História da transformação da natureza e o debate sobre Educação Ambiental nas últimas décadas do século XX e início do século XXI

Marilene Mieko Yamamoto Pires, Cintia Cristiane de Andrade

Resumo


Refletir sobre Educação Ambiental (EA) sem relacioná-la às transformações sociais referentes a cada período histórico é algo inevitável. A trajetória da transformação da natureza até a consolidação da Educação Ambiental na década de 1970 é marcada pela visão estritamente ecológica e pela necessidade de incorporação das múltiplas vertentes ao qual a temática ambiental abrange. Há uma necessidade evidente de quebra de paradigmas no que se refere ao modo como a Educação Ambiental é trabalhada no espaço escolar, e como deveria ser abordada levando-se em consideração toda a complexidade que a envolve. A história nos mostra o quanto a consolidação da EA é permeada por avanços e retrocessos, desde a participação dos movimentos sociais para sua efetivação a partir da década de 1980 e também pela sua inserção nos documentos norteadores da educação como a Constituição Federal de 1988, os Parâmetros Curriculares Nacionais e as Diretrizes Curriculares Educacionais do Estado do Paraná que orientam para um trabalho com as questões ambientais voltadas para a formação cidadã dos indivíduos, de modo que este consiga inserir-se e atuar criticamente no ambiente que o cerca. Assim, este trabalho tem como objetivo contextualizar o período em que a Educação Ambiental se tornou tema para um debate mais intenso, mediante a realização de uma breve revisão da literatura sobre a história da transformação da natureza e o debate sobre Educação Ambiental nas últimas décadas do século XX e início do século XXI, indicando os principais pontos de discussão nesta área.

 

Palavras-chave: História, Consolidação, Educação Ambiental.

 


Texto completo:

138-170

Referências


ALMEIDA, J. P. de. Educação Ambiental – História e formação docente. Maceió: EDUFAL, 2011.

BLONDEL, D. Dificuldades, Riscos e Desafios do Século XXI. In: DELORS, J. (Org.). A Educação para o Século XXI: questões e perspectivas. Porto Alegre: Artmed, 2005.

BRANDÃO, C. da F. LDB: passo a passo: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (Lei nº 9.394/96), comentada e interpretada artigo por artigo. 2. ed. São Paulo: Avercamp, 2005.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição: República Federativa do Brasil. 19. ed. Brasília: Senado Federal, 2002.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos

parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1997.

CARSON, R. Primavera Silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

_________________ . A Invenção Ecológica: narrativas e trajetórias da Educação Ambiental no Brasil. Porto Alegre: EDUFRGS, 2002.

CHADDAD, F. R.; GHILARDI, R. P. O Legado de Descartes. Enciclopédia Biosfera, v. 8, n. 14, Centro Científico Conhecer - Goiânia, 2012.

CRESPO, S. Educação para a sustentabilidade: a Educação Ambiental no

programa da Agenda 21. In: REIGOTA, M.; NOAL, F. O.; BARCELOS, V. H. Tendências da Educação Ambiental brasileira. Santa Cruz do Sul/RS: EDUNISC, 1998.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 9. ed. São Paulo: Gaia, 2004.

DUVOISIN, I. A. A necessidade de uma visão sistêmica para a Educação Ambiental: conflitos entre o velho e o novo paradigmas. In: RUSCHEINSKY, A. (Org.). Educação Ambiental – abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002, p. 91-103.

FERNANDES NETO, J. Das concepções às práticas: Educação Ambiental, meio ambiente e qualidade de vida no ensino fundamental. São Paulo: SESI-SP editora, 2012.

FERREIRA, E. Educação Ambiental e Desenvolvimento de Práticas Pedagógicas sob um novo Olhar da Ciência Química. 2010. 115 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Centro Universitário Salesiano de São Paulo, Americana, 2010. Disponível em: . Acesso em: 05 abr. 2016.

GRÜN, M. Ética e Educação Ambiental: a conexão necessária. 14. ed. Campinas: Papirus, 2012.

GUIMARÃES, M. A Dimensão Ambiental na Educação. 11. ed. Campinas: Papirus, 2013.

HERCULANO, S. C. Do desenvolvimento (in) suportável à sociedade feliz. In: GOLDENBERG, M. Ecologia, Ciência e Política. Rio de Janeiro: Editora Revan, 1992.

JAPIASSU, H. Interdisciplinaridade e Patologia do Saber. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

LIPIETZ, A. Que és la ecologia política? La gran transformación del siglo XXI. Buenos Aires: Editores Independientes, 2002.

LOUREIRO, C. F. B. Sustentabilidade e Educação: um olhar da ecologia política. 1 ed. São Paulo: Cortez, 2012a.

_________________. Trajetórias e fundamentos da Educação Ambiental. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2012b.

MÉSZÁROS, I. A Educação para além do Capital. 2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.

MIRANDA, J. L. M.; ELIAS, R. C.; FARIA, R. M.; SILVA, V. L.; FELÍCIO, W. A. de S. Teatro e Escola: funções, importâncias e práticas. Revista CEPPG - CESUC – Centro de Ensino Superior de Catalão. Catalão, GO: ano XI, 1º sem. 2009, p. 172-181. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2017.

MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 2. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2011.

_________. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 8. ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2013.

PÁDUA, S. M.; TABANEZ, M. F. Avaliação de trilhas interpretativas para

Educação Ambiental. In: PÁDUA, S. M.; TABANEZ, M. F. (Orgs.). Educação Ambiental: Caminhos trilhados no Brasil. São Paulo: Ipê, 1998.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes Curriculares de

Educação Básica - Ciências. Curitiba: SEED, 2008.

PELICIONI, M. C. F. Fundamentos da Educação Ambiental. In: PHILIPPI JR. A.; ROMERO, M. A.; BRUNA, G. C. (Orgs.). Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Manole, 2004, p. 459-484.

PENTEADO, H. D. Meio Ambiente e Formação de Professores. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

PINOTTI, R. Educação Ambiental para o século XXI: no Brasil e no mundo. São Paulo: Blucher, 2010.

QUEIROZ, E. U. A Evolução do Pensamento frente à Percepção da Natureza. Jundiaí/SP: Paco Editorial, 2013.

QUINTAS, J. S. Educação no processo de gestão ambiental pública: a construção do ato pedagógico. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. de (Orgs.). Repensar a Educação Ambiental - Um olhar crítico. São Paulo: Cortez, 2009.

REIGOTA, M. O que é Educação Ambiental. São Paulo: Brasiliense, 2014.

ROCHA, A. B. da S. O Currículo do Ensino Fundamental e a Lei 9.394/96. In: SILVA, E. B. da (Org.). A Educação Básica Pós-LDB. São Paulo: Pioneira, 1998.

RUSCHEINSKY, A.; BORTOLOZZI, A. Educação Ambiental e alguns aportes metodológicos da ecopedagogia para inovação de políticas públicas urbanas. In: PEDRINI, A. de G.; SAITO, C. H. (Orgs.). Paradigmas Metodológicos em Educação Ambiental. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014, p. 47-59.

THIESEN, J. S. A Interdisciplinaridade como um Movimento Articulador no Processo Ensino-Aprendizagem. Rev. Bras. Educ., vol.13, n.39, p. 545-554, 2008. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2017.

TRISTÃO, M. As Dimensões e os Desafios da Educação Ambiental na Sociedade do Conhecimento. In: RUSCHEINSKY, A. (Org.). Educação Ambiental – abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002, p. 169-183.

WILSON, E. O. Posfácio. In: CARSON, R. Primavera Silenciosa. São Paulo: Gaia, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.