Um estudo dos invariantes operatórios mobilizados por estudantes da terceira série do Ensino Médio sobre o efeito fotoelétrico

Autores

Palavras-chave:

Fí­sica Moderna, Invariantes operatórios, Efeito fotoelétrico

Resumo

Este trabalho tem por objetivo apresentar os invariantes operatórios mobilizados por alunos da terceira série do Ensino Médio sobre o efeito fotoelétrico em situações didáticas. A aplicação desse estudo ocorreu em um colégio particular da cidade de Nova Esperança – Paraná, no ano de 2019. Como sujeitos da pesquisa, participaram quarenta e três alunos da terceira série do Ensino Médio. Com base em nossos objetivos de pesquisa, para a constituição dos dados, realizamos uma observação participante e, como instrumento de coleta de dados, utilizamos questionários. Para este artigo, selecionamos três questões, aplicadas ao longo de uma atividade didática, nas quais abordamos sobre o efeito fotoelétrico. Inicialmente, discutimos o processo de eletrização de um eletroscópio e as possí­veis formas de descarregá-lo. Na sequência, apresentamos novamente o experimento e pedimos para que testassem descarregar com uma fonte de luz (lanterna do celular e Luzes de LED coloridas). Após esse momento, promovemos uma discussão acerca dos conceitos que envolvem o efeito fotoelétrico. Em nossa análise, a maioria dos invariantes operatórios mobilizados no primeiro momento, antes da realização do experimento, consideravam que a luz, por não ser partí­cula e sim uma onda, não seria capaz de interagir com os elétrons e descarregar o eletroscópio. Ao serem questionados novamente, após testarem experimentalmente a luz descarregando o eletroscópio, percebe-se uma diversidade de conceitos e teoremas-em-ação mobilizados, os quais buscam em seus esquemas já existentes, encaixar o que foi observado. Por fim, na análise da terceira atividade didática, após a investigação experimental e conceitual do efeito fotoelétrico, percebe-se a mobilização de invariantes operatórios mais próximos do conhecimento cientí­fico. Sem a pretensão de esgotar o assunto, esperamos que os resultados encontrados contribuam para uma melhor compreensão dos invariantes operatórios sobre efeito fotoelétrico e subsidiem caminhos para abordar a Fí­sica Moderna, em especial a Fí­sica Quântica, no Ensino Médio.

Biografia do Autor

Bianca Cintra de Carvalho, Universidade Estadual de Maringá

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática da Universidade Estadual de Maringá.

Mestre em Educação para a Ciência e a Matemática pelaUniversidade Estadual de Maringá.

Licenciada em Fí­sica pelaUniversidade Estadual de Maringá.

Luciano Carvalhais Gomes, Universidade Estadual de Maringá

Doutor em Educação para a Ciência e a Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (2012). Mestre em Educação para a Ciência e o Ensino de Matemática pela Universidade Estadual de Maringá (2008). Graduado em Licenciatura Plena em Fí­sica pela Universidade Estadual de Maringá (2005). Mestre em Engenharia de Estruturas pela Universidade Federal de Minas Gerais (2001) e graduado em Engenharia Civil pela Universidade Federal de Minas Gerais (1998). Atualmente, é professor do Departamento de Fí­sica e do Programa de Pós-Graduação em Educação para a Ciência e a Matemática (PCM) da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

BELLINI, M. Epistemologia da biologia: para se pensar a iniciação ao ensino das ciências biológicas. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasí­lia, v. 8, n. 218, 2007.

BOGDAN, R. C.; BIKLEN, S. K. Investigação qualitativa em educação: uma introdução í teoria e aos métodos. Tradução: Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal: Porto Editora, 1994.

FLICK, U. Introdução í pesquisa qualitativa. Tradução: Joice Elias Costa. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FLICK, U. Introdução í metodologia de pesquisa: um guia para iniciantes. Tradução: Magda Lopes. Porto Alegre: Penso, 2013.

GRECA, I. M.; MOREIRA, M. A. Além da Detecção de Modelos Mentais dos Estudantes: uma proposta representacional integradora. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 31-53, 2002. Disponí­vel em: < https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/568/360>. Acesso em 20 out. 2020.

GRINGS, E. T. O; CABALLERO, C.; MOREIRA, M. A. Possí­veis indicadores de invariantes operatórios apresentados por estudantes em conceitos da Termodinâmica. Revista Brasileira de Ensino de Fí­sica, São Paulo, v. 28, n. 4, p. 463-471, 2006. Acesso em: <http://www.scielo.br/pdf/rbef/v28n4/a09v28n4.pdf>. Acesso em: 14 jul. 2019.

MOREIRA, M. A. A teoria dos campos conceituais de Vergnaud, o Ensino de Ciências e a pesquisa nesta área. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 7, n. 1, p. 7-29, 2002. Disponí­vel em: < https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/569/361>. Acesso em: 06 fev. 2020.

NARDI, R.; MONTEIRO, M. A.; BASTOS FILHO, J. B. Dificuldades dos professores em introduzir a Fí­sica Moderna no Ensino Médio: a necessidade de superação da racionalidade técnica nos processos formativos. In: NARDI, R. (Org.). Ensino de ciências e matemática, I: temas sobre a formação de professores [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

OLIVEIRA, F. F.; VIANNA, D. M.; GERBASSI, R. S. Fí­sica moderna no ensino médio: o que dizem os professores. Revista Brasileira de Ensino de Fí­sica, São Paulo, v. 29, n. 3, p. 447-454, 2007.

OSTERMANN, F.; MOREIRA, M. A. Uma revisão bibliográfica sobre a área de pesquisa "Fí­sica Moderna e Contemporânea no Ensino Médio". Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 5, n.1, p. 23-48, 2000. Disponí­vel em: <https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/600/390>. Acesso em: 15 mar. 2020.

PIAGET, J. Los datos genéticos de la epistemologia fí­sica. In: PIAGET, J. (Org.). Tratado de lógica y conocimiento cientí­fico, dirigido por Jean Piaget. Vol. IV – Epistemologia de la fí­sica. Buenos Aires: Editorial Paidos, 1979.

PINTO, A. C.; ZANETIC, J. É possí­vel levar a Fí­sica Quântica para o Ensino Médio? Caderno catarinense de Ensino de Fí­sica, Florianopólis, v. 16, n. 1, p. 7-34, 1999. Disponí­vel em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/6873/6333>. Acesso em: 20 set. 2021.

REIS, M. A. F. Efeito fotoelétrico na produção e transformação da luz: investigação do uso de uma proposta didática para o ensino de Fí­sica em cursos de engenharia. Mafra, Santa Catarina: Ed. da UnC, 2020. Disponí­vel em: <https://repositorio.unc.br:8443/xmlui/bitstream/handle/123456789/197/EFEITO_FOTOELETRICO_Mari_Aurora.pdf?sequence=1&isAllowed=y>. Acesso em: 02 jan. 2022.

SILVA, A. C.; ALMEIDA, M. J. P. M. Fí­sica quântica no Ensino Médio: o que dizem as pesquisas. Caderno Brasileiro de Ensino de Fí­sica, v. 28, n. 3, p. 624-652, 2011.

VERGNAUD, G. Cognitive and Developmental Psychology and Research in Mathematics Education: some theoretical and methodological issues. For the Learning of Mathematics, Montreal, v. 3, n. 2, p. 31-41, 1982.

VERGNAUD, G. Teoria dos campos conceituais. In: NASSER, L. (Ed.). SEMINAÌRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMAÌTICA, 1., 1993, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro, 1993. p. 1-26.

VERGNAUD, G. Algunas ideas fundamentales de Piaget en torno a la didaÌctica. Perspectivas, v. XXVI, n. 1, mar. 1996.

VERGNAUD, G. A Comprehensive Theory of Representation for Mathematics Education. Journal of Mathematical Behavior, v. 17, n. 2, p. 167-181, 1998.

VERGNAUD, G. ¿En queÌ sentido la TeoriÌa de los Campos Conceptuales puede ayudarnos para facilitar aprendizaje significativo? Investigações em Ensino de CieÌ‚ncias, Porto Alegre, v. 12, n. 2, p. 285-302, 2007. Disponí­vel em: <https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/475/277>. Acesso em: 17 dez. 2020.

VERGNAUD, G. Forme operatoire et forme predicaditive de la connaissance. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 17, n. 2, p. 287-304, 2012.

VERGNAUD, G. Conceptual Development and Learning. Revista Qurriculum, v. 26, p. 39- 59, mar. 2013.

Downloads

Publicado

2022-04-22