ENTRE A GESTÃO E A FOME: UM ESTUDO DE CASO DO RESTAURANTE POPULAR NO MUNICÍPIO DE PARANAGUÁ

Anna Paula de Araújo Bornancin, Denyan Mariano Pinto

Resumo


A partir da aceleração da urbanização no Brasil, um novo contexto surgiu nos aspectos de vida da população, a partir da inversão dos fluxos populacionais quando os grandes centros urbanos passaram a ter mais habitantes que a zona rural, o acesso a alimentos se tornou mais dificultado especialmente as pessoas de menor poder aquisitivo. O governo brasileiro implantou um programa de restaurantes populares com vias a mitigar a fome. Apesar da relevância dos restaurantes populares, até o momento poucos estudos foram realizados sobre o tema no que se refere ao atendimento prestados por esses estabelecimentos. Neste contexto realizou-se pesquisa exploratória descritiva entre julho e setembro de 2016, com entrevistas presenciais junto a 64 consumidores que frequentavam diariamente o restaurante popular do município de Paranaguá. O estudo revelou que o consumidor do restaurante popular no litoral do Paraná era frequentado de forma igualitária entre os gêneros que estavam em idade economicamente ativa, sendo na totalidade pessoas de baixa renda financeira. O estudo observou que a medida que o nível de escolaridade e renda é fator relevante entre os consumidores, sendo que a medida que se eleva a escolaridade e a renda diminui a frequência deste consumidor no restaurante popular. Os principais fatores de que influencia no processo de decisão de consumo no restaurante popular são o baixo preço, seguido da qualidade do alimento servido. As principais implicações observadas na pesquisa de campo e que são considerados como negativas pelos consumidores foram o pequeno tamanho do restaurante, e em especial a pequena quantidade de comida servida e sendo que estes fatores necessitam de melhorias pela gestão do restaurante popular para ampliar o nível de satisfação do consumidor.

 


Palavras-chave


Alimentação, Consumidor, Litoral do Paraná.

Texto completo:

PDF

Referências


Descrição sócio-demográfica, laboral e de saúde dos trabalhadores do setor de serviços de alimentação dos restaurantes populares do estado do Rio de Janeiro. Rev. Nutr., Campinas , v. 23, n. 6, p. 969-982, Dec. 2010

ANACLETO, Adilson; COELHO, Andersandra Pereira; CURVELO, Eder Bruno Couto. As mulheres empreendedoras e as feiras livres no litoral do Paraná. Faz Ciência, vol. 18, n. 27, jan/jun de 2016 – p. 118-139.

ANACLETO, A., NEGRELLE, R. R. B., MURARO, D., & TOYOFUKU, T. M. Profile and behavior of the bromeliads consumer in Paraná State-Brazil. Business Management Review, v. 5, n. 1, p. 12-19, 2014.

BARRETO, Sandhi Maria Análise da estratégia global para alimentação, atividade física e saúde, da Organização Mundial da Saúde. Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília , v. 14, n. 1, p. 41-68, mar. 2005 .

BELIK, WALTER; SILVA, JOSÉ GRAZIANO DA; TAKAGI, MAYA. Políticas de combate à fome no Brasil. São Paulo Perspec., São Paulo , v. 15, n. 4, p. 119-129, Dec. 2001 .

CASTRO, J. Geografia da Fome. 10. ed. São Paulo: Brasiliense, 1967.

CRISPIM MOREIRA Diretor do Departamento de Promoção de Sistemas Descentralizados. Manual do Programa dos Restaurantes Populares:Brasília Setembro de 2014. PATRUS Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome.

CLARKE, Greg. Marketing de serviços e resultados. São Paulo: Futura, 2001.

COBRA, Marcos. Administração de marketing: 2 ed. São Paulo: Atlas, 1992.

FOOD SERVICE BRASIL. Disponível em: http://www.institutofoodservicebrasil.org.br/, Acesso em: 20 out. 2017

FREITAS, C. C. G. MAÇANEIRO, M.B; KUHL, M. R; SEGATTO, A. P.; DOLIVEIRA, S. L. D. ; LIMA, L. F.Transferência tecnológica e inovação por meio da sustentabilidade. Revista de Administração Pública, 2012, v.46, n.2, p. 363-384.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=411820&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas. Acesso em: 20 out. 2016

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de orçamentos familiares 2002-2003. Rio de Janeiro: IBGE; 2004. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=411820&search=||infogr%E1ficos:-informa%E7%F5es-completas. Acesso em: 20 out. 2017


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.