Gêneros de texto por meio de práticas sociais em língua inglesa: o papel da sequência didática produzida por pibidianos

Karim Siebeneicher Brito, Francini Percinoto Poliseli Corrêa, Maria Izabel Rodrigues Tognato

Resumo


Neste artigo, apresentamos os resultados da análise de uma sequência didática (SD) desenvolvida por integrantes do subprojeto de língua inglesa do PIBID da Universidade Estadual do Paraná – Campus de União da Vitória, contemplando o gênero de texto Cardápio. Baseamo-nos, para tanto, na relação entre o ensino com base em gêneros e o desenvolvimento das capacidades de linguagem (BRONCKART, 1997/2009; SCHNEUWLY; DOLZ, 2004), o que permite aos alunos agir fazendo uso da linguagem em diferentes situações de comunicação. No que concerne aos procedimentos metodológicos deste estudo, quanto aos instrumentos de coleta de dados, realizamos a análise de uma sequência didática. No que tange aos procedimentos de análise, pautamos nossos estudos na identificação das capacidades de linguagem mobilizadas nessa sequência. Os resultados deste estudo apontam para a relevância da inserção de professores em formação em processos de produção de materiais didáticos para a tomada de consciência dos processos de regulação da linguagem e para possíveis contribuições quanto a uma atuação profissional mais precisa e segura.


Texto completo:

24-45

Referências


ABREU-TARDELLI, L. S. Elaboração de sequências didáticas: ensino e aprendizagem de gêneros em língua inglesa. In: DAMIANOVIC, M. C. (Org.). Material didático: elaboração e avaliação. Cabral: editora e livraria universitária. Taubaté, 2007.

BAKHTIN, M. (Voloshinov, V. N. – 1929). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1992.

BAKHTIN, M.; DUVAKIN, V.. Mikhail Bakhtin em diálogo – conversas de 1973 com Viktor Duvakin.São Carlos & João Editores, 2008.

BAZERMAN, C. Gêneros, agência e escrita. São Paulo: Cortez, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundamental: Língua Estrangeira. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BREWER, C. Music and learning: Seven ways to use music in the classroom. Tequesta, FL: Life Sounds, 1995.

BRONCKART, J-P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução: Anna Rachel Machado. São Paulo: Educ, 1997/2009.

_____. Bronckart, J. P.. Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. São Paulo: Mercado de Letras, 2006.

_____. O agir nos discursos: das concepções teóricas às concepções dos trabalhadores. Tradução Anna Rachel Machado e Maria de Lourdes Meirelles Matencio. Campinas: Mercado de Letras, 2008. (Coleção Idéias sobre Linguagem).

CRISTOVÃO, V. L. L. . Modelo didático de gênero como instrumento para formação de professores. In: J. L. Meurer & D. Motta-Roth (Orgs.). Gêneros Textuais. (pp. 31-73). Bauru: EDUSC, 2002.

_____. Cristovão, V. L. L.. Aprendendo a planificar o próprio trabalho: gêneros textuais na formação de professores de língua estrangeira. In V. L. L. Cristovão & E. L.Nascimento (Orgs.). Gêneros textuais: teoria e prática II. (pp. 153-162). União da Vitória: Kaygangue, 2005.

_____. Modelos didáticos de gênero: uma abordagem para o ensino de língua estrangeira. Londrina: UEL, 2007.

_____. Sequências didáticas para o ensino de línguas. In: DIAS, R. e CRISTOVÃO, V. L.L. (Orgs.) O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009, p. 305-344.

_____. Para uma expansão do conceito de capacidades de linguagem. In: BUENO, L.; LOPES, M.A. P. T. e CRISTOVÃO, V.L. (Org.). Gêneros Textuais e Formação Inicial: uma homenagem à Malu Matencio. 1.ed. Campinas: Mercado das Letras, 2013, p. 357-383.

CRISTOVÃO. V. L. L. et al. Uma proposta de planejamento de ensino de língua inglesa em torno de gêneros textuais. Letras, Santa Maria, v.20, n.40, p.191-215. Jan./jun. 2010.

CRISTOVÃO, V. L. L.; STUTZ, L. Sequências didáticas: semelhanças e especificidades no contexto francófono como L1 e no contexto brasileiro como LE. In: SZUNDY, P. T. C. et AL. (org.) Linguística Aplicada e sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. Campinas: Pontes Editores, 2011, v.1., p. 17 – 40.

DENARDI, D. A. C. Flying together towards EFL teacher development as language learners and professionals through genre writing. Tese (Doutorado em Letras – Inglês e Literatura Correspondente). Florianópolis, SC: Universidade Federal de Santa Catarina, 2009. Disponível em: < https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/92491> Acesso em: 15 de janeiro, 2018.

DOLZ, J.; NOVERRAZ, M. e SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B. e DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glais Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004, p. 95-128.

GIBBS, G. Análise de dados qualitativos. Porto Alegre: Artmed, 2009.

HOFSTETTER R. et SCHNEUWLY B. (2009). « Savoirs en (trans)formation. Au cœur des professions de l’enseignement et de la formation ». In Hofstetter R. et Schneuwly B. Savoirs en (trans)formations des savoirs dans les formations aux professions enseignantes. Bruxelles : De Boeck, p. 6-22.

LANFERDINI, P. A. da F.; CRISTOVÃO, V. L. L. Uma proposta de elaboração de sequência didática para o ensino de línguas e o desenvolvimento de capacidades de linguagem. Anais VI SIGET – Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais, 16 a 19 de agosto de 2011, Natal, RN, p.1-18.

MACHADO, A. R. Um instrumento de avaliação de material didático com base nas capacidades de linguagem a serem desenvolvidas no aprendizado de produção textual. Intercâmbio, v. 10. São Paulo: 2001, p. 137-147.

_____. A perspectiva sócio-interacionista de Bronckart. In: J. L. Meurer, A. Bonini & D. Motta-Roth (Orgs.). Gêneros: teorias, métodos, debates. (pp.237-259). São Paulo: Parábola Editorial, 2005.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Diretrizes Curriculares da Educação Básica Língua Estrangeira Moderna. Curitiba: SEED, 2008.

PONTARA, C.L.; CRISTOVÃO, V. L. L. Gramática/análise linguística no ensino de inglês (língua estrangeira) por meio de sequência didática: uma análise parcial. D.E.L.T.A.; 33.3, 2017 (873-909).

SCHNEUWLY, B. e DOLZ, J. Gêneros orais e escritos na escola. Trad. Roxane Rojo e Glais Sales Cordeiro. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2004.

SOUZA, A. M. S. de; WALDRAFF, I. P.; BRITO, K. S.; SYDOL, M. C. Caderno Pedagógico. Gêneros textuais em língua estrangeira e práticas sociais. Gráfica e Editora Kaygangue Ltda.: União da Vitória, PR, 2014.

STUTZ, L. Sequências didáticas, socialização de diários e autoconfrontação: instrumentos para a formação inicial de professores de inglês. 2012. 458f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, 2012.

STUTZ, L.; CRISTOVÃO, V. L. L. A construção de uma sequência didática na formação docente inicial de língua inglesa. Signum: Estudos da Linguagem, v. 14, p. 569, 2011.

SZUNDI, P. T. C.; CRISTOVÃO, V. L. L. Projetos de formação pré-serviço do professor de língua inglesa: seqüências didáticas como instrumento no ensinoaprendizagem. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v.8., n.1, 2008.

TOGNATO, M.I.R. e DOLZ, J. Implementação e análise de um dispositivo didático na formação de professores de língua inglesa: possíveis reconfigurações. In: MORETTO, M. (Org.) Prática de leitura e escrita em contextos escolares e não-escolares. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. Fontes Editora Ltda, 4. ed. brasileira. São Paulo, 1991.

VYGOTSKY, L. S. Uma perspectiva histórico-cultural da educação. 12. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.