Ensino de língua estrangeira e gêneros textuais

Laura de de Almeida, Luciene Monjardim

Resumo


O presente trabalho reflete quanto à necessidade de repensar o Ensino de Língua Estrangeira bem como o papel que esta exerce na vida do alunado. Apresentamos algumas ações do subprojeto de Letras/Inglês do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID) - “Língua Inglesa, Escola e sustentabilidade, relação de consciência e de cidadania” desenvolvido no Colégio Horizontina Conceição com alunos do ensino fundamental II. Durante a aplicação do projeto percebemos a necessidade de proporcionar um ensino diferenciado da disciplina em questão fugindo do atrelamento desta à tradução e ao estudo de gramática. Nesse propósito, as atividades foram propostas a partir de gêneros textuais diversos por entender que estes, representam as práticas sociais características de um dado contexto histórico. Para tanto, baseamo-nos nas concepções de gêneros segundo Bronckart (1999), Padilha Pinto (2002), nos PCNs (1998), Bakthin (1992),  Marcuschi (2002). De forma geral eles compactuam com a concepção de que apropriação dos gêneros é um mecanismo fundamental de socialização e de inserção prática nas atividades comunicativas humanas. Posto que, à medida que passam a conhecer e a fazer uso dos vários gêneros discursivos, os alunos aprendem o propósito da escrita, o conteúdo e o contexto relacionando o aprendizado em sala de aula às suas vivências.

Palavras-chave


escola, aprendizagem, formação continuada

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira /Secretaria de Educação Fundamental. . Brasília: MEC/SEF, 1998

BRONCKART, J.P. Atividades de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: EDUC, 1999

CHAVES, Cilene, ; c.c. . Práticas Cotidianas em Educação Ambiental com Ênfase no Princípio Biocêntrico. 1. ed. Vila Velha ES: Opção, 2011. v. 01. 79 p.

FREIRE, Paulo; FREIRE, Ana Maria Araújo. Pedagogia dos sonhos possíveis. São Paulo: Ed. UNESP, 2001. 330p (Série Paulo Freire)

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 18. ed Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. 150 p.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: Definição e Funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Ana Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). Gêneros Textuais & Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

PADILHA, E. (2002) Gêneros discursivos e ensino de língua inglesa Gêneros Textuais: Definição e Funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Ana Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (Orgs.). Gêneros Textuais & Ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002

PHILIPPI JR., Arlindo; PELICIONI, Maria Cecilia Focesi. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Saúde Pública Núcleo de Informações em Saúde Ambiental. Educação ambiental: desenvolvimento de cursos e projetos. São Paulo: USP/FSP/NISAM, Signus, 2000. 350p

REIGOTA, Marcos. O que e educação ambiental. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1994. 62p. (Primeiros passos) ISBN 8511012923 (broch.)

ROUSSEAU, Jean-Jacques. Emílio ou da educação. Rio de Janeiro: Bertrand, 1992. 581 p.

VIEIRA; D´ELIA . Capítulo 25 – Coleção e Programa Super Eco: Formação de Agentes Multiplicadores em Educação Ambiental. (p. 233/234). In: PHILIPPI JR., Arlindo; PELICIONI, Maria Cecilia Focesi. UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Faculdade de Saúde Pública Núcleo de Informações em Saúde Ambiental. Educação ambiental: desenvolvimento de cursos e projetos. São Paulo: USP/FSP/NISAM, Signus, 2000. 350p


Apontamentos

  • Não há apontamentos.