O MARKETING DE LUGARES E A DINAMIZAÇÃO DO TURISMO PEDAGÓGICO: UM ESTUDO DE CASO

Annaelise Fritz Machado, Bruno Barbosa Sousa, Zilpa Abreu

Resumo


Resumo

Objetivo: Compreender o papel do marketing de lugares como alavanca do turismo segmentado numa lógica científica, académica e de motivação pedagógica (em específico, as atividades turísticas realizadas no Resort Pedagógico Sítio do Carroção, no Brasil),

Metodologia: num primeiro momento, através de pesquisa bibliográfica (turismo, educação e turismo pedagógico). Num segundo momento, realização de estudo empírico de natureza exploratória no Resort Sítio do Carroção, com proposta de modelo conceptual a testar empiricamente.

Resultados: alguns destinos procuram posicionar a sua marca territorial numa clara tentativa de atrair novos visitantes e capitalizar esse segmento turístico. A gestão e o marketing de territórios, em específico o branding territorial, assume um papel determinante neste domínio, tanto ao nível da notoriedade da marca territorial (lembrança, memória e associação) como no que concerne à escolha e tomada de decisão por parte dos turistas e visitantes do turismo pedagógico.

Limitações da investigação: Este estudo apresenta como principal limitação a sua metodologia de natureza exclusivamente qualitativa. Estudos futuros deverão dar continuidade a este trabalho mediante metodologia de natureza quantitativa. Em específico, propõe-se a aplicação de inquéritos por questionário junto dos consumidores, testando um modelo concetual em contextos de turismo pedagógico.

Implicações práticas: Este estudo representa uma importante contribuição para a área de estudo do turismo de nichos (i.e. turismo pedagógico), que tem vindo a ser alvo de análises recentes no âmbito do marketing, uma vez que funciona como como uma chamada de atenção para a pertinência das questões ligadas ao processo ensino-aprendizagem em contextos turísticos.

Originalidade e valor: Reflete sobre um tema e um contexto específicos de importância central, algo que não tinha, ainda, sido aprofundadamente explorado na literatura científica existente. Ao mesmo tempo, fornece dados importantes para que se compreendam as motivações e os interesses dos estudantes / visitantes e para que, dessa forma, se possam definir as melhores análises metodológicas a adotar e as estratégias de marketing mais adequadas à promoção dos empreendimentos turísticos numa lógica de segmentação e turismo de interesse especial.

 


Palavras-chave


turismo pedagógico, citymarketing, marca territorial, segmentação, turismo de nichos

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, Z. H. L. (2000). O motivo integrador como variável para o aprendizado de língua estrangeira. (Dissertação do Mestrado em Educação). Juiz de Fora: CES.

Azevedo, A., Pereira, J., Magalhães, D. (2010). City marketing - my place in XXI. Vida Económica Livraria, Lisboa.

Bazanini, R., Ferreira, A. A., Féris, J. R. R., & Ravagnani, F. A. (2016). A Estratégia de Segmentação de Mercado como Vantagem Competitiva: Um Estudo Exploratório no Setor de Turismo “Single” A Partir da Cidade de São Paulo. PODIUM Sport, Leisure and Tourism Review, 5(1), 48-60.

Bigné, J. E., & Andreu, L. (2004). Emotions in segmentation: An empirical study. Annals of Tourism Research, 31(3), 682-696.

Buhalis, D., & Law, R. (2008). Progress in information technology and tourism management: 20 years on and 10 years after the Internet—The state of eTourism research. Tourism management, 29(4), 609-623.

Campos, A. C., Mendes, J., Valle, P. O. D., & Scott, N. (2018). Co-creation of tourist experiences: A literature review. Current Issues in Tourism, 21(4), 369-400.

Cardoso, H. R., & Gattiboni, M. D. L. S. (2015). Turismo Pedagógico: Uma Alternativa para Integração Curricular. Professare, 4(1), 85-110.

Chevalier, M., & Mazzalovo, G. (2003). Pro logo: brands as a factor of progress. Springer.

Dalgic, T., & Leeuw, M. (1994). Niche marketing revisited: concept, applications and some European cases. European Journal of Marketing, 28(4), 39-55.

Ferreira J., Sousa B. (2020) Experiential Marketing as Leverage for Growth of Creative Tourism: A Co-creative Process. In: Rocha Á., Abreu A., de Carvalho J., Liberato D., González E., Liberato P. (eds) Advances in Tourism, Technology and Smart Systems. Smart Innovation, Systems and Technologies, vol 171. pp 567-577, Springer, Singapore Systems, Smart Innovation, Systems and Technologies 171, https://doi.org/10.1007/978-981-15-2024-2_49

Ferreira, J., Sousa, B. & Gonçalves, F. (2019), "Encouraging the subsistence artisan entrepreneurship in handicraft and creative contexts", Journal of Enterprising Communities: People and Places in the Global Economy, Vol. 13 No. 1/2, pp. 64-83. https://doi.org/10.1108/JEC-09-2018-0068

Gaio, S. & Gouveia, L. (2007). O Branding Territorial: uma abordagem mercadológica à Cidade. Revista A Obra Nasce. Edições UFP. ISSN 1645-8729, pp 27-36.

Giaretta, M. J. (2005). Turismo da Juventude. São Paulo: Manole.

Gomes, D. S., Mota, K. M., & Perinotto, A. R. C. (2012). Turismo pedagógico como ferramenta de educação patrimonial: a visão dos professores de História em um colégio estadual de Parnaíba (Piauí, Brasil). Turismo e Sociedade, 5(1).

Hankinson, G. & Cowking, P. (1993). Branding in Action. McGraw-Hill, London, UK.

Hankinson, G. (2004). Relational network brands: Towards a conceptual model of place brands. Journal of Vacation Marketing, 10(2), 109-121.

Hora, A. & Cavalcanti, K. B. (2003). Turismo pedagógico: conversão e reconversão do olhar. DANS Turismo Contemporâneo: desenvolvimento, estratégia e gestão, sous la direction de Mirian REjOWSKI et benny Kramer COSTA, 207-227.

Ignarra, L. R. (2003). Fundamentos do Turismo. 2ª. ver. Ampl. São Paulo: Pioneira Thompsom Learning.

Jaluska, T., & Junqueira, S. (2012). As possibilidades de educação em espaços não formais por meio do turismo educacional: o que apontam os trabalhos de conclusão do curso de Pedagogia da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), Ciberteologia. Revista de Teologia & Cultura-Ano VIII, 39, 25-38.

Kavaratzis, M., & Ashworth, G. (2008). Place marketing: how did we get here and where are we going?. Journal of Place Management and Development, 1(2), 150-165.

Kavaratzis, M. (2004). From city marketing to city branding: Towards a theoretical framework for developing city brands. Place Branding 1(1), 58–73.

Lages, R.; Sousa, B. & Azevedo, A. (2018). O posicionamento e a imagem em contextos de marketing de destinos turísticos: estudo de caso aplicado à cidade de Braga, European Journal of Applied Business Management, Special Issue, pp. 15-32.

Machado, A. F., & Sousa, B. B. (2018). Luxo Sustentável em Contextos de Hotelaria e Turismo: Do diferencial competitivo à preocupação com a responsabilidade social. International Journal of Marketing, Communication and New Media, (4).

Mezzacappa, M. (2006). Sítio do Carroção, Veja. São Paulo, 39(86), 45-60.

Milan, P. L. (2007). Viajar para aprender: turismo pedagógico na região dos Campos Gerais–PR. 2007 (Doctoral dissertation, Dissertação (Mestrado em Turismo e Hotelaria)-Centro de Educação, Universidade do Vale do Itajaí, Balneário Camboriú).

Netto, A. P. (2017). O que é turismo. Brasiliense.

Nicodemus, M. (2017). Escola do Século XXI. Escola do século do XXI deve prezar pelo aprender fazendo. O Globo – sociedade.

Oliveira, A. P. (2002). Turismo e Desenvolvimento Planejado. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Perinotto, A. R. (2008). Turismo pedagógico: uma ferramenta para educação ambiental. Caderno virtual de Turismo, 8(1), 100-103.

Raykil, E. B., & Raykil, C. (2005). Turismo pedagógico: uma interface diferencial no processo ensino aprendizagem. Revista Global Tourism-Periódico de Turismo, 2(1).

Robinson, M., & Novelli, M. (2005). Niche tourism: an introduction. Niche tourism: Contemporary issues, trends and cases, 1-11.

Rocha, J. (2006). Gerência de Marketing. Rio de Janeiro: Ed. Rio Thomson.

Silva, V. & Sousa, B. (2018). Um estudo exploratório do impacto do marketing relacional na decisão de compra do consumidor das agências de viagens, European Journal of Applied Business Management, Special Issue ICABM 2018, pp. 302-313.

Smith, W. L. (2005). Experiential tourism around the world and at home: definitions and standards. International Journal of Services and Standards, 2(1), 1-14.

Smith, C., & Jenner, P. (1997). Educational tourism. Travel & Tourism Analyst, (3), 60-75.

Sousa, B.; Malheiro, A. & Veloso, C. M. (2019). O Marketing Territorial como Contributo para a Segmentação Turística: Modelo conceptual no turismo de pedagógico. International Journal of Marketing, Communication and New Media. Special Issue 5 – Tourism Marketing, 93-116.

Sousa, B. (2014). O impacto do place attachment e de emoções na satisfação e lealdade em regiões turísticas transfronteiriças: uma perspetiva de marketing de nichos aplicado à Euro-região Norte de Portugal e Galiza, Tese de Doutoramento, Universidade do Minho, Braga.

Sousa, B. M. (2016). A dinâmica diferenciadora eo processo de criação na gestão de destinos turísticos. Revista Brasileira de Pesquisa em Turismo, 10(1), 3-17.

Sousa, B., & Simões, C. (2010). Comportamento e perfil do consumidor de turismo de nichos. Tékhne-Revista de Estudos Politécnicos, (14), 137-146.

Vasconcelos, C., Vareiro, L. & Sousa, B, S. (2018). Novos cenários e desafios para (o turismo em) Guimarães, European Journal of Applied Business Management, Special Issue ICABM 2018, pp. 116-130.

Vinha, M. L., Garcia, M. D., Romão, C., Oliveira, D. L. Y., Marin, F., Botelho, F., ... & Scacchetti, M. C. F. (2005). O turismo pedagógico e a possibilidade de ampliação de olhares. Hórus–Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas, Ourinhos, SP, (03).

Tseng, C., Wu, B., Morrison, A. M., Zhang, J., & Chen, Y. C. (2015). Travel blogs on China as a destination image formation agent: A qualitative analysis using Leximancer. Tourism Management, 46, 347-358.

Zhang, H., Wu, Y., & Buhalis, D. (2018). A model of perceived image, memorable tourism experiences and revisit intention. Journal of destination marketing & management, 8, 326-336.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.