagem, assim como, da utilização das TDICs com o propósito de fomentar e contribuir com a emancipação intelectual do artista-educador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniele Lopes dos Santos, Universidade de Brasí­lia

Professora Tutora do curso de Licenciatura em Teatro da Universidade de Brasí­lia (UnB) - Universidade Aberta do Brasil (UAB). Mestre em Artes Cênicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Especialista em Ensino de Artes Visuais pelo Colégio Pedro II (CPII) e em Arte, Cultura e Sociedade no Brasil pela Universidade Veiga de Almeida (UVA), Licenciada em Artes pela Universidade Cândido Mendes (UCM) e Bacharel em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Membro do corpo cientí­fico da revista cientí­fica Perspectivas Capianas (UFRJ). Editora crí­tica e autora em Artes na Editora Pearson Brasil.

Carla Cristie de França Silva, Universidade de Brasí­lia

Professora Formadora do curso de Licenciatura em Teatro da Universidade de Brasí­lia (UnB) - Universidade Aberta do Brasil (UAB). Doutora e Mestre em Psicologia pela Universidade Católica de Brasí­lia (UCB), Master in Business Administration em Gestão das Tecnologias da Informação e da Comunicação em Educação pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Pedagoga. Com experiência na Educação Básica e na Educação Superior. Dirigiu (2012 a 2014) a área de Gestão de Processos Educacionais do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação í  Docência (PIBID) promovido pela Comissão de Aperfeiçoamento de Pessoal do Ní­vel Superior (CAPES).

Referências

ALMEIDA, Maria Elizabeth B. de & SILVA, Maria da Graça Moreira da. Currí­culo, tecnologia e cultura digital: espaços e tempos de web currí­culo. Revista e-Curriculum, São Paulo, v.7 n.1, abril/2011.

ARANHA, Maria Lucia de Arruda. Filosofia da Educação. 1.ed. São Paulo: Moderna, 1993.

BARBOSA, Ana Mae; CUNHA, Fernanda Pereira da (Org.). Abordagem Triangular no Ensino das Artes e Culturas Visuais. São Paulo: Cortez, 2010.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade lí­quida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BOAL, Augusto. Estética do Oprimido. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e outras Poéticas polí­ticas. São Paulo: Editora 34, 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. CNE. Proposta de parecer sobre reorganização dos calendários escolares e realização de atividades pedagógicas não presenciais durante o perí­odo de pandemia da COVID-19. Brasí­lia, 2020. Disponí­vel em: https://www.cnm.org.br/cms/images/stories/Links/Texto_Referencia-_Reorganizacao_dos_Calendarios_Escolares_-_Pandemia_da_COVID-19_1.pdf. Acesso em: 10 jun 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Ministério da Educação (MEC). Parâmetros curriculares nacionais : Terceiro e Quarto Ciclo do Ensino Fundamental - Arte. 1998. Disponí­vel em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/arte.pdf. Acesso em: 03 maio 2021.

CENTRO REGIONAL DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇíO - CETIC.BR (Brasil). Comitê Gestor da Internet no Brasil. Uso da Internet no Brasil durante a pandemia do novo coronaví­rus: painel tic covid-19. Painel TIC COVID-19. 2020. Parceria: UNESCO; CETIC.BR; NIC.BR e CGI.BR. Disponí­vel em: https://cetic.br/pt/pesquisa/tic-covid-19/analises/. Acesso em: 02 jan. 2021.

CONSÓRCIO DE VEíCULOS DE IMPRENSA (Brasí­lia). Secretarias Estaduais de Saúde (comp.). Brasil mortes por COVID-19: 24 horas. 24 horas. 2021. Portal G1. Disponí­vel em: https://g1.globo.com/bemestar/coronavirus/noticia/2021/06/14/brasil-registra-928-novas-mortes-por-covid-em-24-horas-e-total-passa-de-488-mil-vitimas.ghtml. Acesso em: 15 jun. 2021.

CORRAZE, J. As comunicações não-verbais Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

CRESWELL, Jhon W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens Porto Alegre, RS: Penso, 2014.

DELORS, Jacques et al (Orgs.). Educação: um tesouro a descobrir. Brasí­lia: Unesco, 2010.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 41ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários í Prática Educativa. 31 ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FUSARI, Maria Felisminda de Rezende e; FERRAZ, Maria Heloí­sa Côrrea de Toledo. Arte na Educação Escolar. 2. ed., São Paulo: Cortez, 1993.

GONZíLEZ-REY, Fernando Luis. Pesquisa qualitativa em psicologia: caminhos e desafios. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

KNAPP, M.L. La comunicación no verbal: el cuerpo y el entorno. Barcelona: Paidós, 1980.

MARANHíO, Maximiliano Salvadori. TIC Cultura: Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos equipamentos culturais brasileiros: Comitê Gestor da Internet no Brasil, São Paulo, 2019.

MARCUSE, Herbert. Algumas implicações sociais da tecnologia moderna. In: MARCUSE, H. Tecnologia, guerra e fascismo. São Paulo: UNESP, 1999.

MOSÉ, Viviane. A escola e os desafios contemporâneos. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

OLIVEIRA, Fernanda Areias de. Pedagogia do Teatro Contemporâneo: apropriações da cena intermedial na formação de docentes de teatro. Tese (Doutorado em Artes Cênicas)- Centro Interdisciplinar de novas tecnologias na educação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2016.

OMS Brasil. Folha informativa – COVID-19 (doença causada pelo novo coronaví­rus) - Atualizada em 17 de abril de 2020. Disponí­vel em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=6101:COVID19&Itemid=875> Acesso em 17/04/2020.

PUPO, Maria Lúcia. Formação de formadores em cena. In: Lamparina: Revista de ensino de teatro. v. 1, n.1. Belo Horizonte: Escola de Belas Artes da UFMG, 2010. (p.43 – 49).

RAMOS, Stella. Hibridismo nas Artes. São Paulo: Instituto Arte na Escola, 2015.

SOTERO, E.; COUTINHO. Memes, Tecnologias e Educação: "˜conversas"™ com Professoras Em Tempos De Pandemia. Revista Docência e Cibercultura, v. 4, n. 2, p. 67-84, 2020.

UAB/UNB. Projeto Polí­tico Pedagógico: curso de licenciatura em teatro. Curso de Licenciatura em Teatro. 2013. Universidade Aberta do Brasil (UAB) e Universidade de Brasí­lia (UnB). Disponí­vel em: https://www.cead.unb.br/images/cursos/ppc_teatro.pdf. Acesso em: 20 maio 2021.

WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. Considerations for quarantine of individuals in the context of containment for coronavirus disease (COVID-19) Interim guidance, 29 February 2020. World Health Organization, 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-04

Edição

Seção

Eixo 1- Dossiê Temático